Projeto Pedagógico de Ciências Contábeis

 

Logo_Fachasul_Alta254

 

 

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

 

Atualizado em 2015

 

Quadro  01  –  Campos  interligados  de  formação  do  Curso  de  Ciências  Contábeis  da

 

FACHASUL, 2013 ……………………………………………………………………………………… ………….33

 

Quadro 02  – Campos Interligados de Formação, Disciplinas e Carga horária do Curso de

 

Ciências Contábeis da FACHASUL, 2013 …………………………………………………….. ………….34

 

Quadro  03  –  Equivalência  da  Matriz  curricular  do  Curso  de  Ciências  Contábeis  da

 

FACHASUL, 2013 ……………………………………………………………………………………… ………….36

 

Quadro 04 – Matriz Curricular 2013 do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL, 2013

 

……………………………………………………………………………………………………………….. ………….38

 

Quadro 05 – Disciplinas eletivas do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL, 2013

 

……………………………………………………………………………………………………………….. ………….41

 

Quadro 06 –  Relação disciplinas/docentes 01/2015…………………………………………………..134

 

Quadro 07 – Relação disciplinas/docentes 02/2015……………………………………………………135

 

 

 

 

 

Gráfico  01  –  Campos  Interligados de  Formação  do  Curso  de  Ciências  Contábeis  da

 

FACHASUL, 2013 ……………………………………………………………………………………… ………….33

 

SUMÁRIO

 

INTRODUÇÃO ……………………………………………………………………………………………… 6

 

1 APRESENTAÇÃO ……………………………………………………………………………………… 7

 

2 CONCEPÇÃO E HISTÓRICO DA IES …………………………………………………………… 8

 

3 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS – FACHASUL ……………………………………… 14

 

3.1 Denominação e Regime………………………………………………………………………….. 14

 

3.2 Justificativa …………………………………………………………………………………………… 15

 

3.3 Missão………………………………………………………………………………………………….. 17

 

3.5 Projeto do Curso ……………………………………………………………………………………. 23

 

3.6 Objetivo do Curso ………………………………………………………………………………….. 24

 

3.6.1 Objetivo Geral …………………………………………………………………………………….. 24

 

3.6.2 Objetivos Específicos…………………………………………………………………………… 24

 

3.8 Perfil do Egresso……………………………………………………………………………………. 27

 

3.8.1 Coerência do Currículo com o perfil desejado do Egresso ………………………… 28

 

3.9 Áreas de Atuação ………………………………………………………………………………….. 29

 

3.10 Forma de Acesso ao Curso …………………………………………………………………… 29

 

4 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR …………………………………………………………………. 31

 

4.1 Estrutura Curricular ………………………………………………………………………………… 32

 

4.2 Representação Gráfica do Perfil de Formação da Matriz Curricular ………………. 33

 

4.3 Equivalência Curricular …………………………………………………………………………… 36

 

4.4 Semestralização do Curso ………………………………………………………………………. 38

 

4.4.1 Justificativa ………………………………………………………………………………………… 41

 

4.4.2 Dimensionamento da Carga Horária das Disciplinas ………………………………… 41

 

4.5 Ementas e Bibliografias – Matriz Curricular 2013. ………………………………………. 42

 

5 METODOLOGIA DE ENSINO DO CURSO ………………………………………………… 121

 

6 ESTÁGIO SUPERVISIONADO …………………………………………………………………. 121

 

7 ATIVIDADES COMPLEMENTARES………………………………………………………….. 122

 

8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ……………………………………………….. 124

 

9 AÇÕES DECORRENTES DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO CURSO ……… 125

 

10 AVALIAÇÃO DE ENSINO-APRENDIZAGEM ……………………………………………. 128

 

10.1 Aproveitamento Acadêmico …………………………………………………………………. 131

 

10.2 Frequência as aulas……………………………………………………………………………. 132

 

10.3 Justificativa de faltas …………………………………………………………………………… 132

 

10.4 Dependência ……………………………………………………………………………………… 133

 

10.5 Trancamento e Abono…………………………………………………………………………. 133

 

10.6 Aproveitamento de Estudos …………………………………………………………………. 133

 

11 NÚMERO DE VAGAS À DIMENSÃO CORPO DOCENTE ………………………….. 134

 

12    ATIVIDADES    DE    ENSINO,    INICIAÇÃO    CIENTÍFICA    E    EXTENSÃO COMPATÍVEIS COM O CURSO …………………………………………………………………. 137

12.1 Participação dos Discentes nas Atividades Acadêmicas ………………………….. 137

 

12.2 Atividades de Extensão no Curso …………………………………………………………. 138

 

13 ACOMPANHAMENTO DO EGRESSO …………………………………………………….. 140

 

14 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ……………………………………………. 142

 

14.1 Objetivos …………………………………………………………………………………………… 143

 

15 AVALIAÇÃO DO CURSO ……………………………………………………………………… 144

 

16 CAEPE – Centro de Apoio Educacional e Psicopedagógico ao Estudante ……. 144

 

17 EMPRESA JÚNIOR ………………………………………………………………………………. 146

 

18 CORPO DISCENTE………………………………………………………………………………. 148

 

18.1 Características do Corpo Discente ……………………………………………………….. 148

 

18.2 Atenção aos Discentes ……………………………………………………………………….. 149

 

18.2.1 Participação dos discentes nas Atividades Acadêmicas………………………… 149

 

18.2.2 Apoio à Participação em Eventos ………………………………………………………. 150

 

18.2.3 Meios de Divulgação de Trabalhos e Produções dos Alunos …………………. 150

 

18.2.4 Existência de Bolsas Acadêmicas………………………………………………………. 150

 

18.3 Atuação do Corpo Discente no Colegiado do Curso………………………………… 152

 

19 ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA……………………………………………………………. 152

 

19.1 Diretor Executivo………………………………………………………………………………… 152

 

20 ORGANIZAÇÃO E CONTROLE ACADÊMICO………………………………………….. 153

 

21 CORPO DOCENTE ………………………………………………………………………………. 154

 

21.1 NDE …………………………………………………………………………………………………. 154

 

21.2 Coordenação do Curso ……………………………………………………………………….. 155

 

21.2.1 Coordenador do Curso……………………………………………………………………… 156

 

21.3 Perfil do Corpo Docente ………………………………………………………………………. 156

 

21.3.1 Formação Acadêmica e Titulação………………………………………………………. 157

 

21.3.2 Experiência Profissional……………………………………………………………………. 158

 

21.4 Colegiados Acadêmicos………………………………………………………………………. 159

 

22 BIBLIOTECA ………………………………………………………………………………………… 160

 

23 INFRA-ESTRUTURA …………………………………………………………………………….. 163

 

23.1 Instalações Gerais ……………………………………………………………………………… 163

 

23.2 Espaço Físico ……………………………………………………………………………………. 163

 

23.3 Salas de Aula para os Cursos………………………………………………………………. 165

 

23.4 Instalações para Docentes…………………………………………………………………… 166

 

23.5 Instalações Coordenação de Curso ………………………………………………………. 166

 

23.6 Auditório ……………………………………………………………………………………………. 167

 

23.7 Equipamentos ……………………………………………………………………………………. 167

 

23.7.1 Acesso a Equipamentos de Informática pelos Alunos …………………………… 168

 

23.7.2 Recursos audiovisuais e multimídia ……………………………………………………. 168

 

23.8 Rede de Comunicação (INTERNET) …………………………………………………….. 168

 

23.9 Administração ……………………………………………………………………………………. 169

 

23.10 Empresa Júnior ………………………………………………………………………………… 170

 

23.11 Centro Acadêmico…………………………………………………………………………….. 170

 

23.11 CAEPE ……………………………………………………………………………………………. 170

 

24 REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES ………………………………. 170

 

25 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ………………. 178

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS ………………………………………………………………………… 201

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

 

A estrutura do Projeto Pedagógico do curso de Ciências Contábeis, além da clara concepção do curso, com suas peculiaridades, seu currículo pleno e sua operacionalização, abrange, sem prejuízo de outros, os seguintes elementos estruturais, segundo as Diretrizes Curriculares – RESOLUÇÃO CNE/CES 10, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2004: objetivos gerais do curso, contextualizados em relação às suas inserções institucional, política, geográfica e social; condições objetivas de oferta e a vocação do curso; cargas horárias das atividades didáticas e da integralização do curso; formas de realização da interdisciplinaridade; modos de integração entre teoria e prática;   formas de avaliação do ensino e da aprendizagem; modos de integração entre graduação e pós-graduação, quando houver; incentivo à pesquisa, como necessário prolongamento da atividade de ensino e como instrumento para a iniciação científica; concepção e composição das atividades de estágio curricular supervisionado, suas diferentes formas e condições de realização, observado o respectivo regulamento; concepção  e  composição das  atividades  complementares; e,  inclusão  do trabalho de curso sob a modalidade monografia, centrados em área teórico-prática com o regulamento próprio.

 

O curso de Ciências Contábeis da FACHASUL procura manter um olhar sobre a atual realidade da região onde está inserido como também, a realidade brasileira, assumindo uma visão prospectiva, com a incorporação de tecnologias inovadoras, estímulo à flexibilização da produção e a interação entre os setores.

 

A nova realidade e suas exigências levam a uma mudança de perspectiva da formação, com foco no profissional e apoio logístico, procurando, desde o início do curso, que  a  instrumentalização técnica  esteja  aliada  ao  desenvolvimento de  conhecimentos, habilidades e competências específicas ao perfil do contador.

 

Trata-se  de  um  projeto  que  tem  como  finalidade  não  só  cumprir  exigências  de instâncias superiores, mas também definir as linhas gerais de atuação política e  pedagógica do  referido  curso,  com  o  propósito  de  melhorar  a  qualidade  do produto entregue à sociedade pela FACHASUL.

 

 

1 APRESENTAÇÃO

 

 

 

O presente documento tem por objetivo apresentar o “Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Contábeis” atualizado para o ano de 2015 da Faculdade de Administração de Chapadão do Sul – FACHASUL, mantido pela Sociedade Educacional do Centro Oeste – SOECO, que desta forma, expressa e norteia as diretrizes curriculares, de ação efetiva, para a consolidação deste curso na região, bem como na própria instituição.

 

A   Resolução   nº   10   de   16.12.2004,   da   Câmara   de   Educação   Superior – CES/Conselho  Nacional  de  Educação –  CNE,  publicada  no  DOU  nº  249  de 28/12/2004 estabelece  em   seu   artigo   11   o   prazo   de   dois   anos,   a   contar  desta   data,   para implantação por  parte  das  Instituições  de  Educação  Superior,  das Diretrizes Curriculares Nacionais para o  Curso de Graduação em Ciências Contábeis.

 

A  Resolução  supra  mencionada  determina  que  os  Cursos  de  Bacharelado    em Ciências    Contábeis    deverão    apresentar    projeto    pedagógico    contemplando: “perfil profissional esperado para o formando, em termos de competências e habilidades; componentes  curriculares  integrantes;  sistemas  de  avaliação  do estudante  e  do  curso; estágio   curricular   supervisionado;   atividades complementares;   monografia,   projeto   de iniciação  científica  ou  projeto  de atividade – como  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso (TCC) – como   componente opcional   da   instituição;   regime   acadêmico   de   oferta;   e, outros aspectos que tornem consistente o referido Projeto”.

 

A formulação de tais diretrizes tornou-se desafiante a partir do entendimento de que o Curso de Ciências Contábeis deve apresentar uma formação diversificada desejável para atender às diferentes demandas sociais e para articular a formação aos aspectos inovadores que se apresentam no mundo contemporâneo.

 

As   propostas  inseridas  neste   projeto   encontram-se  em   consonância  com   as orientações a serem observadas pela SESU/MEC na elaboração das Diretrizes Curriculares, uma vez que:

 

Preocupam-se com a qualidade do Curso de Graduação de maneira a permitir o atendimento das contínuas modificações do mercado de trabalho;

 

 

Alertam sobre a necessidade da formação de um profissional generalista que irá buscar na Educação Continuada conhecimentos específicos e especializado;

 

Apontam à necessidade de desenvolvimento e aquisição de novas habilidades para além do ferramental técnico da profissão;

 

Sugerem   que   as   atividades  de   extensão  se   desenvolvam  de   forma   prática, quantificando os valores na formação do graduando em Administração;

 

Valorizam as atividades extras muros, pleiteando para elas valores a serem verificados, na formação do graduando em Ciências Contábeis;

 

Ressaltam a  necessidade de  adaptação do  currículo às  novas realidades que  se apresentam ao ensino, passando estas adaptações inclusive pela criação de novas disciplinas ou na modificação das cargas horárias já existentes.

 

Assim,   considerando que   o conhecimento   e a informação se caracterizam   como fatores   essenciais   e   entendendo   o   papel   da   Educação   Superior   na construção   e socialização  de  conhecimentos  e  informações,  por  meio  da formação de profissionais tecnicamente qualificados e politicamente interessados em discussões mais gerais; na obtenção de visão crítica das tendências sociais e de mercado; na internalização de princípios éticos e humanísticos; e, na aquisição de espírito empreendedor é que a Faculdade de Chapadão do Sul – FACHASUL, através da Coordenação do  Curso  de  Ciências  Contábeis do   Campus   Júlio Alves Martins, apresentam   o   Projeto   Pedagógico   do   curso   de Bacharelado em Ciências Contábeis.

 

 

 

 

 

2 CONCEPÇÃO E HISTÓRICO DA IES

 

 

 

A Faculdade de Administração de Chapadão do Sul – FACHASUL é uma Instituição de Ensino Superior privada, que integra o Sistema Federal de Ensino hoje com sua sede própria situada na Rua Vinte e Oito nº 615, Bairro Centro na cidade de Chapadão do Sul – Mato Grosso do Sul.

 

 

A FACHASUL, mantida pela Sociedade Educacional do Centro Oeste – SOECO, em busca de oferecer e atender a demanda regional oferece atualmente o curso de Administração, autorizado pela Portaria nº 731 de 14 de março de 2002, publicado no Diário Oficial da União e reconhecido pela Portaria No. 677 de 27 de setembro de 2006, publicado no DOU No.187 de 28/09/2006 e o curso de Ciências Contábeis, autorizado pela Portaria No. 2.580 de 24 de agosto de 2004, publicada no DOU No.165 de 26 de agosto de 2004, reconhecido  pela  Portaria  Ministerial  No.  487  de  22/02/2011,  publicado  no  DOU  de

23/02/2011.

 

A FACHASUL iniciou suas atividades educacionais em agosto de 2.000 em prédio locado e permaneceu até janeiro de 2002.

Hoje,  a  FACHASUL  tem  sede  própria  com  uma  área  construída  de  3.155,81 m² ofertando dois cursos de graduação Administração e Ciências Contábeis e 4 cursos de pós- graduação lato sensu, sendo 3 concluídos, 1 em andamento e 4 que estão sendo implantados para atender a demanda regional e formação continuada dos egressos dos professores e dos profissionais da comunidade.

 

Além dos dois cursos de graduação presenciais, a FACHASUL tem parceria com a

 

Universidade Norte do Paraná – UNOPAR desde o ano de 2005.

 

Importante destacar que diante da credibilidade e infra-estrutura que a Instituição possui, fez com que a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, no ano de

2006 firmasse parceria para oferecer o primeiro curso de Agronomia nas instalações da FACHASUL. A UFMS ficou instalada por um período de dois anos na IES até o término de sua sede própria.

 

No ano de 2013 a FACHASUL ofertou o curso de pós-graduação em Gestão em Segurança Pública e Defesa Social para 60 guardas civis municipais da cidade de Campo Grande/MS, sendo consagrada em vencedora no processo licitatório, modalidade pregão presencial n. 30/2014, Processo Administrativo n. 44.560/2014-18 da Secretaria de Governo de Mato Grosso do Sul/MS

 

A FACHASUL até 2015 construiu dois laboratórios para as aulas práticas dos cursos da UNOPAR de Estética e Imagem Pessoal e Engenharia da Produção.

 

Ciente de sua responsabilidade social, a FACHASUL cedeu sem fins lucrativos o prédio para abrigar a Centro Educacional Carlos Drummond de Andrade, durante os meses de Fevereiro à Abril de 2014, atendendo 1.000 alunos do município.

 

 

O planejamento institucional é um dos alicerces da FACHASUL, capaz de indicar o caminho através do qual é possível propor metas e alcançar seus objetivos com qualidade e eficácia.  Partindo  desta  compreensão a  FACHASUL  tem  investido  em  seu  projeto  de avaliação Institucional, formação técnica dos membros da CPA e levantamento com interpretação dos dados coletados na comunidade, assim as metas e ações contidas no PDI estão em consonância com o planejamento e a Avaliação Institucional e demonstra a evolução pelos processos de sua auto avaliação.

Os dados resultantes da avaliação institucional de 2014 demonstra que houve  uma evolução institucional em relação aos processos de planejamento e avaliação institucional com intuito de aprimorar, melhorar continuamente as condições de ensino, 82,98% da comunidade acadêmica consideram importante a realização deste processo periodicamente.

Nos resultados da avaliação institucional quando se questiona se este ajuda a melhorar a IES,70,21% disseram que sim. Esse resultado é decorrente de metas e ações previstas no planejamento institucional PDI 2013/2017.

Houve um investimento para adequação da estrutura física para atividade fim, instituindo espaço para abrigar o Centro de Apoio Psicopedagógico – CAEPE, que além de atender a comunidade acadêmica os seus familiares; implementação da Empresa Júnior e Escritório de Contabilidade e do Centro Acadêmico; organização de espaço físico para abrigar os Cursos de Nivelamento; fortalecimento do Programa de Monitoria de Ensino e o COEPE- Centro de Pesquisa e Extensão; implantação do Departamento de Apoio Pedagógico visando o fortalecimento do ensino, extensão e a iniciação científica no desenvolvimento dos cursos ofertados.

 

O município de Chapadão do Sul localiza-se na região Nordeste do Estado de Mato

 

Grosso do Sul, na região Centro-Oeste do Brasil, com área de 3.823,979 km quadrados.

 

 

A região onde hoje se localiza a cidade começou ser povoada na década de 70 com a chegada do Comendador Júlio Alves Martins, que na época adquiriu um loteamento e deu início as primeiras casas. A partir do início da década de 80 o povoado deslanchou e foi elevado a distrito em 1.982.

 

A criação do município, desmembrado de Cassilândia e Paranaíba, aconteceu através da Lei nº 768/87, assinada em 23 de outubro de 1987.

 

 

A primeira eleição para prefeito aconteceu em novembro de 1.988 e a posse em janeiro de 1.989.

 

O município começou a se desenvolver graças ao cultivo de arroz, soja e milho. Hoje, consolidado o projeto de agricultura altamente tecnificada, o município possui produz soja, algodão, milho, nabo forrageiro, sorgo, milheto, amendoim, girassol e cana-de-açúcar.

 

Destaca-se na tradicional e histórica região do Bolsão, não só pela identidade predominantemente sulista de sua população, como pela prática econômica da agricultura1 tecnificada e de alta produtividade2 em solos de cerrados. Atualmente, além de se destacar na produção agrícola, também apresenta um dos criatórios de gado tecnicamente mais avançados do Estado e mesmo do país. O Município tem a seu favor ainda, a localização estratégica junto às vias de transporte do Estado, ocupando uma posição nodal entre as vias

rodoviárias, (federal e estadual), fluvial (afluente do Rio Paraná) e ferroviária (Ferronorte) e ao terminal ferroviário, lembrando que este é um dos importantes eixos de circulação de soja do país.

 

O surgimento do Município trouxe contribuições significativas para transformar a antiga região do Bolsão, conhecida por ser a mais atrasada do Estado até os anos 80, em espaço de inovações agrícolas de destaque e pelo desenvolvimento social, que em parte, pode ser avaliado pela curva acessiva do PIB e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da referida região.

 

Diante  das  colocações acima,  A  FACHASUL  foi  a  primeira  IES  do  município  de Chapadão do Sul ciente de sua responsabilidade social e imbuída do propósito de qualificar profissionais para atender a demanda regional, propõe oferecer cursos de nível superior, adequados à necessidade social da região, sendo este o seu objetivo maior, fomentando o desenvolvimento e crescimento regional do município de Chapadão do Sul através de mão-

de-obra qualificada e capacitada para o preenchimento de vagas no mercado de trabalho.

 

 

 

 

 

 

1  A região do Bolsão foi por onde se deu o primeiro povoamento do Estado, no início do século XIX, pela entrada de pecuaristas mineiros, fator que, por muito tempo, muito contribuiu por sua imagem de região de pecuária tradicional.

2 Em 2005, o agricultor de Chapadão do Sul, Francisco Andreto, por exemplo, recebeu das mãos da empresa distribuidora de insumos químicos, The -Chemical Company BASF, o prêmio destaque de produtividade de todo o Estado.

 

 

Segundo dados do IBGE de 2015, Chapadão do sul tem aproximadamente 22.620 habitantes. O município de Chapadão do Sul possui aeroporto com pista asfaltada e iluminação noturna de dois mil metros de comprimento por 30 metros de largura, podendo receber aeronaves de grande porte, inclusive no período noturno.

 

O terminal rodoferroviário interliga ao Porto de Aparecida do Taboado, aonde chega a Hidrovia do Rio Tiete-Paraná, interligando-se ainda a malha ferroviária do País alcançando o Porto Marítimo de Santos contribuindo para o desenvolvimento econômico, ligando o município aos principais mercados do país, ao MERCOSUL e ao mundo, facilitando o escoamento da produção.

 

Acesso pela Rodovia MS 306 e BR 158, interligando o município com os Estados de São Paulo e Minas Gerais, importantes mercados consumidores do País; Entroncamento da Rodovia BR 060 (Campo Grande MS à Brasília DF) com a Rodovia MS 306 (liga Cuiabá MT a São Paulo SP).

 

Mesmo sendo um município jovem, com pouco mais de duas décadas de vida, já desponta como centro de região em áreas importantes. Investimentos públicos e privados oferecem uma economia diversificada, não só ligada a agricultura. Nossa cidade conta com um comércio amplo, diversificado, qualificado e preparado para atender grandes demandas.

 

A Educação é destaque, possibilitando o acesso a mais de 4,2 mil alunos à educação infantil e  ao  ensino fundamental somente na  rede municipal. O  setor educacional é  o segundo melhor de Mato Grosso do Sul e um dos melhores do País, segundo o IDEB.

 

O município registra o segundo maior Índice de Desenvolvimento Infantil – IDI e um dos menores índices de analfabetismo do Estado, conforme dados do IBGE de 2015.

 

Chapadão  do  Sul  é  ainda  um  dos  mais  expressivos  Centros  Educacionais e  de Conhecimento, com campus de ciências agrárias da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, com dois cursos – Agronomia, Engenharia Florestal; e uma Faculdade privada – FACHASUL com cursos de Administração, Ciências Contábeis e pós-graduação em Gestão Agroindustrial.

 

 

No território do município de Chapadão do Sul, 21,8% da área era dedicada, em 2006, à agricultura, dedicada principalmente às culturas temporárias e 58,1% da área era de pastagens, que abrigaram 142.010 cabeças de bovinos em 2013. (IBGE).

 

As culturas temporárias são aquelas que precisam ser replantadas após a colheita. A cultura temporária no município de Chapadão do Sul se concentrou, em 2013, nos cultivos de milho e soja, que ocuparam, juntos, 81% da área de culturas temporárias.

 

As culturas permanentes limitaram-se a 6 hectares de cultivo de seringueiras. Dentre os produtos de origem animal, em 2013 destacou-se a produção de 3,4 milhões de litros de leite e 60 toneladas de mel de abelha (IBGE).

 

O Produto Interno Bruto (PIB) representa a soma, em valores monetários, de todos os bens e serviços finais produzidos em uma determinada região, durante um ano. Em 2012, o Produto Interno Bruto (PIB) do município de Chapadão do Sul atingiu R$ 909.853.000,00. Encontra-se na 11ª posição no ranking do Estado.

 

Considerando a população estimada para o mesmo ano 7 pelo IBGE, o PIB per capita, valor médio por habitante, produzido no município no ano, correspondeu a R$ 45.551,87 sendo mais do que o dobro do valor médio do Estado de Mato Grosso do Sul, para o mesmo ano, de R$ 21.902,00.

 

O setor que mais gera valor no município é o de Comércio e Serviços, que vem diminuindo a sua participação nos últimos anos. O setor agropecuário apresentou expressiva participação  no  valor  da  produção  de  2012,  contribuindo  com  cerca  de  25%  do  PIB municipal, enquanto em nível estadual chega a apenas 12%.

 

A População Economicamente Ativa representa os recursos humanos de uma economia. Corresponde à parte da população residente que se encontra em idade de trabalhar e disposta a trabalhar, esteja ou não empregada. Os dados censitários mais recentes  (2010)  apontam  que  a  População  Economicamente  Ativa  do  município  de Chapadão do Sul era de 11.243 pessoas, correspondente a 68% da população, sendo que a média do Estado de MS é 61%.

 

O município produz soja, algodão, milho, nabo forrageiro, sorgo, milheto, amendoim, girassol, dentre outras culturas, e começa a se destacar ainda na produção sucroenergética com o funcionamento de três usinas sucroalcooleiras na região.

 

 

A Energia Elétrica que impulsiona o desenvolvimento da região e do Município é fornecida pela Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira (CESP). Contudo, Chapadão do Sul está se consolidando como grande pólo regional na geração de energia, com a construção de oito PCH – Pequenas Centrais Hidrelétricas somente no município, que juntas gerão 174.128 megawatts.

 

O município possui um programa de incentivo a novas empresas com isenção de ISSQN, ITBI e outros, denominado PRODICHAP – Programa de Desenvolvimento Integral de Chapadão do Sul.

 

O Pólo Empresarial, gerenciado pelo PRODICHAP, dispõe de toda a infraestrutura necessária e localização privilegiada. Nos últimos anos, com os investimentos do poder público na ampliação dá área, aumentou o número de empresas instaladas. Atualmente, o Pólo conta com aproximadamente 100 empresas dos mais diversos segmentos, gerando aproximadamente 500 empregos.

 

O Município tem um grande potencial no turismo de agronegócios. Eventos importantes movimentam a cidade, atraindo visitantes, empresários e produtores, como o TECNOAGRO

-Tecnologia para o Cerrado – com a demonstração e difusão de inovações tecnológicas, Dias de Campos, onde são lançados novos produtos ao mercado e a EXPOSUL, a maior feira agropecuária da região.

 

 

 

 

3 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS – FACHASUL

 

 

 

 

3.1 Denominação e Regime

 

 

Mantenedora

Sociedade Educacional do Centro-Oeste

Mantida

Faculdade de Chapadão do Sul

Curso

Ciências Contábeis

Grau

Bacharelado

Nº de vagas anuais

100

Turno

Noturno

 

 

Regime de matrícula

Semestral

Regime do curso

Semestral

Duração do curso

8 semestres (04 anos)

Duração

Carga horária: 3.600 horas

Ato de autorização

Portaria N° 2.580 de 24 de agosto de 2004

Início do curso

Fevereiro de 2005

Ato de reconhecimento

Portaria Ministerial N°. 487 de 22/02/2011

Conceito preliminar

3,0

Renovação de Reconhecimento

Portaria Ministerial N°. 703 de 18/12/2013

Conceito preliminar

3,0

 

 

 

 

 

3.2 Justificativa

 

 

 

A nova realidade socioeconômica trouxe para a ciência contábil um novo olhar  sobre as práticas de negócios e sua inter-relação na sociedade globalizada.

 

Considerando a evolução tecnológica e normas e leis utilizadas no ensino da contabilidade, e que a última revisão curricular aconteceu há cerca de sete anos, é natural que o currículo em lide apresente algumas discrepâncias em relação às aspirações dos alunos e dos próprios professores.

 

Foi feito um diagnóstico do  modelo  do  curso  existente através de reuniões com o NDE do curso, juntamente com professores e coordenação e,  diante  do  resultado  deste trabalho,  pretende-se  reestruturar  o  currículo,  caracterizar  o  perfil  do profissional  que se  deseja  formar,  no sentido de correção das distorções e da melhoria da qualidade do Curso de Ciências Contábeis.

 

Não  fossem  as  exigências  do  Ministério  da  Educação,  os  resultados  desse diagnóstico por si só justificariam este trabalho.

 

Considerando a  importância  do  papel  do  contador  no  contexto  sócio,  político  e econômico do  País,  enquanto um  profissional comprometido com  os  interesses e    os desafios que emanam da sociedade, e tendo como pressuposto básico a ideia  de  que,  a formação   do   contador   deve   ter   um   caráter   abrangente  e   eclético,   a FACHASUL

 

 

reconhece  como   imperativo   capacitar  profissionais,  na   área   de   contabilidade, com formação  básica  adequada, buscando  dotá-los de  uma  visão  crítica, com  capacidade plena    de  avaliação e    reavaliação de  seu    desempenho    e  de    ajustamento,    com competência,  às  novas  exigências  geradas  pelo  avanço científico e tecnológico e as exigências conjunturais em permanente evolução.

 

O compromisso é desenvolver um perfil de contador, cuja formação garanta a internalização   de   idéias,   valores   e   convicções   fundamentadas   na responsabilidade social,    justiça    e    ética;    uma    formação  humanística    e    geral,    que  assegure    a compreensão de seu meio social, político, econômico e  cultural; e uma sólida formação teórica e prática, voltada para uma atuação crítica e reflexiva acerca   da   área   de contabilidade;  com  capacidade  de  compreensão  da necessidade  de  aperfeiçoamento profissional, interpessoal e institucional contínuo.

 

A  sociedade  requer  profissionais  de  contabilidade  capazes  de  responder  as nuances  de  um  ambiente  de  negócios  em  constante  transformação,  não  só  para atender as empresas, no que tange às suas demandas específicas de registros fiscais e ações de planejamento e controle, mas que também sejam capazes de contribuir para o desenvolvimento do conhecimento científico.

 

O PPC foi revisado e alterado em 2015 pelo NDE do curso, atendendo as Diretrizes Curriculares e as recomendações do MEC. Contempla, ainda, a preocupação constante quanto à qualidade do curso e o perfil do futuro contador, sobretudo, relativa à sua manutenção, mediante um conjunto de atividades, dentre as quais destacam-se:

 

o  incentivo  à  organização  de  uma  estrutura  de  ensino  crítico  que aumente  as  fontes  de  informação  sobre  as  situações  contábeis,  econômicas  e sociais;

 

o estímulo à consecução desse projeto pedagógico de maneira democrática, em que as experiências do saber empírico sobre as ciências contábeis sejam consideradas como reserva estratégica para a construção do saber científico sobre o direito real na execução da profissão;

 

 

a realização de seminários, palestras, estudos dirigidos, com discussão de textos e casos, realização de exercícios na prática, análises de balanços, entre outros;

 

maior intercâmbio entre as instituições de ensino de Ciências Contábeis, conselhos específicos e entre seus corpos discente e docente, visando a aprofundar o conhecimento  científico,  além  de  compartilhar  experiências  que  possibilitem  a

formação didático-pedagógica e o constante aperfeiçoamento do corpo docente;

 

 

 

 

 

todo.

 

ênfase a inter e transdisciplinaridade como forma de compreensão do

 

 

 

 

 

 

3.3 Missão

 

 

 

 

Coerente com a missão da IES, o Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL tem como missão formar contadores para as funções privadas e públicas, com sólido conhecimento interdisciplinar demonstrando uma visão sistêmica da atividade contábil necessária à formação e atuação profissional, contadores com habilidades científicas, técnicas,  sociais,  econômicas e  financeiras, em  âmbito  nacional e  internacional e  nos diferentes modelos de organização.

 

 

 

 

3.4 Princípios Norteadores

 

 

 

 

Os princípios norteadores do presente Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Contábeis,   baseia-se num conhecimento que visa aplicar conteúdos que revelem conhecimento do  cenário econômico e  financeiro, nacional e  internacional, de forma a proporcionar a harmonização das normas e padrões internacionais de contabilidade, observado o perfil definido para o formando e que atendam os campos de: formação básica, profissional e teórico prática.

 

 

A matriz curricular do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL com as alterações realizadas no ano de 2011, pautada nas Diretrizes Curriculares do  Curso de  Ciências Contábeis diante da Resolução CNE/CES Nº10, de 16 de dezembro de 2004 é formada por:

 

a) Formação Básica: Instituição do Direito Público e Privado; Direito Administrativo; Direito Empresarial; Economia; Mercados de Capitais;  Sociologia; Antropologia; Psicologia; Fundamentos de Matemática, Matemática, Matemática Financeira, Estatística, Teoria da Administração, Português Instrumental, Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica, Gestão das Organizações, Gestão do Conhecimento, Sistemas de informação, Cultura Empreendedora e Criatividade, Introdução a Administração do Recursos Humanos, Administração Financeira.

 

b) Formação Profissional: Contabilidade Introdutória; Contabilidade Geral; Contabilidade Gerencial, Contabilidade de Custos, Contabilidade Intermediária, Gestão e Análise de Custos, Contabilidade Rural, Contabilidade Avançada, Contabilidade Sociedade Cooperativas, Contabilidade Pública, Legislação Social, Contabilidade Aplicada ao terceiro Setor, Contabilidade Societária, Contabilidade e Planejamento Tributário, Análise das Demonstrações Contábeis, Auditoria Contábil I e II, Contabilidade Internacional, Controladoria, Projeto de Iniciação Científica, Perícia Contábil e Contabilidade Ambiental.

 

c) Formação Teórico-Prática: Disciplina de Orientação de Estágio Supervisionado I e II (estágio supervisionado I e II a campo), Seminários e Tópicos Emergentes, Atividades Complementares, Práticas  Contábeis  em  Laboratório,  Eletiva  (Libras,  Filosofia  e  Ética, Informática, Contabilidade e Responsabilidade Social, Contabilidade da Construção Civil) e Trabalho de Conclusão de Curso.

 

Diante da nova atualização do PPC do curso, este passou a ter 300 (trezentas) horas de atividades complementares, permanecendo com as 300 (trezentas) horas dedicadas a realização do estágio, onde este possui regulamentação própria aprovada pelo colegiado de curso deste sua implantação. O mesmo será explanado mais adiante neste projeto.

 

A matriz curricular do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL com as alterações realizadas no ano de 2013, pautada nas Diretrizes Curriculares do  Curso de  Ciências Contábeis diante da Resolução CNE/CES Nº10, de 16 de dezembro de 2004 é formada por:

 

a) Formação Básica: Instituição do Direito Público e Privado; Direito Administrativo; Direito Empresarial; Economia; Mercados de Capitais;  Sociologia; Antropologia; Psicologia;

 

 

Fundamentos de Matemática, Matemática, Matemática Financeira, Estatística, Teoria da Administração, Português Instrumental, Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica, Gestão das Organizações, Gestão do Conhecimento, Sistemas de Informação, Cultura Empreendedora e Criatividade, Introdução a Administração do Recursos Humanos, Administração Financeira.

 

b) Formação Profissional: Contabilidade Introdutória; Contabilidade Geral; Contabilidade  Gerencial,  Contabilidade de  Custos,  Contabilidade  Intermediária, Contabilidade Comercial, Gestão e Análise de Custos, Contabilidade Rural, Contabilidade Avançada, Contabilidade Sociedade Cooperativas, Contabilidade Pública, Legislação Social, Contabilidade Aplicada ao Terceiro Setor, Contabilidade Societária, Contabilidade e Planejamento Tributário, Análise das Demonstrações Contábeis, Auditoria Contábil I e II, Contabilidade Internacional, Controladoria, Projeto de Iniciação Científica, Perícia Contábil e Contabilidade Ambiental.

 

c) Formação Teórico-Prática: Disciplina de Orientação de Estágio Supervisionado I e II (estágio supervisionado I e II a campo), Seminários e Tópicos Emergentes, Atividades Complementares, Práticas  Contábeis  em  Laboratório,  Eletiva  (Libras,  Filosofia  e  Ética, Informática, Contabilidade e Responsabilidade Social, Contabilidade da Construção Civil) e Trabalho de Conclusão de Curso.

 

O curso  de  graduação  em  Ciências  Contábeis  deve  ensejar condições  para que  o  contabilista  esteja  capacitado  a  compreender  as  questões científicas,  técnicas, sociais,  econômicas  em  âmbito  nacional  e   internacional  nos diferentes modelos de organização, assegurando apurações, auditorias, arbitragens, domínio   atuarial   e    de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com a plena utilização de inovações tecnológicas, revelando capacidade crítica-analítica para avaliar as implantações organizacionais com o advento da tecnologia da informação.

Dessa forma, o  currículo pleno apresentado pretende resgatar para  o  curso de graduação em Ciências Contábeis, a função de preparar profissionais dotados de competências   e   habilidades   para   a   tomada   de   decisão,   no   âmbito   de   sua responsabilidade na empresa e seus impactos para a sociedade e meio ambiente.

 

3.4.1  Adequação  do  Currículo  em  Face  das  Diretrizes  Curriculares

 

Nacionais

 

 

 

 

O Curso de Ciências Contábeis está sendo constantemente reformulado de acordo com  as  exigências  das  Diretrizes  Curriculares  Nacionais  do  Curso  de  Graduação  de Ciências Contábeis homologados pelo Senhor Ministro de Estado da Educação, pela Resolução CNE/CES Nº 10, de 16 de dezembro de 2004.

 

Diante das mudanças necessárias para enriquecimento do currículo do curso de Ciências Contábeis, a grade curricular do curso tem sido revisada e adaptada ao novo contexto organizacional, procurando atender aos anseios da comunidade acadêmica, dos empresários, tornando o curso mais comprometido e dinâmico frente aos seus objetivos e ao perfil profissional desejado.

 

A Mantenedora dá ampla liberdade para à mantida para a gestão didático – pedagógica, não impondo qualquer obstáculo para revisão dos currículos, mesmo que isso acarrete novos investimentos em equipamentos e recursos humanos.

 

Nos últimos anos, o curso teve seu currículo e disciplinas alterados, tendo em vista a atualização e adaptação, com objetivo de adequarem-se às novas tendências e novas tecnologias impostas pelas transformações sociais ou pelo mercado de trabalho,  sempre com o objetivo de formar um profissional com ampla e moderna visão na área contábil. Alterações mais recentes do currículo do Curso de Ciências Contábeis:

 

 

 

Alteração de 2006

 

No ano 2006 através de reuniões com o corpo docente e com o colegiado do curso, foram propostas algumas alterações na matriz curricular com a finalidade de adequação as novas diretrizes curriculares para o curso. Conforme demonstrativo abaixo:

 

2005 a 2006                                                 2007 a 2010

 

Controle Orçamentário e Financeiro           O  nome  da  disciplina  passou  para: Contabilidade Pública II, devido ao conteúdo específico na área contábil pública. A carga horária não foi alterada

 

 

Alteração de 2011

 

No ano de 2011, o curso teve a matriz curricular e disciplinas  alteradas a partir de análises e reflexões do NDE juntamente com a coordenação do curso visando sua atualização com  objetivo    de  adequarem-se às  novas  tendências e  novas  tecnologias impostas pelas transformações sociais.

 

Esta  adequação  proporcionou  maior  ação  interdisciplinar  dos  conteúdos programáticos facilitando a integração multidisciplinar da matriz curricular.

 

A matriz curricular do curso foi integralizada nos seus 4 primeiros semestres com a matriz curricular do curso de Administração, visando oportunizar ao acadêmico a conclusão do segundo curso com mais 02 (dois) anos de estudos após a conclusão do primeiro curso.

 

A alteração na matriz curricular proporcionou a inserção de disciplinas eletivas, sendo estas realizadas no 3º e 7º semestre do curso. As disciplinas eletivas são escolhidas através de eleição nos respectivos semestres. Dentre as disciplinas eletivas que são oferecidas, está a  de  Libras. Os  procedimentos de  eleição e  escolha das  disciplinas eletivas possuem regulamento próprio.

 

As Atividades Complementares sendo componente curricular passou para 300 horas que deverão ser cumpridas entre o 1º. e o 8º semestre do curso. Esta alteração se deu em decorrência da necessidade de adequação das horas aula de 60 minutos na matriz curricular do curso.

 

Até o ano de 2010 o estágio era realizado dentro da Matriz Curricular através das disciplinas de Práticas Contábeis I e II nos 5º. e 6º. semestres. Com a reestruturação da nova matriz curricular, houve a dissociação do estágio na matriz, tendo sua  programação inteiramente interligada com as disciplina de Orientação de Estágio Supervisionado I e Orientação de Estágio Supervisionado II, passando a ser  realizada no 5º. e 6º. semestre do curso, respectivamente. Sua finalidade é proporcionar ao acadêmico o contato cada vez mais cedo com a realidade contábil aplicadas aos diversos tipos de organizações. Em decorrência disto e também da alteração da carga horária das atividades complementares do curso, a carga horária total passou de 3.360 horas para 3.600 horas.

 

A mudança da matriz foi alterada como segue a equivalência das disciplinas demonstrada no quadro 04, no item organização curricular.

 

 

Alteração 2013

 

No ano de 2013, diante de diversas reuniões feitas pelo NDE do curso, juntamente com sugestões de docentes em conversas informais e formas em reuniões pedagógicas, foi sugerido que o curso tivessem uma disciplina que focasse a contabilidade de empresas comerciais, onde poderia habilitar um maior conhecimento ao aluno sobre a contabilidade de custos, como também, compreender   a   importância   do   uso   da   contabilidade   como instrumento de apoio para tomadas de decisões e   conhecer a matriz de impostos e taxas vinculadas ao setor de comércio e prestação de serviços e seus reflexos sobre a atividade produtiva.

 

Para tanto, a referida disciplina de Contabilidade Comercial foi inserida na grade curricular do curso a ser ministrada no 4º semestre, tendo seu início a partir do primeiro semestre letivo de 2013, pois a referida alteração foi sugerida pelos docentes do colegiado e NDE do curso no mês de novembro de 2012.

 

Outra atualização feita no currículo do curso, foi que devido a inserção da disciplina de Contabilidade Comercial para o 4º. semestre, teve-se que realizar uma alteração da disciplina  de  Contabilidade  Intermediária  que  era  cursada  no  4º.  semestre  para  o  3º semestre, pois não era possível permanecê-la no referido semestre por motivo de carga horária total do semestre.

 

Houve também uma alteração em relação as disciplinas eletivas, onde antes, na mudança da grade curricular estas foram inseridas no 3º e 7º semestres. Com a mudança da nova grade e principalmente a inserção da disciplina de Contabilidade Intermediária no 3º semestre, teve-se a necessidade de exclusão da disciplina eletiva neste semestre diante do fator de exceder a carga horária semanal do semestre. Portanto, a disciplina eletiva a partir do ano de 2013, é oferecida somente para o 7º semestre do curso, onde as disciplinas que eram oferecidas para o 3º semestre passam a serem oferecidas para o 7º mais as que já eram oferecidas no 7º semestre. Em decorrência da alteração, a carga horária total passou de 3.600 horas para 3.640 horas.

 

Diante de reuniões com o NDE, a partir do primeiro semestre letivo de 2013, o sistema de avaliação foi modificado, com a exclusão das avaliações de 2ª chamada e períodos de avaliações específicos mencionado em calendário. No calendário terá especificado o período da avaliação optativa (requerida pelo acadêmico para substituir a menor nota de cada disciplina, sendo que, permanecerá a maior nota obtida na avaliação

 

 

regular ou optativa). A data do exame final será especificada no Calendário Acadêmico e amplamente divulgado aos acadêmicos, no mural das salas e site da IES.

 

A partir da alteração do método avaliativo, cada docente marcará suas avaliações no período e no mês que desejar, tendo como uma única obrigatoriedade, o cumprimento como mencionado no regimento interno, a realização de no mínimo duas avaliações escritas no semestre letivo para cada disciplina.

 

 

 

 

 

3.5 Projeto do Curso

 

 

 

 

A organização didática pedagógica do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL é fruto da análise, da reflexão e do consenso resultante do trabalho coletivo do NDE, da coordenação,   da   Comissão   Própria   de   Avaliação,   do   corpo   docente   e   discente, considerando as características regionais e o ambiente das organizações.

 

Numa ação consciente planejada e com vistas ao futuro, é sempre um misto de realidade que se pretende transformar. Foi concebido atendendo as Diretrizes Curriculares e as recomendações do MEC e dos organismos que congregam os profissionais da área. Contempla, ainda, a preocupação constante quanto à qualidade do curso e o perfil do futuro contador, sobretudo, relativa à sua manutenção, mediante um conjunto de atividades, dentre as quais destacam-se:

 

o incentivo à organização de uma estrutura de ensino crítico que aumente as fontes de informação sobre as situações sociais;

 

o estímulo à consecução desse projeto pedagógico de maneira democrática,  em que as experiências do saber empírico sobre a área contábil sejam consideradas como reserva estratégica para a construção do saber científico sobre o direito real;

 

a realização de seminários, palestras, estudos dirigidos com discussão de textos, exercícios práticos e casos;

 

maior intercâmbio entre as instituições de ensino de Ciências Contábeis e entre seus corpos discente e docente, visando a aprofundar o conhecimento científico, além de

 

 

compartilhar  experiências  que  possibilitem  a  formação  didático-pedagógica  e  o constante aperfeiçoamento do corpo docente;

 

ênfase á interdisciplinaridade como forma de compreensão do todo.

 

 

 

 

 

3.6 Objetivo do Curso

 

 

 

 

Os objetivos citados neste documento são os vigentes para o curso, contudo, estão em  permanente  revisão,  avaliação  e  alteração,  em  função  da  LDB,  das  Diretrizes Curriculares e das novas perspectivas por elas oferecidas para o redirecionamento dos cursos universitários em geral. Vale ressaltar que, neste trabalho de revisão, o Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL conta com o Núcleo Docente Estruturante e Colegiado do Curso que se reúne para tratar destes e dos demais assuntos em relação à matriz curricular, direcionamentos e posicionamentos do curso junto à comunidade acadêmica.

 

 

 

 

3.6.1 Objetivo Geral

 

 

 

Formar profissionais das ciências contábeis preparados para exercer a profissão no seu sentido mais amplo, associado a moral e ética, analisando o fenômeno contábil  sob  a  ótica  interdisciplinar  e  multidisciplinar  para  a  captação  de  insumos necessários aos controles técnicos, à geração e disseminação de informações contábeis, com reconhecido nível de precisão, fomentando o desenvolvimento e implantando sistemas de informação contábil e de controle gerencial, revelando capacidade crítica analítica para avaliar as implicações organizacionais com a tecnologia da informação.

 

 

 

3.6.2 Objetivos Específicos

 

 

 

Propiciar competências para o pleno cumprimento de sua responsabilidade de prestação de contas da gestão perante a sociedade, exercendo com ética e proficiência  as  atribuições  e  prerrogativas  que  lhe  são  prescritas  através  da

 

 

legislação específica, revelando domínios adequados aos diferentes modelos organizacionais;

Apresentar um pleno domínio das responsabilidades funcionais envolvendo apurações, auditorias, perícias, arbitragens, noções de atividades atuariais e  de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com a plena utilização de inovações tecnológicas;

Integrar o acadêmico no contexto local e regional, por meio de projetos de interação com a comunidade;

Fortalecer a articulação da teoria com a prática, valorizando a pesquisa individual e coletiva, assim como a participação em atividades de extensão;

Ministrar  o  conhecimento  contábil,  com  ênfase  na  interpretação  e  análise  de relatórios contábeis, possibilitando a tomada de decisões orientadas, mediante a uma visão interdisciplinar do fenômeno contábil necessário para que o futuro graduado possa vir a superar os desafios de renovadas condições de exercício profissional e de produção do conhecimento;

Encorajar o reconhecimento de habilidades, competências e conhecimentos adquiridos fora do ambiente acadêmico, o que pode ser operacionalizado através de atividades complementares;

Exercer   suas responsabilidade com o expressivo domínio das funções contábeis, incluindo noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, que viabilizem aos agentes econômicos e  aos  administradores de  qualquer segmento produtivo  ou  institucional o  pleno cumprimento  de  sues  encargos  quanto  ao  gerenciamento,  aos  controles  e  à prestação de contas de sua gestão perante à sociedade, gerando também informações para a tomada de decisão, organização de atitudes e construção de valores orientados para cidadania;

Elaborar pareceres e relatórios que contribuam para o desempenho eficiente e eficaz de seus usuários, quaisquer que sejam os modelos organizacionais.

 

 

 

 

3.7 Competências e Habilidades

 

 

A FACHASUL em conformidade com a Resolução nº 10, de 16 de dezembro de 2004, Art. 3º, o Curso de Graduação em Ciências Contábeis deve ensejar condições para que o futuro contador seja capacitado a compreender as questões científicas, técnicas, sociais, econômicas e financeiras, em âmbito nacional e internacional e nos diferentes modelos de organização, apresentar pleno domínio das responsabilidades funcionais envolvendo apurações, auditorias, perícias, arbitragens, noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com plena utilização de inovações tecnológicas e revelar capacidade crítica-analítica de avaliação, quanto as implicações organizacionais com o advento da tecnologia da informação.

 

Para tanto, o curso de Ciências Contábeis da FACHASUL diante de seus princípios norteadores busca revelar as seguintes competências e habilidades:

 

a)  apresentar     comportamento    ético     profissional     e     responsabilidade    no desempenho de suas atividades;

 

b) demonstrar conhecimento técnico e científico da especialidade e área de sua opção para o  exercício da atividade contábil, bem como para utilizar adequadamente a terminologia e a linguagem das Ciências Contábeis e Atuariais;

 

c) demonstrar visão sistêmica e interdisciplinar da atividade contábil;

 

d) elaborar pareceres e relatórios que contribuam para o desempenho eficiente e eficaz de seus usuários, quaisquer que sejam os modelos operacionais;

 

e) aplicar adequadamente a legislação inerente às funções contábeis;

 

f) obter formação humanística adequada ao exercício profissional habilitando o profissional a uma compreensão do ambiente interno e externo, no âmbito social, político, econômico e cultural;

 

g) desenvolver, com  motivação e  através  de  permanente articulação, a liderança entre  equipes multidisciplinares para  a  captação de  insumos necessários aos  controles técnicos, à  geração e  disseminação de  informações contábeis, com reconhecido nível de precisão;

 

h) desenvolver,   analisar   e   implantar   sistemas   de   informação   contábil   e   de controle  gerencial,  revelando  capacidade  crítico-analítica  para  avaliar  as implicações organizacionais com a tecnologia da informação;

 

 

i)  possuir  a capacidade de  internalizar valores  de  responsabilidade social, justiça e  ética  profissional  e,  exercer  com  ética  e  proficiência  as  atribuições  e prerrogativas que lhe são prescritas por legislação específica, revelando domínios adequados aos diferentes modelos organizacionais;

 

j) ter consciência  da  necessidade  do  contínuo  aperfeiçoamento  profissional, bem como  capacidade  de   interpretar  o   conteúdo  das  propostas,  dos regulamentos, dos textos legais;

 

k) exercer   suas   funções   com   expressivo   domínio   das   funções   contábeis   e atuariais  que  viabilizem  aos  agentes  econômicos  e  aos  administradores  de qualquer segmento   produtivo   ou   institucional  o   pleno   cumprimento  da   sua responsabilidade quanto ao gerenciamento, aos controles e à  prestação de contas da sua gestão perante a sociedade, gerando também informações para a tomada  de  decisão,  organização  de atitudes e  construção de valores orientados para a cidadania.

 

 

 

 

3.8 Perfil do Egresso

 

 

 

Este  Projeto  Pedagógico  deve  garantir  que  o  egresso  do  Curso  de  Ciências Contábeis da FACHASUL, seja um profissional dotado de conhecimentos que o capacite a atuar em um ambiente econômico globalizado.

O curso deve contemplar um perfil profissional que revele a responsabilidade social de  seus  egressos e  sua  atuação  técnica  e  instrumental, articulada  com outros  ramos do   saber   e,   com   outros   profissionais,   evidenciando   o   domínio   de habilidades e competências inter e multidisciplinar.

O egresso deve ser capaz de estabelecer  comunicação  compatível com o exercício da profissão por meio de processos escritos e expressões, o que implica em melhores relacionamentos  intergrupal e interpessoal nas organizações e maior clareza quanto aos processos  organizacionais, utilizando  a  visão  sistêmica  e  estratégica  para  que  sejam solucionados  os  problemas  e  aproveitadas  as  novas  oportunidades,  raciocinando  de maneira lógica, crítica e analítica, permitindo a ele fazer diagnósticos, propor soluções mediante a identificação de riscos e melhores alternativas para cada caso, exercendo suas funções  com  expressivo  domínio  das  funções  contábeis  e  atuariais  e  utilizando  sua

 

 

capacidade de liderança carismática e técnica no processo de esclarecimento das novas oportunidades e tomadas de decisão mediante riscos, com o objetivo de sempre trabalhar e desenvolver equipes de trabalho, capazes dar consecução aos objetivos organizacionais.

 

 

 

 

3.8.1 Coerência do Currículo com o perfil desejado do Egresso

 

 

 

 

Como  forma  de  garantir  a  formação  do  contador  desejado  capaz  de  atuar  nos diversos modelos de organizações, a FACHASUL instituiu os objetivos para o curso de Ciências Contábeis, conforme mencionado. Para tanto, a estrutura curricular constitui-se de uma carga horária de 3.640 horas, divididas em 08 (oito) semestres.

 

Os conhecimentos configurados no currículo envolvem as áreas dos conteúdos essenciais, previstos nas Diretrizes Curriculares Nacionais atualizada pela Resolução CNE/CES nº 10, de 16 de dezembro de 2004 assim, para atender os objetivos propostos o currículo contempla conteúdos que atendem os campos interligados de formação.

 

A estrutura curricular considera as mudanças no mercado de trabalho, as características regionais, a necessidade de formar um contador que possua conhecimentos do cenário econômico e financeiro, nacional e internacional, de forma a proporcionar a harmonização das normas e padrões internacionais da contabilidade, em conformidade com a formação exigida pela Organização Mundial do Comércio e pelas peculiaridades das organizações governamentais.

 

A programação do estágio supervisionado está inteiramente interligada com os pressupostos da legislação apropriada e   está estruturado, concebido como conteúdo curricular implementador   do perfil do Contador formado pela FACHASUL, consistindo-se numa atividade obrigatória, mas diversificada, sendo desenvolvido em empresas  públicas ou privadas;   pequeno, médio ou grande porte ou na Empresa Júnior da FACHASUL, proporcionando aos acadêmicos condições reais de trabalho, para aplicação das teorias às práticas contábeis necessárias à sua formação profissional.

 

O TCC – Trabalho de Conclusão de Curso é obrigatório e possui regulamento próprio. Com a reestruturação da matriz curricular para 2011, a construção do TCC é iniciada no 6º semestre do curso com a disciplina de Projeto de Iniciação Científica, onde é construído o

 

 

projeto  de  pesquisa,  resultando  em  monografia  no  8º  semestre,  avaliado  por  banca examinadora.

 

 

 

 

3.9 Áreas de Atuação

 

 

 

 

O contador é o profissional   o campo de atuação muito vasto. Sua atuação está inserida  da  microempresa  à  empresa  de  grande  porte;  das  atividades  pastoris  ao  e- business. Abaixo, são citadas algumas áreas de atuação do profissional contábil:

 

Em empresas: planejador tributário, analista financeiro, contador geral, cargos administrativos, auditor interno, contador de custos, contador gerencial, atuário, controller e outros.

 

Como profissional independente (autônomo): auditor independente, consultor, empresário contábil, perito contábil, investigador de fraudes e outros.

 

No ensino: professor, coordenador, pesquisador, escritor, parecerista, conferencista e outros.

 

Em órgãos públicos: contador público, agente de fiscalização, diversos cargos de controladoria e finanças, tribunal de contas, oficial contador (forças armadas e polícia) e outros.

 

O contador pode exercer suas atividades na condição de autônomo, profissional liberal, empregado regido pela CLT, servidor público, militar, empresário individual, sócio de qualquer tipo de sociedade, diretor ou conselheiro de quaisquer entidades, ou em qualquer outra situação jurídica, podendo exercer qualquer tipo de função, conforme preceitua a Resolução do CFC nº 560/83.

 

 

 

 

3.10 Forma de Acesso ao Curso

 

 

 

 

A FACHASUL mediante a sua organização didático-pedagógica, instituiu algumas formas de acesso aos seus cursos de graduação, sendo:

 

 

PROCESSO SELETIVO – é o principal meio de ingressar nos cursos de graduação da FACHASUL e  conta com uma avaliação de redação com o  tema estabelecido pela instituição.

 

DIPLOMADO – O ingresso como Diplomado é destinado ao candidato que já possua diploma de um curso superior, devidamente reconhecido, e deseja ingressar em um novo curso de graduação, sem necessidade de novo vestibular. O candidato deverá comprovar através de documentação específica que possui diploma de nível superior para a realização de análise curricular.

 

TRANSFERÊNCIA OBRIGATÓRIA – Ocorre em qualquer época, independente da existência de vaga, destina-se a servidor Público Federal, Civil ou Militar estudante, ou seu dependente, se requerida em razão de comprovação de remoção ou transferência de ofício acarretada por mudança de domicílio.

 

ALUNO ESPECIAL – O ingresso como Aluno Especial é destinado a quem busca a complementação ou atualização de conhecimentos sem visar à obtenção de  grau  acadêmico ou  habilitação profissional. A  matrícula é  feita  em disciplinas isoladas. Aluno Especial pode cursar até 04 (quatro) disciplinas por semestre, limitado a um máximo de 04 (quatro) semestres letivos. O vínculo fica restrito à(s) disciplina(s) cursada(s), e não ao curso, caracterizando-se como aluno desvinculado do curso. Os encargos financeiros ficam reduzidos aos valores das disciplinas cursadas e o possível crédito obtido pode ser validado regular. O interessado deve ter concluído o Ensino Médio ou equivalente ou ser portador de diploma de Curso Superior. O aluno regularmente matriculado na FACHASUL, com matrícula trancada ou na condição de desistente, não pode solicitar ingresso como Aluno Especial.

 

BOLSA PROUNI – São vagas destinadas aos acadêmicos classificados no Programa Universidade para Todos – PROUNI que tenham cumpridos os critérios de seleção do programa e da IES.

 

BOLSA FIES – São vagas destinadas aos alunos selecionados pelo Fundo de Financiamento Estudantil – FIES. Os contemplados com a bolsa devem cumprir com as exigências e prazos estabelecidos pelo programa de financiamento e IES.

 

 

BOLSA   EDUCA   MAIS   BRASIL   –   São   vagas   destinadas   aos acadêmicos classificados no  programa  de  inclusão  educacional, o  qual  subsidia bolsas de estudo de até 70%.

 

BOLSA IEL de ESTÁGIO – São vagas destinadas aos acadêmicos classificados para a realização de estágio, com auxílio de bolsa de 70% do valor da mensalidade.

 

PROGRAMA VALE UNIVERSIDADE – São vagas aos acadêmicos selecionados no programa do Governo Estadual, com auxílio de até 70% do valor da mensalidade.

 

REINGRESSO – O reingresso é destinado a alunos da FACHASUL que estão em situação de desistentes ou que realizaram cancelamento de matrícula, e desejam retomar seus estudos. Não se aplica a alunos com matrículas trancadas. O reingresso deve ser solicitado primeiramente para o mesmo curso onde houve a desistência, desde que haja existência de vaga.

 

 

 

 

4 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

 

 

 

 

O currículo do curso, concebido nos termos do seu Projeto Pedagógico, é o instrumento que garante a formação e assegura a relevância, o significado e o caráter científico de uma área de conhecimento. Certifica ainda a formação profissional competente e politicamente comprometida com a criação de uma sociedade justa e humana.

 

No currículo teve-se o cuidado de manter a coerência entre as disciplinas ofertadas e o perfil profissiográfico que se pretende formar.

 

Ressalta-se que o currículo foi estruturado buscando-se minimizar a distância entre os opostos quantitativos e qualitativos, conteúdos lógicos e conteúdos complexos de teoria e prática, pretendendo-se, ainda, implantar sistemas de intercâmbio entre os envolvidos no processo educacional e também a comunidade local, através das disciplinas de Seminário e Tópicos Emergentes, Cultura Empreendedora e Criatividade, Laboratório de Práticas Contábeis, para favorecer a vinculação dos fundamentos teóricos às ações cotidianas do profissional.

 

 

O currículo é constituído de componentes interdependentes de forma a assegurar, preservar e garantir, a efetiva concepção do projeto pedagógico na construção do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL. Os seus componentes são: a estrutura curricular, a semestralização, o ementário e as bibliografias.

 

O currículo proposto, contudo, não é uma obra acabada e intocável. É um instrumento dinâmico, vivo, acompanhando e, até mesmo, antecipando-se às mudanças organizacionais, aos avanços tecnológicos, às mutações dos perfis de mercado e do profissional, atento aos movimentos   sociais,   culturais   e   econômicos,   sejam   eles   regionais,   nacionais   e internacionais.

 

A estrutura curricular inicial foi elaborada com vistas a atender às exigências da Resolução  CNE/CES  10  de  16  de  Dezembro  de  2004,    sendo  os  seus  conteúdos distribuídos em matérias/disciplinas com conteúdos de formação básica, formação profissional e formação teórico-prática.

 

O desenvolvimento das atividades de ensino são, também, indissociadas das atividades de pesquisa e extensão.

 

A  semestralização  das  disciplinas  componentes  da  estrutura  curricular,  garante, dentro de uma visão sistêmica e global, a construção de um currículo interdisciplinar e multidimensional, onde na execução de cada disciplina o educador, muito mais do que um professor, deverá empregar os métodos indutivos e dedutivos para buscar a sedimentação das experiências vivenciadas por ele e pelos alunos na busca de uma efetiva interação.

 

 

 

 

4.1 Estrutura Curricular

 

 

 

Número de vagas oferecidas no vestibular: 100

 

Turno: noturno

 

Matricula: semestral

 

Regime do curso: semestral

 

Carga Horária total do Curso: 3.640 horas

 

 

Integralização da carga horária do curso: mínimo de 8 (oito) semestres letivos e máximo de 16 (dezesseis) semestres letivos.

 

 

 

 

4.2 Representação Gráfica do Perfil de Formação da Matriz Curricular

 

 

 

 

Quadro 01 – Campos interligados de formação do Curso de Ciências Contábeis da

 

FACHASUL, 2013.

 

 

CAMPOS INTERLIGADOS DE FORMAÇÃO

CARGA HORÁRIA

2011

CARGA HORÁRIA

2013

Horas

%

Horas

%

 

Formação Básica

 

1.200

 

33,3%

 

1.200

 

33,0%

 

Formação Profissional

 

1.520

 

42,2%

 

1.560

 

42,9%

 

Formação Teórico-Prática

 

880

 

24,5%

 

880

 

24,1%

 

TOTAL GERAL

 

3.600

 

100%

 

3.640

 

100%

 

 

 

Gráfico 01 – Campos Interligados de Formação do Curso de Ciências Contábeis da

 

FACHASUL, 2013.

 

 

 

Quadro 02  – Campos Interligados de Formação, Disciplinas e Carga horária do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL, 2013.

 

Campos Interligados de

 

Formação do Curso de

 

Ciências Contábeis

 

 

Disciplina

 

Carga horária

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Formação Básica

Instituição do Direito Público e Privado

40

Direito Administrativo

40

Direito Empresarial

80

Economia

40

Mercados de Capitais

40

Sociologia

40

Antropologia

40

Psicologia

40

Fundamentos de Matemática

40

Matemática

40

Matemática Financeira

80

Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica

40

Gestão das Organizações

80

Gestão do Conhecimento

40

Sistemas de Informação

80

Cultura Empreendedora e Criatividade

40

Introdução a Administração de Recursos Humanos

80

Administração Financeira

80

Estatística

80

Teoria da Administração

80

Português Instrumental

80

SUBTOTAL

1.200

 

 

 

 

Formação Profissional

Contabilidade Introdutória

80

Contabilidade Geral

80

Contabilidade Gerencial

40

Contabilidade de Custos

40

Contabilidade Intermediária

80

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Contabilidade Comercial

80

Gestão e Análise de Custos

80

Contabilidade Rural

80

Contabilidade Avançada

80

Contabilidade Sociedades Cooperativas

80

Contabilidade Pública

80

Legislação Social

40

Contabilidade Aplicada ao Terceiro Setor

40

Contabilidade Societária

40

Contabilidade e Planejamento Tributário

80

Análise das Demonstrações Contábeis

80

Auditoria Contábil I

80

Auditoria Contábil II

80

Contabilidade Internacional

80

Controladoria

80

Perícia Contábil

80

Projeto de Iniciação Científica

40

Contabilidade Ambiental

40

SUBTOTAL

1.560

 

 

 

 

Formação

 

Téorico-Prática

Orientação de Estágio Supervisionado I

40

Orientação de Estágio Supervisionado II

40

Seminários e Tópicos Emergentes

40

Práticas Contábeis em Laboratório

80

Eletiva

40

Trabalho de Conclusão de Curso

40

SUBTOTAL

280

 

TOTAL

3.040

Estágio Supervisionado

300

Atividades Complementares

300

TOTAL GERAL

3.640

 

 

 

 

 

 

 

 

4.3 Equivalência Curricular

 

 

 

 

Quadro 03 – Equivalência da Matriz curricular do Curso de Ciências Contábeis da

 

FACHASUL, 2013.

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Contabilidade Introdutória (80 h/a)

Contabilidade Introdutória (80 h/a)

Instituição do Direito Público e Privado (40 h/a)

Instituição do Direito Público e Privado (40 h/a)

Português Instrumental (80 h/a)

Português Instrumental (80 h/a)

Fundamentos de Matemática (40 h/a)

Fundamentos de Matemática (40 h/a)

Teoria da Administração (80 h/a)

Teoria da Administração (80 h/a)

Antropologia (40 h/a)

Antropologia (40 h/a)

Economia (40 h/a)

Economia (40 h/a)

Total: 400 h/a

Total: 400 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Contabilidade Geral (80 h/a)

Contabilidade Geral (80 h/a)

Direito Administrativo (40 h/a)

Direito Administrativo (40 h/a)

Sociologia (40 h/a)

Sociologia (40 h/a)

Matemática (40 h/a)

Matemática (40 h/a)

Gestão das Organizações – 80 h/a

Gestão das Organizações – 80 h/a

Mercados de Capitais – 40 h/a

Mercados de Capitais – 40 h/a

Métodos e  Técnicas de  Pesquisa científica

 

(40 h/a)

Métodos e  Técnicas de  Pesquisa científica

 

(40 h/a)

Total: 360 h/a

Total: 360 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Direito Empresarial (80 h/a)

Direito Empresarial (80 h/a)

Estatística (80 h/a)

Estatística (80 h/a)

Sistema de Informação (80 h/a)

Sistema de Informação (80 h/a)

Gestão do Conhecimento (40 h/a)

Gestão do Conhecimento (40 h/a)

 

 

 

 

 

 

 

 

Seminários de Tópicos Emergentes (40 h/a)

Seminários de Tópicos Emergentes (40 h/a)

Eletiva I (40 h/a)

Contabilidade Intermediária (80 h/a)

Total: 360 h/a

Total: 400 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Matemática Financeira (80 h/a)

Matemática Financeira (80 h/a)

Cultura Empreendedora e Criatividade (40 h/a)

Cultura Empreendedora e Criatividade (40 h/a)

Contabilidade de custos (40 h/a)

Contabilidade de custos (40 h/a)

Legislação social (40 h/a)

Legislação social (40 h/a)

Psicologia (40 h/a)

Psicologia (40 h/a)

Contabilidade Intermediária (80 h/a)

Contabilidade Comercial (80 h/a)

Introdução  a   Administração  de   Recursos

 

Humanos (80 h/a)

Introdução  a   Administração  de   Recursos

 

Humanos (80 h/a)

Total: 400 h/a

Total: 400 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Gestão e Análise de Custos (80 h/a)

Gestão e Análise de Custos (80 h/a)

Contabilidade Rural (80 h/a)

Contabilidade Rural (80 h/a)

Práticas Contábeis em Laboratório (80 h/a)

Práticas Contábeis em Laboratório (80 h/a)

Contabilidade Avançada (80 h/a)

Contabilidade Avançada (80 h/a)

Orientação Estágio Supervisionado I (40 h/a)

Orientação Estágio Supervisionado I (40 h/a)

Total: 360 h/a

Total: 360 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Contabilidade de Soc. Cooperativas (80 h/a)

Contabilidade de Soc. Cooperativas (80 h/a)

Contabilidade Pública (80 h/a)

Contabilidade Pública (80 h/a)

Contabilidade aplicada ao Terceiro Setor (40 h/a)

Contabilidade aplicada ao Terceiro Setor (40 h/a)

Contabilidade Societária (40 h/a)

Contabilidade Societária (40 h/a)

Projeto de Iniciação Científica (40 h/a)

Projeto de Iniciação Científica (40 h/a)

Orientação de Estágio Supervisionado II (40 h/a)

Orientação de Estágio Supervisionado II (40 h/a)

Contabilidade e Planejamento Tributário (80 h/a)

Contabilidade e Planejamento Tributário (80 h/a)

Total: 400 h/a

Total: 400 h/a

 

 

 

 

 

 

 

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Administração Financeira (80 h/a)

Administração Financeira (80 h/a)

Análise das Demonstrações Contábeis (80 h/a)

Análise das Demonstrações Contábeis (80 h/a)

Auditoria Contábil I (80 h/a)

Auditoria Contábil I (80 h/a)

Contabilidade Internacional (80 h/a)

Contabilidade Internacional (80 h/a)

Contabilidade Gerencial (40 h/a)

Contabilidade Gerencial (40 h/a)

Eletiva (40 h/a)

Eletiva (40 h/a)

Total: 400 h/a

Total: 400 h/a

 

. SEMESTRE

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Controladoria (80 h/a)

Controladoria (80 h/a)

Auditoria Contábil II (80 h/a)

Auditoria Contábil II (80 h/a)

Perícia Contábil (80 h/a)

Perícia Contábil (80 h/a)

Contabilidade Ambiental (40 h/a)

Contabilidade Ambiental (40 h/a)

Trabalho de Conclusão de Curso (40 h/a)

Trabalho de Conclusão de Curso (40 h/a)

Total: 320 h/a

Total: 320 h/a

 

 

GRADE CURRICULAR – 2011

GRADE CURRICULAR – 2013

Atividades Complementares (300 horas)

Atividades Complementares (300 horas)

Estágio Supervisionado I (150 horas)

Estágio Supervisionado I (150 horas)

Estágio Supervisionado II (150 horas)

Estágio Supervisionado II (150 horas)

Total: 600 h/a

Total: 600 h/a

 

 

Total da Grade do Curso: 3.600 h/a

Total da Grade do Curso: 3.640 h/a

 

 

 

 

4.4 Semestralização do Curso

 

 

 

 

 

 

2013.

 

Quadro 04 – Matriz Curricular 2013 do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL,

 

 

 

 

 

 

 

 

SEMESTRE

DISCIPLINAS

CARGA HORÁRIA (h/a)

 

 

 

 

 

Contabilidade Introdutória

80

Instituições de Direito Público e Privado

40

Português Instrumental

80

Fundamentos da Matemática

40

Teoria da Administração

80

Antropologia

40

Economia

40

SUBTOTAL

400

 

 

 

 

 

 

Contabilidade Geral

80

Direito Administrativo

40

Sociologia

40

Matemática

40

Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica

40

Gestão das organizações

80

Mercado de Capitais

40

SUBTOTAL

360

 

 

 

 

 

Direito Empresarial

80

Estatística

80

Gestão do Conhecimento

40

Sistemas de Informação

80

Seminário e Tópicos Emergentes

40

Contabilidade Intermediária

80

SUBTOTAL

400

 

 

 

 

 

 

Contabilidade de Custos

40

Cultura empreendedora e criatividade

40

Introdução a Administração de Recursos Humanos

80

Psicologia

40

Matemática Financeira

80

Contabilidade Comercial

80

Legislação Social

40

SUBTOTAL

400

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gestão e Análise de Custos

80

Contabilidade Rural

80

Práticas Contábeis em Laboratório

80

Contabilidade Avançada

80

Orientação de Estágio Supervisionado I

40

SUBTOTAL

360

 

 

 

 

 

 

Contabilidade de Sociedades Cooperativas

80

Contabilidade Pública

80

Contabilidade Aplicada ao Terceiro Setor

40

Contabilidade Societária

40

Orientação de Estágio Supervisionado II

40

Projeto de Iniciação Científica

40

Contabilidade e Planejamento Tributário

80

SUBTOTAL

400

 

 

 

 

 

Administração Financeira

80

Análise das Demonstrações Contábeis

80

Auditoria Contábil I

80

Contabilidade Internacional

80

Contabilidade Gerencial

40

Eletiva

40

SUBTOTAL

400

 

 

 

 

Controladoria

80

Auditoria Contábil II

80

Contabilidade Ambiental

40

Perícia Contábil

80

Trabalho de Conclusão de Curso

40

SUBTOTAL

320

 

 

TOTAL

3.040

1º ao 8º

Atividades Complementares

300

5º e 6º

Estágio Supervisionado

300

SUBTOTAL

600

 

 

TOTAL DO CURSO

3.640

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2013

 

Quadro 05 – Disciplinas eletivas do Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL,

 

 

DISCIPLINAS ELETIVAS

CARGA HORÁRIA

 

 

 

 

Contabilidade e Responsabilidade Social

40

Contabilidade da Construção Civil

40

Filosofia e Ética

40

Libras

40

 

 

 

 

 

4.4.1 Justificativa

 

 

 

 

Sempre nortearam as propostas de reformulação do Curso o compromisso com a humanização do  processo  de  ensino e  o  cumprimento do  papel  primordial em  formar contadores competentes, eficazes e atuantes visando às necessidades da sociedade á qual prestam serviço.

 

Para dar atendimento às questões mencionadas, propomos uma matriz curricular que contribua na formação do futuro profissional da área contábil, com base no contexto atual, e, diante do cenário futuro que se desenvolve globalmente, especialmente em nosso país, em nossa região, exigindo que o contador seja um profissional generalista, atualizado com as legislações, estrategista, criador, inovador e agente de mudanças e saiba encaminhar os diferentes aspectos de uma questão para o objetivo comum.

 

Esses requisitos só são possíveis por meio da construção e desenvolvimento de habilidades humanas, conceituais e técnico-científica que permitam aos alunos desenvolver um processo de auto questionamento e aprendizado de modo a torná- los capazes de absorver, processar e se adequar por si mesmo, às necessidades e aos requerimentos das organizações do mundo moderno.

 

 

 

 

4.4.2 Dimensionamento da Carga Horária das Disciplinas

 

 

O  dimensionamento da  carga  horária  das  disciplinas  do  currículo  do  Curso  de Ciências Contábeis tem como base a relação teórica e prática como eixo organizador de toda a dinâmica curricular.

 

De acordo com as mudanças curriculares já citadas percebe–se que o Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL  sempre assegurou na organização de suas estruturas curriculares  um  dimensionamento  da  carga  horária  que  pudesse  responder  a  uma distribuição eqüitativa de carga horária. Contendo disciplinas de formação básica, de formação profissional e de formação teórico-prática para a diversificação da profissão, os acadêmicos sempre estão atrelados ao estímulo à participação  em projetos, em estágios, atividades complementares, participação em eventos e outras atividades elencadas e reconhecidas como de grande importância pela FACHASUL.

 

Uma organização curricular para se firmar como inovadora deve contemplar uma sólida formação profissional acompanhada de possibilidades, de aprofundamentos e opções realizadas pelos alunos, propiciando tempo e espaço para pesquisas, leituras e participação em eventos entre outras atividades, além da elaboração de um trabalho final de curso.

 

Para atingir esses objetivos e propostas, o Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL   pautou-se na organização da sua estrutura curricular o cumprimento de no mínimo 200 dias letivos anuais, com 4 horas de atividade diárias com duração de 8 semestres, contemplando a resolução nº 3, de 2 de julho de 2007, que institui as horas aula de  60  minutos  a  partir  da  nova  matriz  curricular  do  curso,  demonstrando  assim  a preocupação da Instituição em assegurar um trabalho sólido condizente com as recomendações das propostas de diretrizes de formação do profissional contador.

 

 

 

 

 

 

 

4.5 Ementas e Bibliografias – Matriz Curricular 2013.

 

 

1º SEMESTRE

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Introdutória                Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Conhecer os conceitos da contabilidade, bem como suas finalidades e campo de aplicação, levando o acadêmico a refletir sobre as reais funções da contabilidade e como ela pode contribuir para o desenvolvimento da nação;

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas empresas.

 

 

Ementa: Contabilidade: conceito, objeto, finalidade e campo de aplicação. Princípios da contabilidade. Origem e aplicação dos recursos. Aspectos fundamentais da teoria contábil. Regimes contábeis: caixa e competência.  Planos de contas e a classificação de contas patrimoniais e de resultados. Métodos de escrituração contábil. Operações práticas de lançamentos e Demonstrações.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à contabilidade. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2009. 158 p.

 

 

IUDICIBUS, Sergio de et al. Contabilidade introdutória. 11. ed. São Paulo: Atlas,

 

2010. 335 p

MARION, José Carlos. Contabilidade Básica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. Bibliografia Complementar

 

CHAGAS, Gilson. Contabilidade geral simplificada: demonstrações financeiras após alterações na lei das S.As. e as sociedades empresariais à luz do novo Código Civil. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 249 p.

 

 

FRANCO, Hilário. Contabilidade geral. 23. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 407 p.

 

 

 

IUDÍCIBUS,   Sérgio   de;   MARION,   José   Carlos.   Introdução   à   teoria   da contabilidade para o nível de graduação. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2002. 288 p.

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade fundamental. 2.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2010. 186 p.

 

 

ROCHA, José Carlos Fortes. Manual do contabilista: uma abordagem teórico- prático da profissão contábil. São Paulo: Saraiva, 2005. 305 p.

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Instituições do Direito Público e

 

Privado

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Ensinar e capacitar o aluno para a utilização de conceitos e princípios de direito, os quais utilizarão como subsídio para assuntos correlatos e outras disciplinas, em nível de graduação e pós-graduação e no decorrer da vida profissional;

– Proporcionar o entendimento dos princípios de Direito Público e Privado, abrangendo a evolução histórica, o embasamento doutrinário, os princípios gerais, os conceitos, as categorias, os institutos, as problemáticas teóricas, o acervo terminológico específico, além das tendências atuais;

– Capacitar o acadêmico a identificar e a diferenciar as diversas relações mantidas necessariamente entre os ramos do Direito, identificando as normas aplicáveis e as características de cada situação, de modo a formular soluções de problemas e questões relevantes;

– Desenvolver senso crítico e reflexivo do acadêmico e despertar seu interesse na pesquisa dos assuntos abordados em aula com apoio de livros disponíveis na biblioteca e artigos da internet.

 

 

Objetivo Específico:

 

–   Proporcionar  ao   estudante,  a   oportunidade  de   identificar  os   princípios,

 

 

características e os principais institutos de Direito Público e Privado, bem como a adequada aplicação na administração de uma empresa.

 

 

Ementa: Noções de Direito. Objeto do Direito. Direito natural e Direito positivo. Direito objetivo e subjetivo. Divisão do Direito. Fontes do Direito. Noções de Direito Constitucional. Noções de Direito Civil (capacidade civil, obrigações, família). Noções de Direito Penal.

 

 

Bibliografia Básica:

 

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 27 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

 

391 p.

 

 

 

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo, 24 ed. São Paulo: Atlas,

 

2011.

 

 

 

DOWER, Nelson Godoy Bassil. Instituições de direito público e privado. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 440 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

PINHO, Ruy Rebello. Instituições de direito público e privado: introdução ao estudo do direito e noções de é tica profissional. 22. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

422 p.

 

 

 

COTRIM, Gilberto. Direito fundamental: instituições de direito público e privado.

 

23.ed. São Paulo: Saraiva, 2009. 295 p.

 

 

 

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil: parte geral. 40.ed. São Paulo: Saraíva, 2005. v.1. 368 p

 

 

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: <

 

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.

 

 

 

MAXIMILIANO,  Carlos.  Hermenêutica  e  aplicação  do  direito.  20.  ed.  Rio  de

 

 

Janeiro: Forense, 2011. 335 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Português Instrumental                     Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver a capacidade de leitura, interpretação e produção de diferentes tipos de textos presentes no ambiente profissional;

 

 

Objetivo Específico:

 

– Evidenciar os diferentes tipos de textos orais e/ou escritos;

 

– Desenvolver a capacidade de leitura, interpretação e produção de diferentes tipos de textos;

–  Ser  capaz  de  diferenciar,  analisar  e  produzir  textos  técnicos,  literários  e científicos; Identificar, analisar e produzir a redação comercial e oficial.

 

 

Ementa: Recepção de textos: leitura ativa, analítica e crítica. Produção de textos: dissertação  argumentativa,  resumo,  redação  oficial  e  comercial.  Produção  de textos orais. Assuntos gramaticais aplicados ao texto.

 

 

Bibliografia Básica:

 

BELTRÃO,   Odacir;   BELTRÃO,   Mariúsa.   Correspondência:   linguagem   &

 

comunicação:  oficial,  comercial,  bancária,particular. 23.  ed.  São  Paulo:  Atlas,

 

2007. 379 p.

 

 

 

CUNHA, Celso. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de

 

Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

 

 

 

FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 17. ed. São Paulo: Ática, 2007

 

 

Bibliografia Básica:

 

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa:

 

 

com numerosos exercícios. 46. ed. São Paulo: Nacional, 2005.

 

 

 

GARCIA,  Othon  M.  Comunicação em  prosa  moderna:  Aprenda a  escrever, aprendendo a pensar. 20. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009

 

 

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Coesão textual. 18. ed. São Paulo: Contexto,

 

2011. 84 p.

 

 

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Coesão textual. 20. ed. São Paulo: Contexto,

 

2005. 84 p.

 

 

 

MEDEIROS, João Bosco. Português instrumental: para cursos de contabilidade, economia e administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2000. 320 p

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Fundamentos de Matemática            Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Oportunizar aos alunos a revisão de conteúdos fundamentais da Matemática do Ensino Fundamental e Médio, essenciais ao bom desempenho durante o curso de Ciências Contábeis, tanto nas disciplinas relativas à própria Matemática como em disciplinas específicas do Curso; bem como relacionar esses conteúdos à prática da Contabilidade.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Relembrar os conceitos e as definições de Razão e Proporção e ver algumas

 

Aplicações em situações inerentes à Contabilidade/Administração;

 

–  Estudar Regra  de  Três  Simples e  Composta com  aplicações em  situações inerentes à Contabilidade/Administração;

– Rever os principais conjuntos numéricos: Números Naturais, Inteiros, Racionais, Irracionais e Reais;

– Estudar a representação dos Números Reais através de Intervalos Reais;

 

– Apresentar o conceito, a definição, o domínio, o contradomínio e imagem de uma

 

 

função qualquer;

 

– Estudar a construção e interpretação de Gráficos;

 

– Estudar funções: Afim e a Quadrática; e

 

– A partir de Equação Linear e Solução, estudar os Sistemas Lineares com Duas e Três Incógnitas e Soluções. Obs.: Todos os conteúdos, sempre que possível, serão apresentados relacionando-os ao Curso.

 

 

Ementa: Razão e Proporção. Regra de Três Simples e Composta. Conjuntos numéricos. Funções (Afim e Quadrática). Sistemas Lineares.

 

 

Bibliografia Básica:

 

IEZZI, Gelson et al. Matemática: volume único. 4 ed. São Paulo: Atual, 2007. 688 p.

 

 

SILVA, Sebastião Medeiros da; SILVA, Elio Medeiros da; SILVA, Ermes Medeiros da. Matemática básica para cursos superiores. São Paulo: Atlas, 2011. 227 p.

 

 

SILVA, Sebastião Medeiros da; SILVA, Elio Medeiros da; SILVA, Ermes Medeiros da. Matemática para os cursos de economia, administração, ciências contábeis. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010. v. 1.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

DANTE, Luis Roberto.  Matemática: Contexto & Aplicações. Ensino Médio. Vol. Único. Atica. São Paulo. 2000.

 

 

HARIKI,Seiji; ABDOUNUR, Oscar João. Matemática aplicada: administração, economia, contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2003. 468 p.

LEITHOLD, L. Matemática aplicada à economia e administração. São Paulo: Harbra, 1988.

 

 

SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. Matemática: ensino médio. 7.ed. São

 

Paulo: Saraiva, 2010. 320 p. v.01.

 

 

SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. Matemática: ensino médio. 7.ed. São

 

Paulo: Saraiva, 2010. 448 p. v.02

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Teorias da Administração                 Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Capacitar o  aluno  ao  contato  com  os  principais elementos do  pensamento administrativo, bem como despertar o acadêmico para a necessidade da gestão e a necessidade de novas teorias na condução dos negócios.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Desenvolver uma visão ampla da arte da Administração como consequência da evolução histórica da sociedade e do mercado;

– Identificar e analisar, à luz das teorias administrativas, as práticas administrativas adotadas pelas organizações;

– Aplicar as teorias administrativas à realidade organizacional brasileira;

 

– Adequar os modelos de gestão aos diferentes tipos de organizações.

 

 

 

Ementa: Introdução à teoria geral da administração. Primórdios da administração. Abordagem neoclássica da administração. Abordagem estruturalista da administração.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração. 6. ed. Rio de Janeiro: Campos, 2000. 700 p.

 

 

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

530 p.

 

 

 

STONER, James A F;  FREEMAN, R. Edward. Administração. 5. ed. Rio de

 

Janeiro: LTC, 1999. 533 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BATEMAN, Thomas S; SNELL, Scott A. Administração: construindo vantagem competitiva. Tradução Celso A. Rimoli. São Paulo: Atlas, 1998. 539 p.

 

 

CARAVANTES, Geraldo R. Teoria geral da administração: pensando e fazendo.

 

3. ed. Porto Alegre: AGE, 1998. 205 p.

 

 

 

DRUCKER, Peter F. Introdução à administração. Tradução de Carlos A. Malferrari. 3. ed. São Paulo: Pioneira, 1998. 714 p. (Biblioteca Pioneira de Administração e Negócios).

 

 

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à  administração. 6.  ed.  São

 

Paulo: Atlas, 2004. 434 p.

 

 

 

ROBBINS, Stephen P.  Administração: mudanças e  perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2001. 524 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Antropologia                                       Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Discutir problemas antropológicos tradicionais relevantes no intento de permear as mudanças econômicas, sociais, políticas, tecnológicas, psicológicas e culturais geradas pelos enfrentamentos morais;

– Fornecer ao aluno um amplo panorama das discussões que marcaram a antropologia contemporânea.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Visa a compreensão e a interpretação do fazer contabilista através do aporte teórico da Antropologia

 

 

Ementa: Antropologia; noção e divisão, natureza e finalidade, método, objeto, clássicos, contemporâneos. A perspectiva antropológica: o trabalho de campo e a

 

 

elaboração da etnografia. O  estudo da diversidade cultural. Cultura brasileira. Cultura organizacional. A influência do afro-descendente na formação das sociedades humanas.

 

 

Bibliografia Básica:

 

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2007.

 

205 p.

 

 

 

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 24.ed. Rio de

 

Janeiro: Zahar, 2009. 117 p.

 

 

 

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de . Sobre o pensamento antropológico. 3.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003. 201 p. (Biblioteca Tempo Universitário; nº 83).

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BERNARDES, Cyro. Sociologia aplicada à administração. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. 175 p.

 

 

CARDOSO, Ruth (org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. 4. ed. São

 

Paulo: Paz e terra,

 

 

 

DA MATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução a antropologia social. Rio de

 

Janeiro: Rocco, 2010.

 

 

 

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. 2. ed. São Paulo: Martins

 

Fontes, 2004. 483 p.

 

 

 

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia da administração. São Paulo: Atlas, 1997. 219 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Economia                                            Carga Horária: 40 h/a

 

 

Objetivo Geral:

 

– Introduzir os alunos de Ciências Contábeis em um de seus campos de trabalho, a partir do desenvolvimento dos princípios e conceitos básicos da Ciência Econômica.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conhecer os conceitos fundamentais da teoria econômica;

 

– Interpretar as aplicabilidades da micro e da macroeconomia, bem como analisar procura e a oferta;.

– Conhecer e interpretar outros sistemas econômicos.

 

 

 

Ementa: Introdução a teoria econômica: conceitos, objeto, finalidade da economia, economia normativa,  positiva  e  sistema  econômico.  Microeconomia: demanda, oferta e equilíbrio de mercado. Estruturas de mercado. Elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria e Custos de Produção. Macroeconomia: política fiscal, inflação, desemprego, renda e consumo. Princípios de tributação. Políticas e estratégias de desenvolvimento estrutura do PIB-Produto interno bruto Distribuição espacial do PIB.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ROSSETTI, José Paschoal. Introdução à economia. 20. ed. São Paulo: Atlas,

 

2003. 904 p.

 

 

 

SILVA,  Cesar  Roberto  Leite  da;  LUIZ,  Sinclayr.  Economia  e  mercados:

 

introdução à economia. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 248 p.

 

 

 

VASCONCELLOS,   Marco   Antonio   Sandoval;   GARCIA,   Manuel   Enriquez.

 

Fundamentos de economia. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2008. 292 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

HOLANDA, Nilson. Introdução á economia: da teoria á prática e da visão micro á macroperspectiva. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 847 p.

 

 

MANKIW, N. Gregory. Introdução à economia: princípios de micro e macroeconomia. 2. ed. Rio de Janeiro: Campos, 2001. 831 p.

 

 

KENNEDY, Peter E.. Economia em contexto. [Macroeconomic essentials]. Tradução: Fernanda Estevan, Revisão técnica: Sérgio Ishikawa. São Paulo: Saraiva, 2004. 436 p

 

 

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. 11. ed. São Paulo: Best

 

Seller, 2002. 646 p.

 

 

 

TROSTER,   Roberto   Luis;   MORCILLO,   Francisco   Mochon.   Introdução   à economia. São Paulo: Pearson Education, 2002. 404 p

 

 

2º SEMESTRE

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Geral                           Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Dominar a terminologia contábil e os conceitos básicos;

 

– Aplicar os princípios contábeis;

 

– Levantar balancetes, ajustar contas, elaborar a Demonstração do Resultado do

 

Exercício e o Balanço Patrimonial.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas empresas.

 

 

Ementa: Uso da informação contábil pela administração. Estrutura das demonstrações financeiras. Instrumental básico de análise. Análise e interpretação econômico-financeira. Análise do patrimônio, estrutura e  variação. Despesas e receitas. Plano de contas. Instrumental básico de análise. Auditoria. Indicadores econômicos e financeiros

 

 

Bibliografia Básica

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica fácil. 27.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2010. 400 p.

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade geral fácil. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

 

532 p.

 

 

 

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso básico de contabilidade: resumo da teoria, atendendo às novas demandas da gestão empresarial, exercícios e questões com respostas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 341 p.

 

 

Bibliografia Complementar

 

ABREU, Ari Ferreira de. Fundamentos de contabilidade : utilizando o Excel. São

 

Paulo: Saraiva , 2006. 261 p.

 

 

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Curso básico de contabilidade. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 302 p.

 

 

IUDICIBUS, Sergio de. Teoria da contabilidade. 9. ed. Sao Paulo: Atlas, 2009.

 

336 p.

 

 

 

NEVES,  Silvério  das;  VICECONTI,  Paulo  Eduardo  V.  Contabilidade  básica.

 

13.ed. São Paulo: Frase, 2006. 538 p.

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade geral fácil. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

 

532 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Direito Administrativo                        Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral

 

–   Proporcionar   o   entendimento   dos   princípios   do   Direito   Administrativo, abrangendo a evolução histórica, o embasamento doutrinário, os princípios gerais, os conceitos, as categorias, os institutos, as problemáticas teóricas, o acervo terminológico específico, além das tendências atuais;

– Capacitar o acadêmico a identificar e a diferenciar as diversas relações mantidas necessariamente entre o Estado, terceiros e servidores, identificando as normas aplicáveis e as características de cada situação, de modo a formular soluções de problemas e questões relevantes;

– Desenvolver senso crítico e reflexivo do acadêmico e despertar seu interesse na pesquisa dos assuntos abordados em aula com apoio de livros disponíveis na biblioteca e artigos da internet.

 

 

Objetivo Específico

 

– Compreender os aspectos históricos e estruturais do Direito Administrativo;

 

– Identificar e memorizar os direitos básicos, conhecer direitos e obrigações do

 

Administrado e do Administrador Público.

 

 

 

Ementa: Apresentação do Direito Administrativo. O regime jurídico-administrativo. A   organização  administrativa.  Agentes  públicos.  A   atividade  administrativa. Controle. Atos administrativos. Responsabilidade civil patrimonial extracontratual do Estado.

 

 

Bibliografia Básica

 

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 712 p.

 

 

DOWER, Nelson Godoy Bassil. Instituições de direito público e privado. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 440 p.

 

 

GASPARINI, Diogenes. Direito administrativo. 16.ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

 

1166 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

COUTO, Reinaldo. Curso de Direito Administrativo: segundo a Jurisprudência do STJ e do STF. São Paulo: Atlas, 2011.

 

 

FIGUEIREDO,  Lúcia  Valle.  Curso  de  Direito  Administrativo.  São  Paulo: Malheiros Editores.

 

 

MEIRELLES,   Hely   Lopes.   Direito   Administrativo   Brasileiro.   São   Paulo: Malheiros Editores.

 

 

MELLO, Celso Antonio Bandeira de. Curso de direito administrativo. São Paulo: Malheiros editores

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: <

 

 

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Matemática                                          Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral

 

–  Propiciar  o  desenvolvimento do  raciocínio  lógico  e  abstrato,  interpretação e iniciativa, capacitando o educando a prosseguir seus estudos, ampliando suas habilidades  intelectuais  no  campo  da  Matemática  e  instrumentalizando-o com conceitos e aplicações diretas na vida profissional.

 

 

Objetivo Específico

 

– Rever o conceito de Função estudado em Fundamentos da Matemática – aplicações gerais, estendendo-o para aplicação em demanda de mercado, oferta de mercado, preço de equilíbrio e quantidade de equilíbrio, receita total, custo total, ponto de nivelamento e lucro total;

– Apresentar o conceito de limite de uma função;

 

– Apresentar o conceito de continuidade de uma função;

 

– Apresentar o conceito de derivada de uma função;

 

– Apresentar as técnicas básicas de derivação;

 

– Estudar algumas aplicações de derivadas: custo marginal, elasticidade-custo e receita marginal;

– Apresentar os conceitos de máximos e mínimos de uma função;

 

– Estudar algumas aplicações envolvendo máximos e mínimos em otimização;

 

– Apresentar os conceitos de diferencial e antiderivação;

 

– Estudar algumas aplicações da antiderivação: custo total e receita total a partir das derivadas custo marginal e receita marginal;

– Apresentar a Integral Definida; e

 

– Estudar algumas aplicações da Integral Definida: cálculo do custo total e da Receita total, num dado intervalo, a partir das funções custo total e receita total, respectivamente.

Ementa:  Aplicações  Gerais  de  Funções.  Introdução  ao  Cálculo  Diferencial  e

 

Integral (limites e continuidade de uma função, conceito de derivada e integral

 

 

indefinida e definida, técnicas básicas de derivação e integração)

 

 

 

bibliografia Básica

 

HARIKI,  Seiji;  ABDOUNUR, Oscar  João. Matemática aplicada:  administração, economia, contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2010. 468 p.

 

 

LEITHOLD,  Louis.  Matemática  aplicada  à  economia  e  administração.  São

 

Paulo: Harbra, 2001. 500 p

 

 

 

SILVA, Sebastião Medeiros da; SILVA, Elio Medeiros da; SILVA, Ermes Medeiros da. Matemática: para os cursos de economia, administração, ciências contábeis.

6.ed. São Paulo: Atlas, 2010. v.1. 296 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar

 

CHIANG, Alpha. Matemática para economistas. Sao Paulo: Makron Books, 2004.

 

684 p.

 

 

 

FLEMING, Diva Maria; GONÇALVES, Mirian Buss Gonçalves. Cáculo A: funções limite derivação integração. 5. ed rev. ampl. São Paulo: Makron books, 1992. 617 p.

 

 

HOFFMANN, Id. Calculo: um curso moderno e suas aplicações. LTC, Rio de janeiro,1999.

 

 

SILVA, Sebastião Medeiros da; SILVA, Elio Medeiros da; SILVA, Ermes Medeiros da. Matemática para os cursos de economia, administração, ciências contábeis. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997. v. 2. 195 p.

 

WEBER, Jean E. Matemática para economia e administração. 2. ed. Sao Paulo: Harbra, 2001. 658 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

 

Científica

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

Objetivo Geral

 

– Evidenciar a importância da ciência, dois tipos de conhecimentos e métodos, bem como seus usos e finalidade;

 

 

Objetivo Específico

 

– Conceituar os diferentes tipos de conhecimento;

 

– Definir o que é ciência;

 

– Explicar os diferentes tipos de métodos;

 

– Aplicar normas da ABNT em trabalhos acadêmicos científicos.

 

 

 

Ementa: O papel da ciência. Método e técnicas científicas. Conhecimento e tipos de Conhecimento. Redação de Relatório e Resumo de acordo com as Normas Técnicas (ABNT). Metodologia e os tipos de métodos. Citações. Referências de acordo com as normas da ABNT. Pesquisa qualitativa e quantitativa.

 

 

Bibliografia Básica

 

LAKATOS,  Eva  Maria;  MARCONI,  Marina  de  Andrade.  Fundamentos  de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2005. 315 p.

 

 

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22 ed. São

 

Paulo: Cortez, 2002. 335 p.

 

 

 

RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 180 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

CRUZ, Carla; RIBEIRO, Uirá. Metodologia científica: teoria e prática. 2.ed. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil, 2004. 324 p.

VERGARA,    Sylvia    Constant.    Projeto    e    relatórios    de    pesquisa    em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 94 p.

 

 

FEITOSA,  Vera  Cristina.  Redação  de  textos  científicos.  7.  ed.  Campinas: Papitos, 2003. 155 p.

 

 

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. 289 p.

 

 

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 326 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Sociologia                                           Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver uma compreensão ampla das relações sociais inerentes à vida organizacional, permitindo ao estudante perceber-se como sujeito e parte interessada e consciente nessas relações.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Contextualizar historicamente e epistemologicamente o surgimento da sociologia, enfatizando o diálogo com a Administração;

– Explorar analiticamente temas específicos da sociologia: transformações sócio- econômicas, culturais, ambientais e jurídicas das sociedades, tendo em vista a compreensão dos fenômenos;

– Admitir e aceitar a convivência com afro-descendentes;

 

– Entender o processo histórico evolutivo da relação social;

 

– Conscientizar-se da existência dos problemas sociais.

 

 

 

Ementa: Sociologia aplicada a administração: conceitos sociológicos básicos: cultura e sociedade, controle, processos e mudança social. Estratificação social. O indivíduo   e   a   organização.   Organização   formal   e   informal.   Processo   de Organização do trabalho frente aos novos modelos de gestão. Mudança organizacional. Cultura das organizações. Tipos de decisão e processo decisório. As  atitudes  e  os  valores.  Suas  relações  com  o  processo  macrosociais.    O fenômeno da globalização no processo de organização da sociedade.

 

 

Bibliografia Básica:

 

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. 2. ed. São Paulo: Martins

 

Fontes, 1999. 483 p.

 

 

 

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia da administração. São Paulo: Atlas, 1997. 219 p.

 

 

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Sociologia geral. 7. ed rev. ampl. São Paulo: Atlas, 1999. 373 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

CHARON, Joel M. Sociologia. São Paulo: Saraiva, 2004.

 

 

 

DE MASI, Domenico. Desenvolvimento sem trabalho. São Paulo: Esfera, 1999.

 

103 p.

 

 

 

DEMO, Pedro. Introdução a sociologia: complexidade, interdisciplinaridade e desigualdade social. São Paulo: Atlas, 2002

 

 

GALLIANO,  Alfredo  Guilherme. Introdução  á  sociologia.  São  Paulo:  Harbra,

 

1981. MELLO e SOUZA, Marina de. África e Brasil africano. São Paulo: Ática,

 

2006.

 

 

 

MELLO e SOUZA, Marina de. África e Brasil africano. São Paulo: Ática, 2006.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Gestão das Organizações                 Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Desenvolver a  visão dos  alunos sobre as  diferentes formas de  gestão que existem nas organizações.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Desenvolver uma compreensão sistêmica e dinâmica dos processos que sustentam a inovação na empresa;

– Desenvolver a visão sistêmica da gestão a partir dos fundamentos de excelência adotados nos modelos internacionais e nacionais para avaliação da gestão nas organizações;

– Explorar e conhecer as principais práticas de gestão, bem como os respectivos resultados, aplicados em organizações.

 

 

Ementa: Sistemas organizacionais. Organizações de aprendizagem. Processos organizacionais. Desempenho organizacional. Estratégias organizacionais. Relações inter-organizacionais e ambiente. Gestão organizacional frente aos novos paradigmas. Temas da  atualidade. Sistemas organizacionais. Organizações de aprendizagem.  Processos  organizacionais. Desempenho  organizacional. Estratégias organizacionais.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CHIAVENATO,  Idalberto.  Introdução  à  teoria  geral  da  administração.  São

 

Paulo: Campus, 2006.

 

 

 

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011. 491 p.

 

 

ROBBINS, Stephen P.  Administração: mudanças e  perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2001. 524 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BATEMAN, Thomas S; SNELL, Scott A. Administração: construindo vantagem competitiva. Tradução Celso A. Rimoli. São Paulo: Atlas, 1998. 539 p.

 

 

DRUCKER, Peter Ferdinand. Prática da administração de empresas. São Paulo: Pioneira, 2003. 382 p. (Biblioteca Pioneira de Administração e Negócios).

 

 

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à administração. 6. ed. São

 

Paulo: Atlas, 2004. 434 p.

 

 

 

MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia de. Teoria geral da administração. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2004. 441 p.

 

 

STONER,  James A  F;  FREEMAN,  R  Edward.  Administração. 5.  ed.  Rio  de

 

Janeiro: LTC, 1999. 533 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Mercado de Capitais                          Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Proporcionar ao discente o conhecimento básico sobre mercado financeiro e de capitais,  suas  estruturas,  funcionamento  e  a  importância  dos  mesmos  na conjuntura econômica e para o desenvolvimento do país, permitindo que o mesmo tenha habilidade para identificar no seu dia-a-dia os conceitos e conteúdos da disciplina transformando-os em ferramentas de gestão e de tomadas de decisões;

 

 

Objetivo Específico:

 

– Fornecer ao aluno conhecimentos básicos sobre o Mercado de Capitais, sua estrutura, funcionamento e seu papel no processo de desenvolvimento econômico;

– Estudar o Mercado de Capitais como fornecedor de recursos para a empresa.

 

 

 

Ementa: Conceitos usuais do mercado de capitais. Mercados financeiros. Sistema Financeiro Nacional. Comércio Internacional. Finanças Internacionais. Blocos Econômicos.  Bolsa de valores. Mercados Futuros. Investimentos no mercado de capitais. Mercado de ações. Avaliação de investimentos. A empresa e o mercado de capitais. Intermediação financeira, mercado de capitais e desenvolvimento econômico nas organizações.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

 

 

339 p.

 

 

 

BRUM, Carlos A. H. Aprenda a Investir em AÇÕES e a Operar na Bolsa Via

 

INTERNET. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda, 2006.

 

 

 

CAVALCANTE,  Francisco;  MISUMI,  Jorge  Yoshio;  RUDGE,  Luiz  Fertinando.

 

Mercado de Capitais-O que é, Como Funciona. Rio de Janeiro: CNB/Campus,

 

2005.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

PINHEIRO, Juliano Lima. Mercado de capitais: fundamentos e técnicas. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2009. 500 p

 

 

BRUM, Carlos A. H. Investindo em ações com estratégia e disciplina. Rio de

 

Janeiro: Ciência Moderna Ltda, 2008.

 

 

 

MELLAGI  FILHO,  Armando;  ISHIKAWA,  Sérgio.  Mercado  financeiro  e  de capitais. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

PINHEIRO, Juliano Lima. Mercado de Capitais: Fundamentos e Técnicas. São

 

Paulo: Atlas, 2005.

 

 

 

TOLEDO, Jorge Ribeiro de. Mercado de Capitais Brasileiro: uma Introdução. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

 

 

3º SEMESTRE

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Direito Empresarial                            Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Ensinar e capacitar o aluno para a utilização de conceitos e princípios de direito, os quais utilizarão como subsídio para assuntos correlatos e outras disciplinas, em nível de graduação e pós-graduação e no decorrer da vida profissional;

– Proporcionar o entendimento dos princípios de Direito Empresarial, abrangendo a evolução histórica, o embasamento doutrinário, os princípios gerais, os conceitos, as  categorias, os  institutos, as  problemáticas teóricas, o  acervo terminológico específico, além das tendências atuais;

– Capacitar o acadêmico a identificar e a diferenciar as diversas relações mantidas necessariamente entre os ramos do Direito, identificando as normas aplicáveis e as características de cada situação, de modo a formular soluções de problemas e questões relevantes;

– Desenvolver senso crítico e reflexivo do acadêmico e despertar seu interesse na pesquisa dos assuntos abordados em aula com apoio de livros disponíveis na biblioteca e artigos da internet.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Proporcionar ao estudante, a oportunidade de identificar os princípios, características e os principais institutos de Direito Empresarial, bem como a adequada aplicação na atividade profissional.

 

 

Ementa:   Atividade empresarial: Direito de Empresa. Fontes. Histórico. Direito Comercial. Matéria de comércio e ato de comércio. Conceito. Matéria empresarial. Elemento de empresa. Classificação. Empresário. Capacidade. Incapacidade. Impedimentos. Direitos e obrigações. Estabelecimento empresarial – Registro de empresa. Propriedade industrial. Marca, patente, modelo de utilidade. Invenção. concorrência desleal. Sociedade empresária. Sociedade limitada. Sociedade anônima e demais. Títulos de crédito. Legislação complementar contemporânea do

 

 

desenvolvimento do programa. Notícias do comércio internacional e do Mercosul. Atividade empresarial e o Código de Defesa do Consumidor. Programa de computador. Lei do software. Direitos autorais.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ALMEIDA, Amador Paes de. Manual das sociedades comerciais (direito de empresa). 19.ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 482 p.

 

 

MARTINS, Fran. Curso de direito comercial: empresa comercial, empresários individuais, microempresas, sociedades comerciais, fundo de comércio. 33.ed. Rio de Janeiro: forense, 2010. 489 p.

 

 

REQUIÃO,  Rubens. Curso  de  direito  comercial. 29.ed. São  Paulo: Saraiva,

 

2010. v.1. 592 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BULGARELLI, Waldirio. Direito comercial. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 276 p.

 

 

 

COELHO,  Fábio  Ulhoa.  Curso  de  direito  comercial:  direito  de  empresa  – empresa e estabelecimento, títulos de crédito. 15.ed. São Paulo: Saraiva, 2011. v.01. 550 p.

 

 

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial: direito de empresa – sociedade. 15.ed. São Paulo: Saraiva, 2011. v.02. 548 p.

 

 

COMPARATO, Fábio Konder. Direito empresarial: estudos e pareceres. São

 

Paulo: Saraiva, 1995. 553 p.

 

 

 

REQUIÃO,  Rubens. Curso  de  direito  comercial. 25.ed. São  Paulo: Saraiva,

 

2007. v.2. 749 p.

 

 

Nome da Disciplina: Estatística                                           Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Fornecer as idéias básicas da metodologia estatística e o instrumental essencial de Estatística para aplicação no aprendizado e na prática da Contabilidade no controle das organizações.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Apresentar a importância do uso de Gráficos e Tabelas, e também como interpretá-los;

– Apresentar a importância do uso de Tabelas de Frequência a partir de um conjunto de dados e suas interpretações;

–   Apresentar   as   Medidas   Descritivas   para   uma   série   estatística,   suas interpretações e suas recomendações;

– Apresentar conceitos básicos sobre Amostragem e Estimação e algumas de suas aplicações;

– Relembrar os principais Métodos de Contagem;

 

– Apresentar o Cálculo de Probabilidades, seus principais teoremas e algumas de suas aplicações;

– Apresentar os principais tipos de Distribuição de Probabilidades e algumas de suas aplicações;

– Estudar os conceitos básicos relacionados à Inferência Estatística;

 

– Apresentar a idéia básica da Correlação e da Regressão Linear e algumas de suas aplicações.

 

 

Ementa: Reprodução e interpretação gráfica. Distribuição de frequências. Medidas de tendência central e Dispersão. Medidas de Assimetria e Curtose. Amostragem e Estimação. Técnicas de contagem. Cálculo de probabilidade. Distribuição de probabilidade. Interferência estatística. Correlação e Regressão Linear.

 

 

Bibliografia Básica:

 

FONSECA,   Jairo   Simon   da;   MARTINS,   Gilberto   de   Andrade.   Curso   de estatística. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 320 p.

 

 

SILVA,  Ermes  Medeiros  da  et  al.  Estatistica:  para  os  cursos  de  economia, administração e ciências contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1. 188 p.

 

 

SILVA,  Ermes  Medeiros  et  al.  Estatistica:  para  os  cursos  de  economia, administração e ciências contábeis. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008. v. 2. 195 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

DOWNING, Douglas; CLARK, Jeffrey. Estatística Aplicada. 2  ed.  São  Paulo: Saraiva, 2006

 

 

FONSECA, Jairo Simon da; MARTINS, Gilberto de Andrade; TOLEDO, Geraldo

 

Luciano. Estatística aplicada. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1995. 267 p.

 

 

 

MORETTIN, luiz Gonzaga. Estatística Básica. 7ª ed. São Paulo: Makron Books,

 

1999.

 

 

 

STEVENSON,  William  J..  Estatística  aplicada  à  administração.  São  Paulo: Harper & Row do Brasil, 2001. 495 p.

 

 

TOLEDO, Geraldo Luciano; OVALLE, Ivo Izidoro. Estatística básica. 2.ed. São

 

Paulo: Atlas, 2008. 459 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Gestão do Conhecimento                  Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Proporcionar conhecimentos básicos sobre a Gestão do Conhecimento, seus diversos tipos, funcionamento e estruturas.

–  Introduzir os  alunos no  estudo da  Gestão do  Conhecimento como área do conhecimento, mostrando a aplicação de suas funções básicas às Ciências da Informação.

–  Apresentar um panorama da Gestão do Conhecimento (GC), através do exame de suas diferentes abordagens: desde suas origens até os dias atuais.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Apresentar as novas tendências gerenciais e perfis dos profissionais.

 

– Desenvolver nos alunos suficiente juízo crítico para permitir melhores opções futuras quanto à abordagem mais adequada ao tratamento de problemas administrativos.

 

 

Ementa: O que é gestão do conhecimento. Produção do conhecimento. Criação de conhecimento nas organizações. Barreiras organizacionais para a produção de conhecimento   nas   organizações.   Recriando   e   localizando   o   conhecimento difundido. O valor da informação e do conhecimento nas organizações: cultura e comportamento informacional. Inteligência e conhecimento organizacional: criação do conhecimento. Gestão do conhecimento organizacional: modelos, fontes e profissionais do conhecimento.

 

 

Bibliografia Básica:

 

TAKEUCHI, Hirotaka; NONAKA, Ikujiro. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. 320 p.

 

 

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de

 

Janeiro: Campus, 1997.

 

 

 

ALVARENGA NETO, Rivadávia Correa Drummond de. Gestão do conhecimento em organizações: proposta de mapeamento conceitual integrativo. São Paulo: Saraiva, 2008. 236 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ALMEIDA, Mario de Souza; FREITAS, Claudia Regina; SOUZA, Irineu Manoel de. Gestão do conhecimento para tomada de decisão. São Paulo: Atlas.

ALMEIDA, Mário de Souza; FREITAS, Claudia Regina; SOUZA, Irineu Manoel de. Gestão do conhecimento para tomada de decisão. São Paulo: Atlas, 2011. 114 p.

 

 

DAVENPORT,   T.   H.;   PRUSAK,   L.   Conhecimento   empresarial:  como   as

 

 

organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

 

 

 

DRUMMOND, Rivádavia Correa. Gestão do Conhecimento em Organizações – proposta de mapeamento Conceitual integrativo. São Paulo: Saraiva, 2007

 

 

FLEURY, Maria Tereza Leme; OLIVEIRA JUNIOR, Moacir de Miranda (orgs.).

Gestão Estratégica de Conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências . São Paulo: Atlas, 2010. 349 p

 

 

 

 

 

 

Nome     da     Disciplina:     Seminários     e     Tópicos

 

Emergentes

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Levar o acadêmico a refletir sobre os temas atuais que influenciam o cotidiano das organizações diante das áreas da Ciência Contábil.

 

 

Objetivo Geral:

 

– Avaliar a capacidade argumentativa e discursiva em relação aos eventos da área das Ciências Sociais, mais especificamente à contabilidade;

– Ampliar, atualizar e relacionar os diversos conhecimentos específicos da área

 

Contábil.

 

 

 

Ementa: Temas emergentes em Ciências Contábeis e áreas correlatas.

 

 

 

Bibliografia Básica:

 

GARCIA,  Othon  M.  Comunicação em  prosa  moderna:  aprenda  a  escrever, aprendendo a pensar. 20. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009. 539 p.

 

 

POLITO, Reinaldo. Vença o medo de falar em público. 8.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2005.

 

 

 

WRIGHT, C.W. Aprenda a falar em público. [How to speak in public]. Tradução:

 

 

Luísa Ibañes. 4.ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BELTRÃO,   Odacir;   BELTRÃO,   Mariúsa.   Correspondência:   linguagem   &

 

comunicação: oficial, comercial, bancária,particular. 23. ed. . São Paulo: Atlas,

 

2007.

 

 

 

LEAL, José Carlos. A arte de falar em público. 3.ed. Rio de Janeiro: Impetus,

 

2003.

 

 

 

NOBREGA, Maria Helena da. Como fazer apresentações em eventos acadêmicos e empresariais: linguagem verbal, comunicação corporal e recursos audiovisuais.

2.ed. São Paulo: Atlas.

 

 

 

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco. Comunicação científica: normas técnicas para redação científica. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

LAKATOS,  Eva  Maria;  MARCONI,  Marina  de  Andrade.  Fundamentos  de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2005. 315 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Sistemas de Informação                    Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Fornecer as idéias básicas da metodologia estatística e o instrumental essencial de Estatística para aplicação no aprendizado e na prática da Contabilidade no controle das organizações.

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Apresentar  a  importância  do  uso  de  Gráficos  e  Tabelas,  e  também  como interpretá-los;

– Apresentar a importância do uso de Tabelas de Frequência a partir de um conjunto de dados e suas interpretações;

 

 

–   Apresentar   as   Medidas   Descritivas   para   uma   série   estatística,   suas interpretações e suas recomendações;

– Apresentar conceitos básicos sobre Amostragem e Estimação e algumas de suas aplicações;

– Relembrar os principais Métodos de Contagem;

 

– Apresentar o Cálculo de Probabilidades, seus principais teoremas e algumas de suas aplicações;

– Apresentar os principais tipos de Distribuição de Probabilidades e algumas de suas aplicações;

– Estudar os conceitos básicos relacionados à Inferência Estatística;

 

– Apresentar a idéia básica da Correlação e da Regressão Linear e algumas de suas aplicações.

 

 

Ementa: Abordagem sistêmica. Análise de sistemas de informação. Tipologia de sistemas de informação. Tomada de decisão. Níveis gerenciais. Informação operacional e gerencial.

 

 

Bibliografia Básica:

 

FOINA, Pulo Rogério. Tecnologia de informação: planejamento e gestão. São

 

Paulo: Atlas, 2001. 190 p.

 

 

 

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P.. Sistemas de informações gerenciais:

 

administrando a empresa digital. 5.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

 

561 p.

 

 

 

OBRIEN, James A.. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2004. 433 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ANGELONI,  Maria  Terezinha  (org.).  Organizações  do  conhecimento:  infra- estrutura, pessoas e tecnologias. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2008. 363 p.

 

 

CÔRTES, Pedro Luiz. Administração de sistemas de informação. São Paulo:

 

 

Saraiva, 2010. 503 p

 

 

 

FONTES, Edison. Segurança da informação: o usuário faz a diferença. São

 

Paulo: Saraiva, 2006. 172 p.

 

 

 

MATTOS, Antonio Carlos M.. Sistemas de informação: uma visão executiva.

 

2.ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 222 p.

 

 

 

TURBAN,  Efraim;  RAINER  JUNIOR,  R.  Kelly;  POTTER,  Richard  E.. Administração de tecnologia da informação: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elevier, 2005. 618 p.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Intermediária             Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Proporcionar ao aluno condições de classificar corretamente as contas, observando os  grupos, apurar e  destinar o  resultado contábil e  estruturar as Demonstrações Contábeis;

– Capacitar os alunos a reconhecer, interpretar e contabilizar os fatos contábeis originários das operações pertinentes às operações elencadas na ementa, bem como demonstrar tais mutações no patrimônio das entidades.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas empresas.

 

 

Ementa: A contabilidade em face da empresa e dos usuários externos. Princípios e convenções contábeis. A contabilidade fiscal e comercial. Levantamento das demonstrações financeiras e suas etapas. Métodos de avaliação dos elementos patrimoniais. Reavaliações, Incorporação, Fusão e Cisão. Outras demonstrações financeiras: lucros ou prejuízos acumulados, mutações do patrimônio líquido e origens de aplicações de recursos.

 

 

Bibliografia Básica:

 

SCHMIDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos; GOMES, José M. M. Contabilidade

 

Intermediária. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade intermediária. 2.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009. 424 p.

 

 

 

IUDÍCIBUS,  S.  de;  MARTINS,  E;  GELBKE,  E.  R. Manual  de  Contabilidade

 

Societária. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2010.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Curso básico de contabilidade. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso básico de contabilidade: resumo da teoria, atendendo, às novas demandas da gestão empresarial, exercícios e questões com respostas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Intermediária, São Paulo: Saraiva, 2012. RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil, São Paulo: Saraiva, 2002.

PADOVEZE,  Clóvis Luiz. Manual de  Contabilidade Básica, São  Paulo: Atlas,

 

2004

 

 

4º SEMESTRE

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade de Custos                   Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Utilizar a contabilidade de custos como instrumento gerencial de planejamento e controle.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Introduzir os conceitos básicos da Contabilidade de Custos.

 

 

 

Ementa: Fundamentos da Contabilidade de Custos. Sistemas de Acumulação de Custos. Tipos e Classificação dos Custos. Apuração dos Custos Diretos. Custeio dos Materiais aos produtos. Apuração dos Custos de Conversão.

 

 

Bibliografia Básica:

 

LEONE, George Sebastião Guerra. Custos: planejamento, implantação e controle.

 

3.ed. São Paulo: atlas, 2008. 518 p.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 370 p. RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de custo fácil. 7.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BEULKE, Rolando; BERTÓ, Dalvio José. Estrutura e análise de custos. São

 

Paulo: Saraiva, 2001. 328 p

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de custo fácil. 7.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009.

 

 

 

MAHER, Michael. Contabilidade de custos: criando valor para a administração.

 

 

São Paulo: Atlas, 2001. 905 p.

 

 

 

NAKAGAWA, Masayuki. ABC: custeio baseado em atividades. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2007. 95 p.

 

OLIVEIRA, Luís Martins de; PEREZ JUNIOR, José Hernandez. Contabilidade de custos para não contadores. São Paulo: Atlas, 2000. 280 p.

 

 

 

 

 

 

Nome   da   Disciplina:   Cultura   Empreendedora   e

 

Criatividade

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Fornecer  ao  aluno  conhecimentos  básicos  que  o  estimulem  ao empreendedorismo star-up e/ou intra-empreendedorismo;

– Proporcionar ao aluno a formulação de referencial teórico/prático sobre empreendedorismo e a criatividade em ambientes organizacionais.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Proporcionar ao educando de administração uma visão ampla do que vem a ser o empreendedorismo e a cultura que a forja.

 

 

Ementa: Atividade empreendedora. Empreendedorismo e discussão educacional. Empreendedorismo e o empreendedor. Vias empreendedoras. Características empreendedoras. Plano de negócios. Personagens do processo criativo: entendendo a sua criatividade. Estratégias para criatividade.

 

 

Bibliografia Básica:

 

BOM ANGELO,Eduardo. Empreendedor corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

 

 

DEGEN, Ronald Jean. O empreendedor: empreender como opção de carreira. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

 

 

CHIAVENATO,    Idalberto.    Empreendedorismo:    dando    asas    ao    espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva, 2006. 278 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

SALIM, Cesar Simões et al.  Administração empreendedora: teoria e prática usando estudos de casos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 226 p.

 

 

DOLABELA, Fernando. O segredo de Luiza. São Paulo, Cultura, 1999.

 

 

 

MINTZBERG,  Henry.  Criando  organizações  eficazes:  estrutura  em  cinco configurações. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2003. 334 p.

 

 

PORTER,  Michael.  Competição:  estratégias  competitivas  essenciais.  Rio  de

 

Janeiro, Campus, 1999.

 

 

 

WOILER, S.; MATHIAS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. São

 

Paulo: Atlas, 1996.

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Introdução a  Administração de

 

Recursos Humanos

 

Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Apresentar o novo perfil, as novas características e as novas tendências dos recursos humanos nas organizações

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Desenvolver conceitos relacionados ao  novo  papel  da  gestão  das  relações humanas e organizacionais;

–   Desenvolver   e   aprimorar   competências   valorizadas   pelas   organizações modernas.

 

 

Ementa:  A  administração  de  Recursos  Humanos.  Recrutamento  de  pessoal.

 

 

Seleção de pessoal. Treinamento e Desenvolvimento de pessoas. Administração de salários. Benefícios e serviços sociais. Avaliação do desempenho. Higiene e segurança do trabalho. Relações trabalhistas.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação à administração de recursos humanos. 4. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2012. 178 p.

 

 

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

 

 

FRANÇA,  Ana  Cristina  Limongi.  Práticas  de  recursos  humanos  –  PRH:

 

conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas, 2011.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

CARVALHO, Antonio Vieira de; NASCIMENTO, Luiz Paulo do; SERAFIM, Oziléia Clen Gomes. Administração de recursos humanos. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

 

 

CHIAVENATO,  Idalberto.  Recursos  humanos:  o  capital  humano  nas organizações. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

 

 

LACOMBE, Francisco. Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2005.

 

 

CHIAVENATO, Idalberto. Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal: como agregar talentos à empresa. 7.ed. Barueri, SP: Manole , 2009. 176 p. (Série Recursos Humanos).

RIBEIRO, Antonio de Lima. Gestão de pessoas. São Paulo: Saraiva, 2005.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Psicologia                                           Carga Horária: 40 h/a

 

 

Objetivo Geral:

 

–   Contribuir   para   a   formação   do   futuro   profissional   da   contabilidade   e administração de empresas, fornecendo- lhe subsídios para o seu ingresso e permanência nas organizações, através de uma visão ampliada pelos conceitos da Psicologia, desempenhando papéis de liderança, apresentando soluções criativas para os problemas organizacionais, discernindo prioridades com dinamismo, objetividade, responsabilidade e ética (organizacional e social).

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Conhecer a  contribuição das ciências humanas e  sociais, em particular da

 

Psicologia, para a compreensão do comportamento humano nas organizações;

 

– Compreender as principais teorias e conceitos psicológicos que contribuem para a delimitação do comportamento humano nas organizações;

–  Desenvolver um processo reflexivo e  crítico sobre os aspectos psicológicos intervenientes nas organizações;

– Apresentar teorias sobre grupo, desenvolvimento grupal e relacionamento interpessoal;

– Desenvolver habilidades de trabalho em grupo;

 

– Apresentar noções de motivação;

 

 

 

Ementa: A Constituição da Psicologia como Ciência. A Relevância da Psicologia para a Administração. Principais teorias psicológicas  aplicadas às organizações. A relação entre a Administração como ciência social aplicada e a Psicologia como ciência do comportamento humano. Comportamento Organizacional. As relações grupais – Comunicação, Motivação e Liderança. A busca do ajustamento e da produtividade. Saúde Mental e trabalho

 

 

Bibliografia Básica:

 

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 529 p.

 

 

MINICUCCI, A. Psicologia aplicada à administração. São Paulo, Atlas, 1995.

 

 

BERGAMINI,   Cecília   Whitaker.   Psicologia   aplicada   a   administração   de empresas: psicologia do comportamento organizacional. 4.ed. São Paulo: Atlas,

2005. 197 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BLANCHARD, H. Psicologia para administradores: Teorias e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986

 

 

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi.

 

Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 14. ed. São Paulo: Saraiva,

 

2008. 368 p.

 

 

 

AGUIAR, Maria Aparecida Ferreira de. Psicologia aplicada à administração:

 

uma abordagem multidisciplinar. São Paulo: Saraiva, 2005. 423 p.

MINICUCCI, A. Técnicas de trabalho de grupo. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001. MINICUCCI, Agostinho. Dinâmica de grupo: teorias e sistemas. 5.ed. São Paulo:

 

Atlas, 2002. 313 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Legislação Social                             Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Dotar o acadêmico de uma visão ampla da Legislação Social, conhecendo a legislação trabalhista e previdenciária, direitos e obrigações, além de integrar com outras disciplinas do curso.

– Integrar o Direito Trabalhista e Previdenciário às atividades empresariais.

 

–  Capacitar o  acadêmico a  identificar problemas e  propor  soluções ao  caso concreto.

– Desenvolver senso crítico e reflexivo do acadêmico atinentes ao exercício da profissão, bem como fenômenos sociais e atuais das relações empresariais.

– Despertar o interesse do acadêmico em pesquisa dos assuntos abordados em

 

 

aula com apoio de livros disponíveis na biblioteca e artigos da internet.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Compreender  os  aspectos  históricos  e  estruturais  do  Direito  Trabalhista  e

 

Previdenciário.

 

– Identificar e memorizar os direitos básicos do trabalhador e do segurado da

 

Previdência Social.

 

–   Conhecer   direitos   e   obrigações   da   sociedade   empresária   e   de   seus empregados.

– Compreender e identificar os direitos e obrigações dos segurados. Conhecer e valorizar a Legislação Social

 

 

Ementa: Direito do trabalho.   Contrato de trabalho. Noções sumárias sobre a justiça e o processo do trabalho. Previdência social. Acidentes do trabalho, segurança e higiene. Dissídios trabalhistas individuais e coletivos. Terceirização.

 

 

Bibliografia Básica

 

DOWER, Nelson Godoy Bassil. Instituições de direito público e privado. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 440p.

 

 

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 364 p.

 

 

PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Manual de direito do trabalho. 17. ed. rev. e atual. São Paulo: Método, Rio de Janeiro: Gen, 2013. 556 p.

Bibliografia Complementar:

 

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto- lei/Del5452.htm>.

 

 

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciação ao direito do trabalho. 34. ed. São

 

Paulo: LTr, 2009. 588 p.

 

 

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 27.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2010. v.2. 807 p.

 

 

 

OLIVEIRA, Aristeu de. Rescisão do contrato de trabalho: manual prático. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 264 p.

 

 

GONÇALES,  Odonel  Urbano. Manual  de  direito  previdenciário. 11.ed.  São

 

Paulo: Atlas, 2005. 288 p

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Matemática Financeira                     Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Estudar as formas de evolução do dinheiro com o tempo nas aplicações e pagamentos de empréstimos, através de modelos que permitam avaliar e comparar o valor do dinheiro em diversos pontos do tempo, sendo necessário estabelecer uma linguagem própria para designar os diversos elementos que serão estudados.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Rever o conceito de porcentagem;

 

– Estudar a Nomenclatura utilizada na Matemática Financeira (Conceitos Básicos);

 

– Estudar a Equação Fundamental da Matemática Financeira;

 

– Estudar a construção Fluxos de Caixa de operações financeiras;

 

– Estudar o regime de Capitalização Simples;

 

– Estudar o regime de Capitalização Composta;

 

– Estudar as diferentes Taxas de Juros (equivalente, proporcional, real, nominal, efetiva, bruta e líquida);

– Estudar Desconto de Títulos;

 

– Estudar a Equivalência de Capitais;

 

– Estudar Séries de Pagamentos e/ou Recebimentos;

 

– Estudar os modelos básicos de Sistemas de Amortização de Dívidas (SAC,

 

 

PRICE e SAM);

 

– Estudar noções básicas sobre Análise de Investimentos; e

 

– Estudar o uso de Calculadoras e Planilha Excel na Matemática Financeira.

 

 

 

Ementa: Fundamentos da matemática financeira. Capitalização: juros simples e compostos. Desconto de  Títulos.  Taxas:  Efetiva,  Real,  Nominal, Proporcional, Equivalente, Bruta e Líquida. Equivalência de capitais. Séries de Pagamentos e/ou Recebimentos.  Sistemas  de  Amortização  de  Dívidas  (SAC,  PRICE  e  SAM). Noções de Análise de Investimento. Uso de calculadora e Planilha Excel

 

 

Bibliografia Básica

 

ASSAF NETO, Alexandre. Matemática financeira e suas aplicações. 9. ed. São

 

Paulo: Atlas, 2006. 448 p.

 

 

 

VIEIRA SOBRINHO, José Dutra. Matemática financeira. 7. ed. São Paulo: Atlas,

 

2000. 409 p.

 

 

 

VERAS, Lilia Ladeira. Matemática financeira: uso de calculadoras financeiras, aplicações ao mercado, introdução à engenharia econômica, 300 exercícios resolvidos e propostos com respostas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 260 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

MATIAS, Washington Franco. Matemática financeira. São Paulo: Atlas, 1996.

 

455 p. com mais de 600 exercícios resolvidos e propostos.

 

 

 

ARAÚJO,    Carlos    Roberto    Vieira.    Matemática    financeira:    uso    das minicalculadoras HP-12C e HP-19BII. São Paulo: Atlas, 1993. 325 p.

 

 

PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática financeira: objetiva e aplicada. 7.ed. São Paulo: Saraiva, 2004. 410 p.

 

 

FRANCISCO, Walter de. Matemática financeira. 7. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

 

319 p.

 

 

CRESPO, Antônio Arnot. Matemática financeira fácil. 14.ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009. 255 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Comercial                  Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver habilidades e competências necessárias para o entendimento e a utilização da contabilidade comercial para atender ao seu fim  que e  oferecer informações sobre a  composição do patrimônio e  suas variações, bem como conhecer o resultado da atividade mercantil.

– Contribuir  para  a  capacitação  dos  alunos  quanto  às  principais  conotações pertinentes  as  Sociedades  Empresariais,  favorecer  o  entendimento  do  aluno a  respeito das normas legais referentes à escrituração contábil comercial.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas empresas.

 

 

Ementa: Contabilidade comercial e seu campo de aplicação. Constituição de uma empresa comercial. Contabilização de operações da atividade comercial. Contabilização das operações entre matriz e filial. Impostos  e  taxas  incidentes em operações comerciais. Procedimentos de encerramento do exercício. Declaração de imposto de renda – pessoa jurídica.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ASSAF   NETO,   Alexandre.  Estrutura  e   análise  de   balanços:  um   enfoque econômico-financeiro: comercio e serviços. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

 

 

INDICIBUS. S. de. Contabilidade comercial. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

 

ANDRADE, E. M. Contabilidade comercial: teoria e prática. São Paulo: Campus,

 

2001

 

 

Bibliografia Complementar:

 

GONÇALVES, E. Contabilidade geral. São Paulo: Atlas, 2004.

 

 

 

IUDICIBUS,  S.  de. Manual  de  contabilidade  das  sociedade  por  ações. São

 

Paulo: Atlas, 2008.

 

 

 

MARION, J. C. Contabilidade empresarial. São Paulo: Atlas, 2005. REQUEIÃO, R. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2003.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade  comercial fácil. 16 ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009.

 

 

5º SEMESTRE

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Gestão e Análise de Custos              Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Capacitar o aluno para uma discussão, análise e compreensão das questões relativas a Gestão de Custos, através da abordagem das diversas metodologias para apuração, análise, controle e gerenciamento dos custos no âmbito empresarial, focando a competitividade.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conhecer a terminologia e correta conceituação dos tópicos relativos à matéria. Conhecer os componentes dos custos industriais bem como diferenciá-los das despesas. Permitir ao aluno visualizar a conjuntura da empresa em um mercado altamente competitivo. Compreender como as abordagens das metodologias de custeio influenciam o controle e a tomada de decisão.

 

 

Ementa: Custos Indiretos de Fabricação – CIF. Taxas pré-determinadas de CIF. Sistemas de Acumulação de custos por ordem de produção. Sistema de acumulação de custos por processo. Introdução baseado em atividades – ABC. Gestão de Custos: objetivos, conceitos e classificações. Apropriação de custos. Sistemas de Custeio. Custos para tomada de decisão. Formação do preço de venda.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CREPALDI,  Silvio  Aparecido.  Contabilidade  gerencial:  teoria  e  prática.  São

 

Paulo: Atlas, 1998. 273 p.

 

 

 

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2001. (atualizado 9 ed.. 2003)

 

 

MAHER, Michael. Contabilidade de custos: criando valores a administração. São

 

 

Paulo: Atlas, 2001

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

JUDICIBUS, Sérgio de. Análise de custos. São Paulo: Atlas, 1993

 

 

 

BEULKE, Rolando; BERTÓ, Dalvio José. Estrutura e análise de custos. São

 

Paulo: Saraiva, 2001. 328 p

 

 

 

WERNKE, Rodney. Gestão de custos: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas,

 

2001

 

 

 

NASCIMENTO, Jonilton Mendes do. Custos: planejamento, controle, e gestão na economia globalizada. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 384 p.

 

 

WERNKE, Rodney. Gestão de custos: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas,

 

2001.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Rural                           Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Conhecer a atividade rural, suas formas de exploração e linhas de financiamento existente para custeio e investimento;

– Entender como se utiliza a contabilidade agrícola, os sistemas de custeio e, obter noções sobre a contabilidade da pecuária;

– Conhecer os tributos que são aplicáveis na atividade rural;

 

– Aplicar a contabilidade como um sistema de geração de informações na atividade agropecuária.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conhecer a atividade rural, suas formas de exploração e linhas de financiamento existente para custeio e investimento;

– Entender como se utiliza a contabilidade agrícola, os sistemas de custeio e, obter

 

 

noções sobre a contabilidade da pecuária;

 

– Conhecer os tributos que são aplicáveis na atividade rural;

 

– Aplicar a contabilidade como um sistema de geração de informações na atividade agropecuária.

 

 

Ementa: Aplicação da contabilidade em atividades rurais. Contabilidade da Pecuária.  Contabilidade Agrícola.  Custos  de  Produção.  Rotina  e  registro  das operações contábeis. Plano de contas. Balanço, Demonstração de Resultados. Leis, normas e tributação aplicáveis à atividade rural.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade rural: uma abordagem decisorial.

 

4.ed. São Paulo: Atlas, 2006. 340 p

 

 

 

MARION, José Carlos. Contabilidade da pecuária. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

 

216 p.

 

 

 

RODRIGUES, Aldenir Ortiz et al. Contabilidade rural. 2 ed.. São Paulo: IOB,

 

2012. 310 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

MARION,     José     Carlos     (coord). Contabilidade     e     controladoria     em agribusiness. São Paulo: Atlas, 1996. 222 p.

 

 

FRANCO, H. Contabilidade industrial: com apêndice de contabilidade agrícola.

 

9. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

 

 

 

YOUNG, Lucia Helena B. Atividade rural: aspectos contábeis e tributários. 2 ed. Curitiba: Juruá, 2011.

 

 

MATTOS, Z. P. B. Contabilidade financeira rural. São Paulo: Atlas, 1999. NEPOMUCENO, F. Contabilidade rural e seus custos de produção. 1. ed. lob.

 

 

São Paulo: 2010

 

 

 

 

 

 

Nome    da    Disciplina:    Práticas    Contábeis    em

 

Laboratório

 

Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Promover,  valorizar  e  conscientizar  o  aluno  a  usar  todos  os  recursos  da tecnologia para sua a sua atuação profissional e empresarial. Relacionamento com os sistemas ou softwares da área contábil, produzindo condições para á atuação prática nesse segmento. Utilizar softwares específico da área contábil Cordilheira, com total autoridade das funções contábeis para tornar o trabalho do profissional mais produtivo, e ser capaz de desenvolver, com capacidade crítica analítica para avaliar as implicações organizacionais com a tecnologia da informação.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conscientizar o aluno de uma visão geral da contabilidade e seu relacionamento com os sistemas ou softwares da área contábil, produzindo condições para á atuação prática nesse segmento. Utilizar softwares específico da área contábil Cordilheira, com total autoridade das funções contábeis para tornar o trabalho do profissional mais produtivo, e ser capaz de desenvolver, com capacidade crítica analítica para avaliar as implicações organizacionais com a tecnologia da informação.

 

 

Ementa:   Introdução  aos   conceitos  de   informática.   Utilização   da   Internet. Programas de utilização em escritórios de contabilidade. Editor de textos. Planilhas Eletrônicas.   Vírus   e   Antivírus.   Correio   eletrônico   e   pesquisa   acadêmica. Elaboração de apresentações de relatórios. Elaboração de plano de contas básico. Lançamentos contábeis e relatórios em software específico TRON.

 

 

Bibliografia Básica:

 

CORNACHIONE   Juniorr.,   Edgard   B.   Informática   aplicada   às   áreas   de

 

 

contabilidade, administração e economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 306 p.

 

 

 

CORNACHIONE Jr., Edgard B. Informática: aplicada às áreas de contabilidade, administração e economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. Livro de Exercícios.

 

 

MANZANO, José Augusto N. G.; MANZANO, André Luiz N. G.. Estudo dirigido de microsoft office excel 2003 avançado. São Paulo: Érica, 2004. 246 p. (Série estudo dirigido).

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BRASIL. Ministério da Fazenda. ICMS: Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre prestações de Serviços de transporte interestadual     e     intermunicipal     e     de     comunicação.     Disponível     em:

<http://www.fazenda.mg.gov.br/empresas/impostos/icms/>.

 

 

 

Boletim IOB: Informativo. São Paulo, SP: IOB Publicações jurídicas, 19.

 

 

 

BRASIL. Presidência da República. Decreto-lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943. Consolidações        das         Leis         do         Trabalho.         Disponível         em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm>.

 

 

 

CORNACHIONE JUNIOR, EDGAR B. Informática aplicada as áreas de contabilidade. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

 

 

Manuais de Softwares

 

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Avançada                    Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Propiciar  ao  aluno  conhecimentos  dos  fatos  e  procedimentos  contábeis necessários ao desenvolvimento de avaliação de participações societárias pelos

 

 

métodos de custo e de equivalência patrimonial;

 

– Capacitar o aluno para desenvolver a constituição de provisões, reservas e outras formas de participações nos lucros, face à legislação pertinente;

– Definir os critérios necessários para elaboração e análise das demonstrações contábeis consolidadas, evidenciando sua utilização como instrumento gerencial;

– Apresentar e discutir os procedimentos para a elaboração de correção monetária integral das demonstrações no âmbito da legislação vigente;

– Incentivar a pesquisa envolvendo teorias e práticas com elo entre as disciplinas básicas e as específicas do curso mediante participação com espírito crítico e visão de globalidade e hábitos de convivência.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas empresas.

 

 

Ementa:  Demonstração de  valor  agregado.  Balanço  Social.  Valor  econômico agregado.  Relatórios  da  administração:  elaboração  e  publicação  de Demonstrações Contábeis. Operações entre Matriz e Filiais. Fusão, Incorporação, Consolidação de  Balanços, Cisão, Transformação e  Liquidação de Entidades: Aspectos Contábeis.

 

 

Bibliografia Básica:

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade avançada. São Paulo: Saraiva, 2007.

 

 

 

IUDÍCIBUS,  S.  de;  MARTINS,  E;  GELBKE,  E.  R. Manual  de  Contabilidade

 

Societária. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2010.

 

 

 

NEVES, S. VICECONTI, P. E. V. Contabilidade avançada e análise das demonstrações financeiras. 8. ed. São Paulo: Frase, 1999.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Contabilidade avançada: textos exemplos e exercícios resolvidos. 1ª edição São Paulo: Atlas, 1997.

 

 

 

 

PEREZ JUNIOR, José Hernandez, OLIVEIRA, Luís Martins. Contabilidade avançada: texto e testes com as respostas. 5ª edição São Paulo: Atlas, 1997.

 

 

NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade avançada e análise das demonstrações financeiras. 15.ed. São Paulo: Frase editora, 2007. 672 p.

 

 

MULLER, Aderbal Nicolas; SCHERER, Luciano Márcio. Contabilidade avançada e internacional. São Paulo: Saraiva, 2009. 168 p.

 

 

MARION, José Carlos; REIS, Arnaldo. Contabilidade avançada: para concursos públicos e cursos de graduação de ciências contábeis. São Paulo: Saraiva, 2006.

366 p

 

 

 

 

 

 

Nome     da     Disciplina:     Orientação     de     Estágio

 

Supervisionado I

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivos da disciplina:

 

–  Proporcionar  ao  aluno  a  realização  de  trabalhos  práticos,  na  área  de contabilidade aplicada ao setor publico e privado

 

 

Ementa: Desenvolvimento de rotinas e procedimentos inerentes à atividade do contador.

 

 

Bibliografia Básica:

 

LAKATOS, E. M . e MARCONI; M. A. Fundamentos de metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2005.

 

 

CONSELHO  FEDERAL  DE  CONTABILIDADE.  Princípios  Fundamentais  de

 

Contabilidade  e  Normas  Brasileiras  de  Contabilidade.  Resolução  CFC  n.º

 

750/93. Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº

 

 

1111/07. Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade (PC).  (Redação dada pela

 

Resolução    CFC    nº.    1.282/10).    Brasília:CFC,    2010.    Disponível    em:

 

<http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?codigo=1993/000750>.

 

 

 

Revista Brasileira de Contabilidade – RBC: Conselho Federal de Contabilidade. Brasília: Conselho Federal de Contabilidade.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

NORMAS  DO  TCC  DE  CONTABILIDADE  DA  FACHASUL  .Disponível  em:

 

<http://www.fachasul.com.br/normas-tcc-ciencias-contabeis/>.

 

 

 

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE CONTABILIDADE   DA FACHASUL. Disponível em: <http://www.fachasul.com.br/regulamento-de-estagio- supervisionado-ciencias-contabeis/>.

 

 

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração:  guia  para  estágios,  trabalhos  de  conclusão,  dissertações  e estudos de cas. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2005. 308 p

 

 

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2011. 296 p. (Coleção docência em formação – Série saberes pedagógicos).

 

 

AZEVEDO, Claudia Rosa; NOHARA, Jouliana Jordan. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma: inclui normas atualizadas da ABNT, TCC, TGI, trabalhos de estágio, MBA, dissertações, teses. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2006. 193 p.

 

 

MARION, José Carlos; DIAS, Reinaldo; TRALDI, Maria Cristina. Monografia para os  cursos  de  administração, contabilidade e  economia. São  Paulo: Atlas,

2002. 132 p

 

 

6º SEMESTRE

 

 

 

 

 

 

Nome  da  Disciplina:  Contabilidade  de  Sociedades

 

Cooperativas

 

Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Transmitir os conhecimentos básicos de sociedades cooperativas.

 

 

 

Objetivo Especifico:

 

– Demonstrar a evolução do cooperativismo;

 

– Compreender todos os processos do cooperativismo;

 

– Identificar os aspectos tributários e fiscais de sociedades cooperativas.

 

 

 

Ementa:  Definição  de  cooperativa.  Evolução  do  cooperativismo.  Formas  de constituição das cooperativas. Aspectos tributários. Prestação de contas.

 

 

Bibliografia Básica:

 

SANTOS, Ariovaldo dos; GOUVEIA, Fernando Henrique Câmara; VIEIRA, Patrícia dos Santos. Contabilidade das sociedades cooperativas. 1ª Ed. São Paulo: Atlas 2008.

 

 

POLONIO, Wilson Alves. Manual das sociedades cooperativas. 2ª Ed.  São

 

Paulo: Atlas 1999.

 

 

 

AZEVEDO, Omar Reis; SENNE, Silvio Helder Lencioni. Obrigações fiscais das entidades sem fins lucrativos e sociedades cooperativas. 1ª Ed. São Paulo: Thonson IOB 2006.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso de contabilidade. 4ª Ed. São Paulo: Atlas

 

2003

 

FILHO, Cícero Virgulino da Silva. Cooperativas de trabalho. 1ª Ed. São Paulo:

 

 

Atlas 2002.

 

 

 

SANTOS, José Luiz dos, SCHMIDT, Paulo. Contabilidade societária. 2ª Ed. São

 

Paulo: Atlas 2007.

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade básica. 1ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005

 

 

 

MARTINS, Sergio Pinto. Cooperativas de trabalho. 3.ed. São Paulo: atlas, 2008.

 

152 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Pública                        Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Conhecer a contabilidade pública, seu patrimônio e orçamento, bem como, a organização político brasileira.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Identificar os regimes contábeis, receitas e despesas existentes;

 

– Compreender a diferença entre os sistemas contábeis existentes: orçamentário, financeiro e patrimonial do setor público;

– Compreender a Gestão e Orçamento Público.

 

 

 

Ementa: A Contabilidade das Instituições Públicas e o campo de sua aplicação. Orçamento. Receita e  Despesa Pública. Patrimônio Público. Plano de Contas único. Gestão. Registros. Orçamento Público. Licitações, empenho, tribunal de contas. O controle do orçamento e finanças.

 

 

Bibliografia Básica:

 

KAHOMA, Heilio. Contabilidade pública: teoria e prática. 14. ed. São Paulo: Atlas,

 

2014. 352 p.

 

 

 

SILVA, Lino Martins da. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo.

 

 

9. ed. São Paulo: Atlas, 2011. 383 p.

 

 

 

GIACOMONI, James. Orçamento público. 14.ed. São Paulo: Atlas, 2007. 365 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ANGÉLICO, João. Contabilidade pública. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2006. 271 p.

 

 

 

ARAUJO, Inaldo; ARRUDA, Daniel. Contabilidade pública: da teoria a prática. São Paulo: Saraiva, 2004.

 

 

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos; ARRUDA, Daniel Gomes; BARRETTO, Pedro Humberto Teixeira. O essencial da contabilidade pública: teoria e exercícios de concurso públicos resolvidos. São Paulo: Saraiva, 2009.

 

 

PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade pública: uma abordagem da administração financeira pública. 9.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

 

PADOVEZE, Clóvis Luís. Manual de contabilidade básica: uma introdução à prática contábil. 9.ed. São Paulo: Atlas, 2014. 392 p.

 

 

 

 

 

 

Nome   da   Disciplina:   Contabilidade   Aplicada   ao

 

Terceiro Setor

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver habilidades e otimizar a eficácia das organizações do Terceiro Setor da Região através das práticas contábeis

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade aplicados nas organizações do terceiro setor

 

 

Ementa:    Contabilidade  aplicada  ao  terceiro  setor.  Aspectos  conceituais  do terceiro setor. Constituição e funciona mento de organização do terceiro setor. Tributação do terceiro setor. Sistema de contabilidade. Contabilização de eventos econômicos no  terceiro setor. Exemplos práticos. Evidenciações contábeis na organização do terceiro setor.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ALBUQUERQUE, Antonio Carlos Carneiro. Terceiro setor: História e Gestão de

 

Organizações. São Paulo: Summus Editorial, 2006.

 

 

 

VOLTOLINI, Ricardo. Terceiro setor: Planejamento e Gestão. 2. ed. São Paulo: SENAC – SP, 2004.

 

 

HELENA, Eloisa. Terceiro setor. gestão e controle social. São Paulo: Saraiva,

 

2010.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

PIMENTA, Solange Maria; SARAIVA, Luiz Alex Silva; CORRÊA, Maria Laetitia. (ONGs). Terceiro setor: dilemas e polêmicas. São Paulo: Saraiva, 2006.

 

 

RENEDO, Juan; CARLINI, Airton. Marketing aplicado às ONGs: Como Captar

 

Recursos e Valorizar a Marca da sua Instituição. São Paulo: Canal Aberto, 2007.

 

 

 

MONTANO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

 

 

CABRAL, Eloisa Helena de Souza. Terceiro setor: gestão e controle social. São

 

Paulo: Saraiva, 2007. 229 p.

 

 

 

QUINTEIRO, Eudosia Acuna. Um sensível olhar sobre o Terceiro Setor. São

 

Paulo: Summus Editorial, 2006.

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Societária                   Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver habilidades e otimizar a eficácia das organizações societárias da região, através das práticas contábeis.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Prover aos alunos, de uma forma clara e objetiva, os conceitos teóricos e práticos básicos da contabilidade, aplicados nas organizações societárias

 

 

Ementa: Aspectos conceituais. Constituição e funcionamento de organização societária, tributação. Sistema de contabilidade. Exemplos práticos. Evidenciações contábeis na organização societária.

 

 

Bibliografia Básica:

 

SANTOS, José Luiz dos; SCHMIDT, Paulo. Contabilidade societária. 3.ed. São

 

Paulo: Atlas, 2009. 484 p

 

 

 

VICECONTI,  Paulo  Eduardo  Vilchez;  NEVES,   Silvério  das.  Contabilidade societária. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.

 

 

IUDÍCIBUS,   Sérgio   de;   MARION,   José   Carlos.   Introdução   à   teoria   da contabilidade para o nível de graduação. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2002. 288 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BRAGA, Hugo Rocha; ALMEIDA Marcelo Cavalcante. Mudanças contábeis na

 

Lei Societária: Lei nº 11.638, de 28-12-2007. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

 

IUDÍCIBUS,  S.  de;  MARTINS,  E;  GELBKE,  E.  R. Manual  de  Contabilidade

 

Societária. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2010.

 

 

 

ALMEIDA,  Marcelo  Cavalcanti.  Contabilidade  avançada.  São  Paulo:  Editora

 

Atlas, 2007.

 

 

REIS,  Arnaldo;  MARION,  José  Carlos.  Contabilidade  avançada.  São  Paulo: Editora Atlas, 2006.

 

 

HIGUCHI, Hiromi. Imposto de  renda das empresas: interpretação e  prática:

 

atualizado até 10-01-2015. 40. ed. São Paulo: IR PUBLICAÇÕES LTDA, 2015.

 

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Projeto de Iniciação Científica          Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Organizar e elaborar o projeto de pesquisa.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Identificar os elementos essenciais de um artigo científico e de um projeto de pesquisa;

– Planejar as etapas de elaboração de um artigo científico;

 

– Instrumentalizar o aluno a produzir um projeto de pesquisa quantitativa(pesquisa de mercado) e qualitativa.

 

 

Ementa: Conceitos e planejamento de pesquisa para artigo, monografia, dissertação e teses. Metodologia de elaboração do projeto de pesquisa. Escolha de tema para estudo. Planejamento da pesquisa. Elaboração de projeto de pesquisa.

 

 

Bibliografia Básica:

 

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p.

 

 

VERGARA,    Sylvia    Constant.    Projeto    e    relatórios    de    pesquisa    em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 94 p.

 

 

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho

 

 

científico:  procedimentos  básicos,  pesquisas  bibliográfica,  projeto  e  relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 219 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

MARION, José Carlos; DIAS, Reinaldo; TRALDI, Maria Cristina. Monografia para os  cursos  de  administração, contabilidade e  economia. São  Paulo: Atlas,

2002. 132 p.

 

 

 

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 326 p.

 

 

LAKATOS,  Eva  Maria;  MARCONI,  Marina  de  Andrade.  Fundamentos  de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2005. 315 p.

 

 

SEVERINO, Joaquim Antônio. Metodologia do trabalho científico. 21 ed. São

 

Paulo: Atlas, 2000. 279 p.

 

 

FEITOSA,  Vera  Cristina.  Redação  de  textos  científicos.  7.  ed.  Campinas: Papitos, 2003. 155 p.

 

 

 

 

 

 

Nome     da     Disciplina:     Orientação     de     Estágio

 

Supervisionado II

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  Proporcionar  ao  aluno  a  realização  de  trabalhos  práticos,  na  área  de contabilidade aplicada ao setor publico e privado

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Avaliar  a  importância  da  integração  teórica  e  prática,  a  partir  do  trabalho realizada;

– Analisar a realidade da contabilidade na prática aplicada nas empresas públicas e ou privadas.

 

 

 

 

Ementa: Desenvolvimento de rotinas e procedimentos inerentes à atividade do contador, previstas no Regulamento de Estágio Supervisionado da IES.

 

 

Bibliografia Básica:

 

LAKATOS, E. M . e MARCONI; M. A. Fundamentos de metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2005.

 

 

CONSELHO  FEDERAL  DE  CONTABILIDADE.  Princípios  Fundamentais  de

 

Contabilidade  e  Normas  Brasileiras  de  Contabilidade.  Resolução  CFC  n.º

 

750/93. Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº

 

1111/07. Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade (PC).  (Redação dada pela

 

Resolução    CFC    nº.    1.282/10).    Brasília:CFC,    2010.    Disponível    em:

 

<http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?codigo=1993/000750>.

 

 

 

Revista Brasileira de Contabilidade, RBC: Conselho Federal de Contabilidade. Brasília: Conselho Federal de Contabilidade, 2015.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

FAVERO, Hamilton L. Et. Al. Contabilidade: teoria e prática. 2° ed. São Paulo, Atlas, 2008.

 

 

IUDÍCIBUS,  Sérgio  de  e  MARION,  José  Carlos.  Contabilidade  comercial:

 

atualizado conforme o novo código civil. 8ª .ed. – 4 reimpr. São Paulo: Atlas, 2009.

 

 

 

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade intermediária. 2ª Ed. São Paulo: Saraiva,

 

2009

 

 

 

SÁ, Antonio Lopes de. Pratica e teoria da contabilidade geral. Curitiba: Juruá,

 

2009

 

 

 

ACEVEDO, Claudia Rosa; NOHARA, Jouliana Jordan. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma: inclui normas atualizadas da

 

 

ABNT, TCC, TGI, trabalhos de estágio, MBA, dissertações, teses. 2.ed. São Paulo:

 

Atlas, 2006. 193 p.

 

 

 

 

 

 

Nome  da  Disciplina:  Contabilidade  e  Planejamento

 

Tributário

 

Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Apresentar uma visão ampla do Planejamento Tributário Administrativo e Judicial, permitindo ao aluno compreender e interpretar o Sistema Tributário Nacional em seu âmbito Jurídico e Contábil/Fiscal.

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Analisar  a  influência  dos  tributos  vinculando  os  diversos  setores  de  uma empresa, desde as compras de Produtos/Insumos, Processos Internos e posteriores vendas;

– Capacitar o Discente a interpretação e compreensão dos impostos diretos e indiretos e seus reflexos na redução do custo tributário;

–  Propiciar  ao  Discente  uma  Gestão  de  medidas  quanto  ao  Planejamento

 

Tributário para se chegar a um menor custo tributário.

 

 

 

Ementa:   Legislação referente aos tributos federais, estaduais e municipais. A importância do planejamento tributário para as empresas. Cálculos e particularidades dos tributos sobre pessoas físicas e pessoas jurídicas. Comparação e análise entre os regimes tributários, em busca de um menor custo tributário.

 

 

Bibliografia Básica:

 

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária. 11ª Ed. São Paulo: Atlas,

 

2009.

 

 

 

OLIVEIRA,  Gustavo  Pedro  de.  Contabilidade  tributária.  São  Paulo:  Saraiva,

 

2009.

 

 

PEGAS, Paulo Henrique. Manual de contabilidade tributária. Rio de Janeiro, Freitas Bastos, 2009.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

FABRETTI,  Láudio Camargo. Direito  tributário  aplicado:  impostos e contribuições das empresas. São Paulo: Atlas, 2006.

 

 

CASSONE, Vittorio. Direito tributário: fundamentos constitucionais, análise dos impostos, incentivos à exportação, doutrina, prática e jurisprudência. 13.ed. São Paulo: Atlas, 2001

 

 

FABRETTI, Láudio Camargo. Prática tributária da micro e pequena empresa. 4. São Paulo: Atlas, 2000

 

 

FABRETTI,  Láudio Camargo. Direito  tributário  aplicado:  impostos e contribuições das empresas. São Paulo: Atlas, 2006.

 

 

BALEEIRO, Aliomar. Direito tributário brasileiro. Atualizada por Misabel Abreu

 

Machado Derzi. 11.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

 

 

7º SEMESTRE

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Administração Financeira                 Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Conhecer as técnicas relacionadas ao planejamento financeiro;

 

– Compreender o processo de planejamento e controle financeiro, bem como o desenvolvimento dos diversos tipos de orçamentos;

– Fazer análise de investimentos e retornos.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Desenvolver critérios de gestão e análise financeira – planejamento e controle financeiro. Desenvolver o orçamento empresarial. Introduzir os fundamentos de decisões financeiras.

 

 

Ementa: A Função Financeira na Empresa. Demonstrações Financeiras. Demonstração   do   Resultados   do   Exercício.   Análise   das   Demonstrações Contábeis: vertical e horizontal. Situação Financeira. Índices de solvência: geral, corrente, seca e imediata. Gestão de recursos: índices de rotação dos recursos; índices de prazos médios. Análise do Ponto de Equilíbrio. Alavancagem. Critérios de Avaliação de Investimentos: TMR; Payback; VPL; IL; TIR.

 

 

Bibliografia Básica:

 

HOJI, Masakazu. Administração financeira e orçamentária: matemática financeira aplicada, estratégias financeiras, orçamento empresarial. 11.ed. São Paulo: Atlas, 2014

 

 

GROPELLI, A. A.;   NIKBAKHT, Ehsan. Administração financeira. 2.  ed.   São

 

Paulo: Saraiva, 2006.

 

 

 

HOJI, Masakazu. Administração financeira e orçamentária: matemática financeira aplicada, estratégias financeiras, orçamento empresarial. 6. ed. São Paulo: Atlas,

 

 

2008.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

PADOVEZE,  Clóvis  Luís.  Introdução  à  administração  financeira.  São  Paulo: Cengage Learning, 2009.

 

 

ROSS,   Stephen   A.;   WESTERFIELD,   Randolph   W.;   JAFFE,   Jeffrey   F. Administração financeira: corporate finance. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

 

 

SANVICENTE, Antonio Z. Administração financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

 

 

 

SOUZA,  A.;  CLEMENTE, A.  Decisões financeiras e  análise de  investimentos:

 

fundamentos, técnicas e aplicações. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999

 

 

WESTON,  J.  Fred;  BRIGHAM,  Eugene  F.  Fundamentos  da  administração financeira. 10. ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

 

 

 

 

 

 

Nome   da   Disciplina:  Análise   das   Demonstrações

 

Contábeis

 

Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–   Capacitar o aluno para extrair das demonstrações contábeis as informações necessárias para tomada de decisões.

 

 

Objetivo Específico:

 

–  Identificar a diferença entre índices de liquidez, endividamento e lucratividade;

 

– Conhecer os tipos de demonstrações de fluxo de caixa e como se aplicam;

 

– Entender a necessidade da elaboração da demonstração do valor adicionado para acompanhamento das sobras e distribuição dos recursos financeiros.

 

 

Ementa:  Preparação  das  Demonstrações  para  análise.  Análise  Horizontal  e

 

Vertical.   Conceito   e   definição   dos   índices   de   liquidez,   endividamento   e

 

 

lucratividade.  Conceito  e  definição  de  demonstração  do  Fluxo  de  Caixa  e

 

Demonstração do Valor Adicionado.

 

 

 

Bibliografia Básica:

 

ASSAF NETO, A. Estrutura e análise de balanço. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2007. IUDICIBIUS, S. de. Análise de balanços. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2007. MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços. São Paulo: Atlas, 2008.

Bibliografia Complementar:

 

CREPALDI, S. A. Contabilidade gerencial. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

 

OLINQUEVITCH, José Leônidas; SANTI FILHO, Armando de . Análise de balanços para controle gerencial: demonstrativos contábeis exclusivos do fluxo de tesouraria, do fluxo do capital de giro, do fluxo das variáveis empresariais, do fluxo das necessidades líquidas de capital de giro. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

248 p.

NETO, A. A. Estrutura e análise de balanços. São Paulo: Atlas, 2008. SILVA, J. P. da. Análise financeira das empresas. São Paulo: Atlas, 2008. BROM, Luiz Guilherme; BALIAN, Jose Eduardo Amato. Análise de investimentos

 

e capital de giro: conceitos e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2007. 132 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Auditoria Contábil I                            Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Capacitar o aluno a identificar e compreender a importância e necessidade do processo de auditoria nas organizações.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Identificar as normas e procedimentos de auditoria;

 

– Conhecer os tipos de papéis de trabalho e como se aplicam;

 

– Entender a importância do profissional e comportamento ético dos auditores.

 

 

 

Ementa: Definições de conceito e finalidades de auditoria. Perfil ético do auditor. Técnicas, normas e procedimentos da auditoria. Papéis de trabalho do auditor.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ATTIE, William. Auditoria conceitos e aplicações. 5ª edição. São Paulo. Editora

 

Atlas, 2010.

 

 

 

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Auditoria contábil: Teoria e Prática. 4ª edição. São

 

Paulo. Editora Atlas, 2007.

 

 

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria um curso moderno e completo. 6ª

 

edição. São Paulo. Editora Atlas, 2009.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

MULLER, Aderbal N.; PENIDO, Eduardo. Auditoria integral metodologia GAP.

 

1ª edição. Curitiba, Editora Juruá, 2007.

 

 

 

GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria de negócios. 2ª edição. São Paulo. Editora

 

Atlas, 2002.

 

 

 

OLIVEIRA, Jorge Augusto R. de. Curso prático de auditoria administrativa. São

 

Paulo. Editora Saraiva, 2006.

 

 

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: curso moderno e completo. 7. ed. São

 

Paulo: Atlas, 2010. 517 p.

 

 

 

ATTIE, William. Auditoria interna. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009. 281 p.

 

 

8º SEMESTRE

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Controladoria                                      Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Proporcionar ao acadêmico a possibilidade de acesso ao conhecimento na área de controladoria para que compreenda a relevância dos processos de gestão da empresa, seu desenvolvimento e as técnicas de controle presencial.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Compreender quais as informações necessárias, como obtê-las e utilizá-las nas funções de planejamento, controle e decisão;

–  Compreender o  papel da  controladoria e  as  atribuições dos controllers nas empresas.

 

 

Ementa:  Conceito  da  visão  sistêmica  de  empresa.  Gestão.  Planejamento. Controle. Funcionamento e funções dos órgãos da Controladoria.

 

 

Bibliografia Básica:

 

MOSIMANN,  Clara  Pellegrinello;  FISCH,  Sílvio.  Controladoria:  seu  papel  na administração de empresas. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 137 p.

 

 

NASCIMENTO, Auster Moreira; REGINATO, Luciane (Org). Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. São Paulo: Atlas, 2007. 273 p.

 

 

FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo Cesar. Controladoria: teoria e prática.

 

4. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 276 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

PELEIAS, Ivam Ricardo. Controladoria: gestão eficaz utilizando padrões. São

 

Paulo: Saraiva, 2002. 206 p.

 

BRITO, Osias. Controladoria de risco – retorno em instituições financeiras. São

 

 

Paulo: Saraiva, 2003.

 

 

 

MORANTE, Antonio Salvador; JORGE, Fauzi Timaco. Controladoria: análise financeira, planejamento e controle orçamentário. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

MOSCOVE, Stephen; SIMKIN, Mark G.; BAGRANOFF, Nancy A.. Sistema de informações contábeis. São Paulo: Atlas, 2002.

 

 

OLIVEIRA, Antonio Benedito Silva. Controladoria: fundamentos do controle. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Auditoria Contábil II                           Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–  O  acadêmico deverá ser capaz de  entender os  procedimentos de  auditoria aplicando-os no exame das demonstrações contábeis, bem como ser capaz de elaborar os relatórios de auditoria.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Compreender o sentido dos procedimentos de auditoria durante a apuração da veracidade das informações.

 

 

Ementa: Procedimentos de auditoria nas contas do Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. Papéis de Trabalho. Encerramento dos trabalhos de Auditoria (Relatório). Pareceres de Auditoria.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ATTIE, William. Auditoria: conceitos e aplicações. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas,

 

2010.

 

 

 

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria um curso moderno e completo. 7. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

 

 

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos; ARRUDA, Daniel Gomes; BARRETO, Pedro H. Teixeira. Auditoria contábil: enfoque teórico, normativo e prático. São Paulo: Editora Saraiva, 2008.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

OLIVEIRA,  Luis  Martins  de.  [et  tal].  Curso  básico  de  auditoria.  São  Paulo: Editora Atlas, 2008.

 

 

CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria contábil: teoria e prática. São Paulo: Editora Atlas, 2007.

 

 

OLIVEIRA, Paulo Henrique F.C. Amostragem Básica: aplicação em auditoria. Rio de Janeiro: Editora Cadência Moderna, 2004.

 

 

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Princípios fundamentais de contabilidade  e  normas  brasileiras  de  contabilidade.  Resolução  CFC  n.º

750/93. Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº

 

1111/07. Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade (PC).  (Redação dada pela

 

Resolução    CFC    nº.    1.282/10).    Brasília:CFC,    2010.    Disponível    em:

 

<http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?codigo=1993/000750>.

 

 

 

SÁ, Antonio Lopes de. Planos de contas. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2004. 319 p. (Coleção Professor A. Lopes de Sá ; v. 7)

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Perícia Contábil                                  Carga Horária: 80 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Apresentar conceitos relacionados ao trabalho do Perito Contábil, habilitando conhecimentos na  elaboração de  plano  de  trabalho e  laudo  Pericial  Contábil atinentes as Normas Brasileiras de Contabilidade relacionadas ao profissional e a profissão do Perito, preparando-o para a carreira de Perito Contábil Judicial.

 

 

Objetivo Geral:

 

– Compreender a perícia no contexto do Código de Processo Civil;

 

– Entender o papel do perito e dos assistentes técnicos nas perícias judiciais;

 

– Conhecer os fundamentos, as funções e a abrangência da prova pericial;

 

– Direcionar o levantamento de dados para início dos trabalhos da perícia contábil;

 

– Habilitar à formulação de quesitos e elaboração de laudo pericial, baseados em casos práticos;

 

 

Ementa:  Conceitos;  Campo  de  Atuação  e  Fundamentos  Legais  da  Perícia Contábil; Perícia Judicial, Extrajudicial e Arbitral; Princípios e Normas Técnicas de Perícia Contábil; Planejamento dos Trabalhos; Execução dos Trabalhos; Papéis de Trabalho; Laudo Pericial.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ALBERTO, Valder Luiz Palombo. Perícia contábil. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

 

220 p.

 

 

 

NEGRÃO, Theotonio; GOUVÊA, José Roberto F.. Código de processo civil e legislação processual em vigor. 46.ed. São Paulo: Saraiva, 2014. 2282 p.

 

 

ORNELAS, Martinho Maurício Gomes de. Perícia contábil. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. 169 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

HOOG, Wilson Alberto Zappa; PETRENCO Solange Aparecida. Prova pericial contábil: Aspectos práticos & fundamentais. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2001

 

 

MOURA, Ril. Perícia contábil. 2. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2007

 

SÁ, Antônio Lopes de. Perícia contábil. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 389 p.

 

 

 

SCHMIDT Paulo; SANTOS José Luiz dos e GOMES, José Mário Matsumura.

 

Fundamentos de perícia contábil. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

 

 

ZANNA, Remo Dalla. Prática de perícia contábil. 2.ed. São Paulo: IOB Thomson,

 

2007. 544 p.

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade Ambiental                   Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Proporcionar uma visão geral aos alunos de como a contabilidade se insere no contexto da gestão ambiental como geradora de informações para a tomada de decisão tanto interna como extremamente à empresa;

– Discutir os principais objetivos e conceitos da contabilidade ambiental.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Evidenciar as principais diretrizes para a geração de informações ambientais, a evidenciação ambiental e os relatórios ambientais;

– Discutir metodologias de cálculo de eco-indicadores de eficiência.

 

 

 

Ementa: Preocupações ambientais. A informação contábil relacionada aos impactos ambientais. Conceitos contábeis de caráter ambiental. Gasto ambiental. Ativo ambiental. Passivo ambiental. Custo ambiental. Receita ambiental. Perda ambiental.   Balanço   Patrimonial   ambiental.   Demonstrações   do   Resultado ambiental. Eco-indicadores de eficiência. Disclosure ambiental. Relatórios ambientais. Integração dos relatórios ambientais com os sociais.

 

 

Bibliografia Básica:

 

RIBEIRO, Maisa de Souza. Contabilidade ambiental. São Paulo: Saraiva, 2010.

 

 

 

FERREIRA,  Araceli  Cristina  de  Sousa;  SIQUEIRA,  José  Ricardo  Maia  de; GOMES, Monica Zaidan. Contabilidade ambiental e  relatórios sociais. São Paulo: Atlas, 2009.

 

 

FERREIRA, A. C. S. Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atlas, 2011.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

BRAGA, Célia. Contabilidade ambiental: ferramenta para a gestão da sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2007.

 

 

TINOCO, João E.Prudêncio; KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Contabilidade e gestão ambiental. São Paulo: Atlas, 2008.

 

 

SILVA, Benedito Gonçalves da. Contabilidade ambiental: sob a ótica da contabilidade financeira. Curitiba: Juruá, 2008.

 

 

ALBUQUERQUE, José de Lima. Gestão ambiental e responsabilidade social:

 

conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas. 2010.

 

 

 

PAIVA, Paulo Roberto de. Contabilidade ambiental: evidenciação dos gastos ambientais com transparência e focada na prevenção. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso     Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Desenvolver o auto gerenciamento e a assimilação de novas informações obtidas através da já iniciada pesquisa bibliográfica realizada na disciplina de Projeto de Iniciação Científica;

 

 

Objetivo Específico:

 

– Proporcionar ao acadêmico situações nas quais possa analisar, processar e concluir sobre os dados coletados na pesquisa que desenvolve;

– Apresentar flexibilidade intelectual e adaptabilidade contextualizada no trato de situações diversas presentes ou emergentes nos vários segmentos do campo de atuação do profissional.

 

 

Ementa: Pesquisa bibliográfica e/ou de campo. Análise e interpretação dos dados. Redação e defesa do relatório final, conforme previsto em Regulamento de TCC.

 

 

Bibliografia Básica:

 

MARION, José Carlos; DIAS, Reinaldo; TRALDI, Maria Cristina. Monografia para os  cursos  de  administração, contabilidade e  economia. São  Paulo: Atlas,

2002. 132 p.

 

 

 

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22 ed. rev. e ampl. de acordo com a ABNT. São Paulo: Cortez, 2002. 335 p.

 

 

BEUREN,  Ilse  Maria  (org.).  Como  elaborar  trabalhos  monográficos  em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 189 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisas bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001. 219 p.

 

 

CARVALHO, M. Construindo o  saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. Campinas: Papyrus, 1994.

 

 

LAKATOS,  Eva  Maria;  MARCONI,  Marina  de  Andrade.  Fundamentos  de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2005. 315 p.

 

 

SEVERINO, Joaquim Antônio. Metodologia do trabalho científico. 21 ed. São

 

Paulo: Atlas, 2000. 279 p.

 

 

 

VERGARA,    Sylvia    Constant.    Projeto    e    relatórios    de    pesquisa    em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 94 p.

 

 

DISCIPLINAS ELETIVAS

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Libras                                                   Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Instrumentalizar os para o estabelecimento de uma comunicação funcional com pessoas surdas;

– Favorecer a inclusão da pessoa surda no contexto escolar;

 

– Expandir o uso da LIBRAS legitimando-a como a segunda língua oficial do Brasil.

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Promover o conhecimento básico da língua de sinais e sobre o sujeito surdo.

 

 

 

Ementa:   Introdução: aspectos clínicos, educacionais e sócio-antropológicos da surdez. A Língua de Sinais Brasileira – Libras: noções básicas de fonologia, de morfologia e de sintaxe. Estudos do léxico da Libras. Noções de variação. Praticar Libras.

 

 

Bibliografia Básica:

 

QUADROS, Ronice Muller de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre : Artmed, 2008. 126 p.

 

 

CUNHA, Maria Cristina da. Libras: conhecimento alem dos sinais. São Paulo: Pentrice Hall, 2011. 127 p.

 

 

GESSER, Audrei. Libras? Que é essa língua?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda, 2009.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

CAPOVILLA, Fernando Cesar; RAPHAEL, Walkiria Duarte. Dicionário enciclopédico ilustrado trilingue da língua de sinais brasileira: libras. 2.ed. São Paulo: Editora da USP, 2001. v.01.

 

 

CAPOVILLA, Fernando Cesar; RAPHAEL, Walkiria Duarte. Dicionário enciclopédico ilustrado trilingue da língua de sinais brasileira: libras. 2.ed. São Paulo: Editora da USP, 2001. v.02.

 

 

MONTANHER, Heloir; DIEGO, Jeferson; FERNANDES, Sueli. Letramento em libras. Curitiba: IESDE Brasil S.A, 2010. v.01.

 

 

MONTANHER, Heloir; DIEGO, Jeferson; FERNANDES, Sueli. Letramento em libras. Curitiba: IESDE Brasil S.A, 2010. v.02.

 

 

BRANDÃO, Flávia. Dicionário ilustrado de libras: língua brasileira de sinais. São

 

Paulo: Globo, 2011. 719 p

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Filosofia e ética                                 Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

Objetivo Geral:

 

– Compreender e aplicar a ética como responsabilidade profissional e social;

 

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conceber o pensar humano como algo dinâmico e complexo;

 

– Saber se lançar a diante dos desafios profissionais;

 

– Tornar e ser criativo na solução de problemas individuais e coletivos.

 

 

 

Ementa: Historia da filosofia. A origem da filosofia moderna. Racionalismo. Empirismo.  Kant  e  o  idealismo.  O  pensamento  filosófico  atual.  Papel  do profissional no contexto social brasileiro, urbano e  rural. Funções específicas, relações interdisciplinares e  estratégicas de ação do profissional em Ciências Contábeis/Administração.

 

 

Bibliografia Básica:

 

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando:

 

introdução à filosofia. 4.ed. São Paulo: Moderna, 2009. 439 p.

 

 

CAMARGO,  Marculino.  Fundamentos  de  ética  geral  e  profissional.  8.ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

 

 

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 13. ed. São Paulo: Ática, 2008. 424 p.

 

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ARANHA,  Maria  Lúcia  de  Arruda,  MARTINS,  Maria  Helena  Pires.Temas  de

 

Filosofia. São Paulo: Moderna, 2005. 439 p.

 

 

 

BRITO, Adriano Naves de; HECK, José Nicolau(orgs.). Ética e política. Goiânia: UFG, 1997. 292 p.

 

 

GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. São

 

Paulo: Companhia das letras, 1995. 555 p.

 

 

 

GALLO,  Silvio  (coord.).  Ética  e  cidadania:  caminhos  da  filosofia.  10.  ed. Campinas: Papiros, 1997. 111 p.

 

JASPERS,  Karl.  Introdução  ao  pensamento  filosófico.  17.  ed.  São  Paulo: Cultrix, 2006. 148 p.

 

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade e Responsabilidade

 

Social

 

Carga Horária: 40 h/a

 

 

 

 

Objetivo Geral:

 

–   Demonstrar   o   papel   da   Contabilidade   enquanto   ciência   provedora   de informações de natureza social e a sua evidenciação aos usuários externos. Objetivo Específico:

–   Elaborar   os   principais   demonstrativos  que   compõem   os   Relatórios   de

 

Responsabilidade Social;

 

– Avaliar o nível de evidenciação dos Relatórios de Responsabilidade Social.

 

 

Ementa:  Estudo do impacto da atividade econômica na sociedade por meio de projetos de responsabilidade social.    Avaliação de informações que tratam dos propósitos da empresa, políticas desempenho e contribuição de seus projetos sociais evidenciados em seus relatórios de Demonstrações Contábeis.

 

 

Bibliografia Básica:

 

LUCA. Márcia Martins Mendes de. Demonstração do valor adicionado: cálculo da riqueza gerada pela empresa ao valor do PIB. São Paulo. Atlas, 1998.

 

 

KROETZ, César Eduardo Stevens. Balanço social – teoria e prática. São Paulo. Atlas, 2001.

 

 

TINOCO,   João   Eduardo   Prudêncio.   Balanço   Social   e   o   relatório   de sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2010. 261 p.

 

 

Bibliografia Complementar:

 

ALBUQUERQUE, José de Lima. Gestão ambiental e responsabilidade social:

 

conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas. 2010.

 

 

 

IUDÍCIBUS,  S.  de;  MARTINS,  E;  GELBKE,  E.  R. Manual  de  Contabilidade

 

Societária. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2010.

 

 

 

SANTOS, Ariovaldo dos. Demonstração do Valor Adicionado. São Paulo: Atlas

 

 

 

SILVA, César Augusto Tibúrcio e FREIRE, Fátima de Souza. Balanço Social

 

Teoria e Prática. São Paulo: Atlas

 

 

 

TACHIZAWA.    Takeshy.    Gestão    ambiental    e    responsabilidade    social

 

Corporativa. São Paulo: Atlas

 

 

 

 

 

Nome da Disciplina: Contabilidade de Construção Civil   Carga Horária: 40 h/a

 

 

Objetivo Geral:

 

– Promover, valorizar e conscientizar o aluno sobre a importância de aplicar a contabilidade universalmente, porém respeitando as características de cada entidade e de seu tipo de negócio, atividade de Construção Civil, obras, compras, vendas e outras atividades correlacionadas.

 

 

Objetivo Específico:

 

– Conscientizar o aluno sua atuação profissional da construção civil, implicando as características   contábeis,   responsabilidade   jurídica,   folha   de   pagamento, retenções, recolhimentos das contribuições e da GFIP, com estudos de casos que envolve a construção civil e atividade imobiliária.

 

 

Ementa:  Noções  gerais  da  construção civil.  Aspectos  sobre  a  constituição e legalização das empresas. Modalidades de contratos. Resultados de exercícios futuros. Legislação societária e fiscal sobre obras: administração, empreitada e incorporação imobiliária.    Plano de contas, escrituração e demonstrações contábeis.

 

 

Bibliografia Básica:

 

COSTA, Magnus Amaral da. Contabilidade da construção civil e atividade imobiliária. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

 

 

SCHERRER, Alberto Manoel. Contabilidade imobiliária: abordagem sistêmica, gerencial e fiscal. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2015. 190 p.

 

 

OLIVEIRA, Aristeu de. Construção Civil: procedimentos de arrecadação junto ao INSS, Instrução Normativa nº 69, leis mencionadas nos artigos, incisos e parágrafos, São Paulo; Atlas, 2002.

 

 

Bibliografia Complementar

 

IUDÍCIBUS,  S.  de;  MARTINS,  E;  GELBKE,  E.  R. Manual  de  Contabilidade

 

Societária. 1º ed. São Paulo: Atlas, 2010.

 

 

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964. Dispõe sôbre o condomínio em edificações e as incorporações imobiliárias. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L4591.htm>.

 

 

BRASIL. Senado Federal. Decreto nº 85.450, de 4 de dezembro de 1980. Aprova o Regulamento para a cobrança e fiscalização do Imposto sobre a Renda e Proventos           de           Qualquer           Natureza.           Disponível           em:

<http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaNormas.action?numero=85450&tipo_no rma=DEC&data=19801204&link=s>.

 

 

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 8.332, de 26 de dezembro de 1991. Autoriza o Poder Executivo a abrir ao Orçamento Fiscal da União crédito especial até o limite de Cr$ 2.129.316.000,00, para os fins que especifica. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/L4591.htm>.

 

 

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6766.htm>.

 

 

5 METODOLOGIA DE ENSINO DO CURSO

 

 

 

 

A  aula  expositiva  vem  se  caracterizando como  a  principal  estratégia  de  ensino utilizada em cursos da área das Ciências Humanas. No entanto, são exatamente esses cursos que têm desenvolvido suas atividades, com maior frequência, no período noturno, o que exige do professor, maior empenho em diversificar suas estratégias e criar formas especiais para o desenvolvimento de atividades de pesquisa e extensão, haja vista que a grande maioria dos alunos trabalha durante o dia.

 

As práticas pedagógicas  inovadoras constituem-se no arcabouço de oportunidades para que a relação professor aluno seja ampliada. Cada professor tem a liberdade de inovar e  adotar práticas que  resultem no  aumento do  aproveitamento, do  envolvimento e  da participação dos acadêmicos em sala de aula.  Através dessas práticas é possível estimular os alunos nas aulas expositivas.

 

A metodologia utilizada no curso de  Ciências Contábeis da FACHASUL  fundamenta- se  no  ensino-pesquisa-extensão, sendo:  aulas  expositivas,  estudo  de  caso,  aulas  na biblioteca, seminários, oficinas e debates em sala de aula, palestras, laboratórios de informática,   visitas   técnicas,   projetos,   atividades   complementares   e   a   prática   da contabilidade (realizada em escritórios de contabilidade e empresas que possuem departamentos contábeis) através do estágio supervisionado.

 

 

 

 

6 ESTÁGIO SUPERVISIONADO

 

 

 

 

O objetivo principal do estágio curricular do Curso de Ciências Contábeis é criar condições para que o acadêmico apresente, de forma sintetizada, os conhecimentos contábeis adquiridos e vivenciados durante o curso, analisando as informações recebidas, direcionando-as à reflexão crítica em relação ao desenvolvimento das atividades propostas, proporcionando o intercâmbio de informações e experiências concretas, contribuindo para o exercício profissional, por sua vez, desenvolver suas competências e habilidades.

 

 

Como forma de garantir a formação do Contador desejado, capaz de atuar em todos níveis possíveis das organizações, a FACHASUL instituiu os objetivos gerais e específicos do curso de Ciências Contábeis, ora mencionados.

 

Os conhecimentos configurados no currículo envolvem as áreas dos conteúdos essenciais, previstos nas Diretrizes Curriculares Nacionais, assim, para atender os objetivos propostos o currículo contempla conteúdos que atendem os seguintes campos interligados de formação: Conteúdos de Formação Básica, Conteúdos de Formação Profissional, Conteúdos de Formação Teórico-Prática.

 

A programação do estágio supervisionado está inteiramente interligada com as disciplinas de Orientação de Estágio Supervisionado I e II, com os pressupostos da legislação apropriada e regulamento próprio, atende à tendência atual de reservar o 5º e 6º semestres do curso para a sua realização. Contudo, com a finalidade de proporcionar ao acadêmico o contato cada vez mais cedo com a realidade das organizações.

 

O estágio está estruturado, concebido como conteúdo curricular implementador do perfil do contador formado pela FACHASUL, consistindo-se numa atividade obrigatória, mas diversificada,  sendo desenvolvido em empresas  públicas ou privadas;  pequeno, médio ou grande porte ou na Empresa Júnior da Instituição. Ele proporciona ao educando condições reais de trabalho, para aplicação das teorias às práticas contábeis, necessárias à sua formação profissional,  resultando no diagnóstico e na vivência prática de sua profissão e elaboração de um Relatório Final de Estágio. O estágio curricular do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL possui regulamento próprio.

 

 

 

 

7 ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

 

 

 

As Atividades Complementares visam o enriquecimento e aprimoramento curricular, a interação teoria-prática, a aquisição de habilidades e competências, o desenvolvimento do acadêmico,  além  do  acompanhamento  dos  avanços  científicos  e  tecnológicos.     As Atividades Complementares são atividades desenvolvidas extra-classe, consideradas relevantes para a formação do aluno e tipificadas neste Regulamento, lembrando que essas são  componentes  curriculares  obrigatórios,  de  acordo  com  as  Diretrizes  Curriculares,

 

 

Resolução No. 10 de 16 de dezembro de 2004. A tipologia das atividades complementares abrange as modalidades abaixo:

 

 

 

seminários, congressos, simpósios, encontros e similares;

 

viagens de estudos; visitas técnicas; iniciação científica; projetos de extensão; monitoria de ensino; monitoria de pesquisa;

bolsa trabalho;

 

 

 

 

Junior;

 

Participação  como  membro  da  direção  administrativa  da  Empresa

 

 

cursos e treinamentos realizados em empresas (que não configure como estágio curricular) e/ou entidades de formação profissional.

 

No  ano  de  2011,  a  carga  horária  das  Atividades  Complementares do  curso  de Ciências Contábeis foi acrescida de 120 horas para 300 horas, após a atualização da matriz curricular.

 

O Programa de Atividades Complementares para os cursos de graduação da FACHASUL visa organizar o que está previsto no Projeto Pedagógico do Curso e no Plano de  Desenvolvimento Institucional. Atividades  complementares obrigatórias são  definidas como  estudos  independentes e  atividades culturais  extras  curriculares, realizadas  pelo acadêmico em âmbito da instituição ou fora dela, nas relações comuns do trabalho e com a comunidade de modo geral, enfatizando a correlação da teoria com a prática.

 

O programa de atividades complementares dos cursos de graduação da FACHASUL é um componente curricular obrigatório como quesito para obtenção do título de bacharel em Ciências Contábeis.

 

 

Os aproveitamentos destes conhecimentos serão viabilizados pelas normas estabelecidas pela Faculdade de Chapadão do Sul e pelo regulamento específico, devendo contemplar os seguintes elementos:

 

os  mecanismos efetivos  de  acompanhamento e  de  cumprimento de atividades complementares obrigatórias;

 

os  critérios  para  elaboração  dos  relatórios  e   aproveitamento  de atividades realizadas como atividades complementares obrigatórias;

 

relação professor/aluno na orientação das atividades complementares.

 

 

 

 

 

8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

Desde a implantação do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL, para melhor adequar   o   curso   a   realidade   regional   e   às   mudanças   constantes   no   ambiente organizacional, foi implantado o Trabalho de Conclusão de Curso obrigatório em forma de Monografia.

 

O Trabalho de Conclusão de Curso consiste em pesquisa relatada sob a forma de monografia versando sobre as diversas temáticas da Contabilidade e relevando o potencial empreendedor do acadêmico, conforme conhecimentos adquiridos no decorrer do curso, sob orientação de professores da Instituição.

 

“…monografia é o estudo por escrito de um único tema específico, bem delimitado“ (SALVADOR citado por DENCKER, 2000, p. 239).

 

A monografia tem como finalidade estimular a produção científica e consulta a bibliografias especializadas, propiciando aos graduandos oportunidade de demonstrar as habilidades adquiridas, o aprofundamento temático e o aprimoramento da capacidade de interpretação e crítica do conjunto de conhecimentos relacionados à Contabilidade, respeitando os princípios da cientificidade.

 

O Trabalho de Conclusão de Curso até o ano de 2010 foi cursado nas disciplinas de TCC I – Trabalho de Conclusão de Curso I (7º semestre) e TCC II – Trabalho de Conclusão de Curso II (8º semestre), sendo que TCC I era requisito obrigatório para a TCC II.

 

 

Com a atualização da matriz curricular em 2011, o TCC inicia-se na disciplina de Projeto   de   Iniciação   Científica   (6º   semestre),   tendo   sua   orientação   acadêmica  e aplicabilidade a partir no 8º semestre através da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso. O TCC do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL possui regulamento próprio e

é coordenado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso – NTCC.

 

 

 

 

TCC.

 

A grade curricular de 2013 manteve a mesma estrutura da anterior com relação ao

 

 

 

 

 

9  AÇÕES  DECORRENTES  DO  PROCESSO  DE  AVALIAÇÃO  DO CURSO

 

 

 

Tendo por base sua missão institucional a FACHASUL atua de forma estratégica em busca da melhoria do ensino, inovando e adequando a implementação de seu projeto pedagógico. O Curso de Ciências Contábeis apresentou um elevado grau de aceitação em seu primeiro processo seletivo, representando credibilidade para a sociedade e para a Instituição.

 

No ano de 2006, foi realizada a  primeira participação do curso ENADE (Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes), não obtendo a nota de aproveitamento final, pois os alunos selecionados para realização do referido exame, eram somente os alunos ingressantes.

 

Importante destacar que diante da credibilidade e infra-estrutura que a Instituição possui, fez com que a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, no ano de

2006 firmasse parceria para oferecer o primeiro curso de Agronomia nas instalações da FACHASUL. A UFMS ficou instalada por um período de dois anos na IES até o término de sua sede própria.

 

A solicitação de reconhecimento do curso foi feita no ano de 2008, mais a comissão avaliadora realizou a avaliação in loco somente no ano de 2010. O curso participou do ENADE 2009 e obteve o resultado satisfatório da avaliação juntamente com a comissão avaliadora do Ministério da Educação. A nota para o curso foi 3,0.

 

 

No ano de 2012 os acadêmicos do curso participaram do ENADE. O resultado do Conceito Preliminar de Curso – CPC foi 3,0 (três), conforme Portaria nº. 703 de 18 de Dezembro de 2013, publicada no DOU em 19 de Dezembro de 2013.

 

A  FACHASUL  ciente de  sua  responsabilidade social e  imbuída do  propósito de atender suas finalidades e missão institucional de qualificar profissionais para atender a demanda regional, diante sua meta principal que é melhorar a qualidade de ensino do curso realizando investimentos pedagógicos e administrativos, melhoria da adequação na  infra- estrutura, visando o melhor desempenho dos acadêmicos no processo de aprendizagem, e no processo avaliativo do   Exame Nacional de curso, com a finalidade de   alterar o seu Conceito no ENADE, no IDD e no Conceito Preliminar de Curso, realizou as seguintes propostas de melhorias:

 

Criação da política de capacitação docente da FACHASUL; Processo seletivo docente através de edital;

Reformulação do Plano de Carreira Docente;

 

 

 

 

integral;

 

Ampliação  do  regime  de  trabalho  docente  horista  para  regime  parcial  e

 

 

Ampliação do quadro docente com titulação stricto sensu; Readequação do laboratório de informática;

Reformulação do projeto pedagógico do curso, como também, análise, revisão e reestruturação dos ementários das disciplinas do currículo;

 

Reestruturação na composição do Núcleo Docente Estruturante; Reestruturação da Comissão Própria de Avaliação;

Sistematização da disponibilização dos planos de ensino da disciplinas aos discentes através do Sistema Educacional Integrado – SEI;

 

Ampliação do acervo bibliográfico; Abertura do acervo bibliográfico;

Adequação da estrutura física na biblioteca; Oferecimento de capacitação continuada aos docentes;

 

 

Fortalecimento das ações do CAEPE; Programas de nivelamento;

Programa de monitoria;

 

Reestruturação do programa de estágio supervisionado; Reestruturação da Empresa Junior;

Realização de palestras de conscientização da responsabilidade acadêmica na avaliação do curso (ENADE);

 

Visita da coordenação, CPA e NDE em outra IES para troca de experiência;

 

Convênios firmados com empresas do município e região para realização de estágio supervisionado;

 

Aquisição de software para gestão acadêmica, possibilitando o acompanhamento do registro de aulas e frequência online pelos discentes;

 

Criação do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso – NTCC, para dirimir todas as questões inerentes ao Trabalho de Conclusão de Curso – NTCC;

 

Criação do Conselho de Ensino, Pesquisa e  Extensão –  COEPE,  visando fortalecer as atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária;

 

Aquisição de software específico para o laboratório de informática, possibilitando a execução de todas as atividades práticas;

 

Alteração da periodicidade do  Seminário de  Políticas Públicas para  anual, possibilitando o debate e o fortalecimento de políticas afirmativas e de interesse da sociedade,   tais   como:   diversidade   étnico-racional,   sustentabilidade,   educação ambiental, acessibilidade, direitos humanos, entre outros;

 

Criação do Centro Acadêmico, com o intuito do fortalecer a classe estudantil;

 

Aquisição de projetores de multimídia para cada sala de aula, resultando na diversificação de metodologias utilizadas para as aulas.

 

 

10 AVALIAÇÃO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

 

 

 

 

Os  princípios que  norteiam  o  Projeto  Pedagógico apontam  para  a  formação  de profissionais críticos e preparados para agirem no meio social. Nessa perspectiva sócio- interacionista, a avaliação deve ser considerada como processo de mediação na construção do conhecimento.

 

Ressalta-se, ainda, a importância de não se atribuir exclusivamente aos alunos à responsabilidade pelo “fracasso” na aprendizagem. Por isso, a avaliação deverá permitir ao professor uma constante revisão do processo de ensino/aprendizagem, de seus procedimentos  metodológicos,  didáticos  e   pedagógicos.  Proporcionará,  sempre,  um processo contínuo de ação/reflexão/ação, do qual nascerão novos questionamentos e novas posturas diante do ensino e da vida.

 

A visão que a FACHASUL possui para o termo “avaliação” foca-se nos  parâmetros a vinculação da avaliação com o ensino, portanto acredita-se, que a  avaliação deve ser formativa, e não classificatória, punitiva.

 

Concorda-se com Coll (1998, p. 45), quando afirma que: “na medida em que o projeto corresponde a certas intenções, a avaliação é um elemento indispensável que assegura se a ação pedagógica responde adequadamente às mesmas e introduz as correções oportunas em caso contrário”. Dessa forma, a avaliação de aprendizagem passa a ser um instrumento de avaliação do próprio curso.

 

O professor tem um papel mediador entre o conteúdo de sua disciplina e o processo ensino-aprendizagem do aluno. Para efetivar essa mediação, necessário se faz conhecer os assuntos que discute em sala de aula, em profundidade de estudo e  pesquisa, observando estratégias e procedimentos didáticos que melhor consolidam o conhecimento almejado acordado pelo professor/aluno.

 

O curso de Ciências Contábeis não somente adota práticas pedagógicas e métodos de ensino/aprendizagem inovadores, direcionados à garantia da qualidade do curso, como também possui procedimentos alternativos de avaliação que favoreçam a compreensão da totalidade do curso, consolidando o perfil desejado do formando e a sua concepção, aferindo também a importância do caráter e multidisciplinar das ações didáticas e pedagogicamente estruturadas.

 

 

Para a efetiva realização do processo ensino aprendizagem, o professor deve utilizar- se do método que melhor revele o alcance dos objetivos determinados á sua disciplina.

 

A  avaliação do  rendimento dos  acadêmicos do  curso de  Ciências Contábeis da FACHASUL é feita por meio de: no mínimo duas avaliações semestrais obrigatórias e de avaliações continuadas durante o semestre, de acordo com a metodologia adotada por cada professor durante o mesmo e um exame semestral final. A avaliação de rendimentos do curso resume-se em:

 

provas escritas;

 

Provas práticas e teóricas atividades de campo;

apresentação de trabalhos realizados em grupos ou isoladamente;

 

cases;

 

participação   efetiva   aulas   e/ou outras propostas estabelecidas pelos respectivos professores em seus programas de disciplinas e planos de aula;

 

debates;

 

análises de demonstrações contábeis apresentação de seminários; elaboração de resumos ou resenhas; apresentação de projetos;

participação em atividades de extensão e atividades de iniciação científica.

 

 

 

 

Através dessas avaliações, pode-se ter um parâmetro do processo ensino- aprendizagem, e o docente, de posse destes dados pode:

 

avaliar a participação oportuna e efetiva no decorrer das aulas;

 

avaliar  a  participação  do  acadêmico  nas  atividades  em  grupo

 

(projetos, seminários, debates, etc.);

 

avaliar atividades extra-sala de aula;

 

 

avaliar provas escritas;

 

avaliar provas orais;

 

avaliar interesse e assiduidade ás aulas;

 

rever a metodologia didático-pedagógica adotada.

 

Em relação às avaliações escritas, a coordenação do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL, em cumprimento ao seu regimento, até o ano de 2012 fixava as datas para as avaliação semestrais obrigatórias e exames finais.

 

A partir de 2013 as avaliações escritas, sendo estas de acordo com regimento interno da  IES  no  mínimo  de  duas,  são  marcadas  pelos  próprios  docentes,  sendo  que  a coordenação não estipula períodos de avaliações regulares, somente as provas optativas e os exames finais. Também diante das reuniões do NDE e aprovação do colegiado de curso, a partir de 2013 as avaliações de 2ª chamada foram extintas, devido a perda de tempo para as aplicações destas avaliações.

 

Contudo, o acadêmico passa a contar com a avaliação optativa, que possibilita a substituição da menor nota obtida durante o semestre em todas as disciplinas. É obrigatório requerer a avaliação com no mínimo 48 (quarenta e oito horas) antes da prova. A coordenação disponibilizará o horário das avaliações optativas em sala de aula e divulgará as datas no Calendário Acadêmico. A maior nota obtida prevalecerá no boletim acadêmico, caso a avaliação optativa requerida seja menor que a nota das avaliações regulares.

 

Somente consta em calendário acadêmico, os períodos de avaliação optativas e exames finais.

 

A coordenação do curso realizará duas reuniões ordinárias no semestre entre o corpo docente para assuntos didático-pedagógico e o processo ensino-aprendizagem de uma forma geral e específica.

 

Através de um processo contínuo e sistemático, a avaliação de aprendizagem é capaz de oferecer subsídios para reformulação do fazer pedagógico do professor.   Esse processo é garantido através da atuação da coordenação pedagógica em conjunto com a coordenação do curso, seguindo as orientações:

 

 

a avaliação da aprendizagem – processo contínuo e sistemático – leva em consideração o desenvolvimento do aluno e o seu desempenho nas atividades teóricas e práticas;

 

a   avaliação   da   aprendizagem   dá   subsídios   para   a   revisão   e reformulação constantes da proposta de ensino e aprendizagem;

 

a avaliação da aprendizagem, uma vez, sistemática, auxilia na identificação das habilidades, da capacidade de raciocínio e  do perfil do formando;

 

uma  vez  estabelecidos  os  padrões  e  os  resultados  esperados,  os alunos são estimulados à auto-avaliação.

 

 

 

 

10.1 Aproveitamento Acadêmico

 

 

 

 

A verificação do rendimento acadêmico compreende a frequência e o aproveitamento do aluno em cada disciplina, através da Média Final (MF), resultante da Média de Aproveitamento (MA)  calculada pelas  3  (três)  médias  obtidas  através  de  avaliações e trabalhos, bem como nota de Exame Final (EF), se necessário.

 

O docente, responsável pela disciplina, no Plano de Ensino pode programar, além dos trabalhos citados, outros eventos de avaliação, desde que explicitado o seu aproveitamento na sistemática de avaliação da disciplina.

 

O professor submeterá os alunos às formas diversas e continuadas de verificação de rendimento escolar, tais como: relatórios, seminários, trabalhos em grupo, pesquisas bibliográficas e de campo, estudos de caso, e outras formas de avaliação cujos resultados devem culminar com a atribuição de uma nota representativa para compor cada avaliação parcial.

 

Para cada disciplina cursada, ou em cada evento, o professor deve consignar ao aluno graus numéricos de 0,0 (zero vírgula zero) a 10,0 (dez vírgula zero), computados com aproximação até décimo, desprezadas as frações inferiores a 0,05 (zero, vírgula zero cinco) e arredondadas, para 0,1 (zero vírgula um), as frações iguais ou superiores a 0,05 (zero vírgula zero cinco). O mesmo procedimento é adotado no cálculo da Média de Aproveitamento (MA) e da Média Final.

 

 

Ao aluno que não obter a MA, igual ou superior a 7,0 (sete vírgula zero), terá que realizar o exame final.  Deve prestar o Exame Final (EF) o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) e média (MA) igual ou superior a 4,0 (quatro vírgula zero) e inferior a 7,0 (sete vírgula zero). O aluno que, submetido ao Exame Final (EF) obtiver  Média  Final  (MF)  igual  ou  superior  a  5,0  (cinco  vírgula  zero),  é  considerado aprovado.

 

 

 

 

10.2 Frequência as aulas

 

 

 

A frequência às aulas e demais atividades acadêmicas é obrigatória e permitida apenas aos alunos matriculados. O controle e registro de frequência é de responsabilidade do professor. O aluno poderá   faltar sem a obrigação de apresentar justificativa de sua ausência até o  limite de 25,0% (vinte e  cinco vírgula zero) da  carga horária de  cada disciplina que está cursando.

 

 

 

 

10.3 Justificativa de faltas

 

 

 

De acordo com o Regimento Geral da FACHASUL, é permitida a justificativa de faltas apenas àqueles que convocado matriculado em órgão de formação da reserva em exercício ou  manobras;    reservista militar  chamado para  fins  de  exercício de  apresentação das reservas ou cerimônia cívica do Dia do Reservista; militar oficial ou aspirante a oficial da reserva, se convocado para o Serviço Ativo; o acadêmico que participar de congressos científicos ou de competições artísticas ou desportivas, de acordo com a regulamentação ministerial, como também, os alunos com incapacidade física e não mental portadores de doenças infecto-contagiosas e as alunas gestantes.

 

Os  pedidos  da  referida  justificativa  devem  ser  formulados,  junto  à  secretaria acadêmica da FACHASUL, por meio de requerimento, no prazo de três dias contados da data do início do evento.

 

 

10.4 Dependência

 

 

 

 

O aluno que tenha sido reprovado em até três disciplinas no semestre é permitida a matrícula  no  semestre  subsequente, devendo  ele  cursar  as  referidas  disciplinas como dependência.

 

O aluno que tenha sido reprovado em quatro disciplinas no semestre ou acumular quatro ou mais disciplinas no curso, não é permitida a matricula no semestre subsequente, devendo cursar somente as dependências.

 

 

 

 

10.5 Trancamento e Abono

 

 

 

 

De acordo com o Regimento Geral da FACHASUL, o trancamento de matrícula é concedido para efeito interrupção temporária dos estudos e manutenção da vinculação do aluno à Faculdade, e seu direito de renovação de matrícula.

 

O trancamento de matrícula somente é permitido antes de transcorrer 50,0% do tempo útil do período programado para o desenvolvimento das disciplinas, salvo por motivo de força maior, devidamente comprovado. Este deve ser solicitado através de requerimento na secretaria acadêmica e analisado pelo Colegiado de Curso.

 

 

 

 

10.6 Aproveitamento de Estudos

 

 

 

 

O Regimento Geral e o regulamento próprio dispõem  sobre o aproveitamento de  estudos  cursados anteriormente. O  procedimento será  feito  mediante  a  análise  do conteúdo programático, consignando ao aluno a carga horária que foi cursada na instituição de origem.

 

 

11 NÚMERO DE VAGAS À DIMENSÃO CORPO DOCENTE

 

 

 

O curso de Ciências Contábeis da FACHASUL possuía 170 acadêmicos matriculados no primeiro semestre letivo de 2015, sendo que o número médio de alunos por docente em disciplinas do curso é de 14,17 alunos/docente.   A relação de disciplina por docente do primeiro semestre letivo de 2015, evidencia-se no quadro 06.

 

No mês de julho de 2015 o curso constava com 153 acadêmicos matriculados no segundo semestre, sendo o número médio de alunos por docente em disciplinas do curso era de 11,76 alunos/docente, conforme evidencia-se o quadro 07.

 

 

 

Quadro 06 – Relação disciplina/docente no primeiro semestre 2015.

 

 

 

PROFESSOR, TITULAÇÃO e C/H

 

 

DISCIPLINAS

Alessandra Cristina Conforte Silva

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horária: 06 h/a

Economia

 

Orientação de Estágio Supervisionado I Orientação de Estágio Supervisionado II

Anderson Abreu de Jesus

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 04 h/a

Sistemas de Informação

Carlos José Reis de Almeida

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 06 h/a

Instituição do Direito Público e Privado

 

Direito Empresarial

Denir Marcelino de Paula

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 12 h/a

Contabilidade Rural

 

Contabilidade Pública

 

Administração Financeira

Eule José de Oliveira

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 06 h/a

Teoria da Administração

 

Gestão do Conhecimento

Hudson César Golfeto

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 18 h/a

Contabilidade Introdutória

 

Contabilidade Intermediária

 

Contabilidade Avançada

 

 

 

Contabilidade Societária

 

Contabilidade Internacional

 

Contabilidade Gerencial

Luiz Henrique Queiroz Garcia

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 08 h/a

Contabilidade de Sociedades Cooperativas

 

Auditoria Contábil I

Maria Romilda da Silva

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 02 h/a

Antropologia

Nilson da Silva de Souza

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 16 h/a

Práticas Contábeis em Laboratório

 

Contabilidade e Planejamento Tributário Contabilidade aplicada ao Terceiro Setor Análise das Demonstrações Contábeis Contabilidade de Construção Civil

Sandra Cristina Mioto Gouvêa

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 06 h/a

Português Instrumental

 

Projeto de Iniciação Científica

Valmir Ancelmo Dias

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 08 h/a

Fundamentos da Matemática

 

Estatística

 

Gestão e Análise de Custos

Wagner Silvestre Oliveira Garcia

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 02 h/a

Seminários de Tópicos Emergentes

 

 

 

 

 

Quadro 07 – Relação disciplina/docente no segundo semestre 2015.

 

 

 

PROFESSOR, TITULAÇÃO e C/H

 

 

DISCIPLINAS

Alessandra Cristina Conforte Silva

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horária: 04 h/a

Mercado de Capitais

 

Orientação de Estágio Supervisionado II

Anderson Abreu de Jesus

Introdução   à   Administração   de   Recursos

 

 

 

 

 

 

 

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 04 h/a

Humanos

Denir Marcelino de Paula

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 12 h/a

Contabilidade Pública

 

Controladoria

 

Administração Financeira

Driele Borges de Calazan

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 02 h/a

Libras

Eule José de Oliveira

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 04 h/a

Gestão das Organizações

Gilmar Leal Barros

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 12 h/a

Contabilidade e Planejamento Tributário

 

Contabilidade Internacional

 

Perícia Contábil

Hudson César Golfeto

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 16 h/a

Contabilidade Geral

 

Contabilidade Comercial

 

Contabilidade aplicada ao Terceiro Setor

 

Contabilidade Societária Contabilidade Ambiental Contabilidade Gerencial

Márcio Tortelli

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 08 h/a

Contabilidade de Sociedades Cooperativas

 

Análise das Demonstrações Contábeis

 

Auditoria Contábil I Auditoria Contábil II

Priscila Cruz

 

Titulação: Especialista

 

Carga Horário: 04 h/a

Direito Administrativo

 

Legislação Social

Sandra Cristina Mioto Gouvêa

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 06 h/a

Métodos e Técnicas de Pesquisa Científica

 

Projeto de Iniciação Científica

 

Trabalho de Conclusão de Curso

Valéria Lopes dos Santos

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 04 h/a

Sociologia

 

Psicologia

 

 

 

 

 

 

 

 

Valmir Ancelmo Dias

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 08 h/a

Matemática

 

Matemática Financeira

 

Contabilidade de Custos

Wagner Silvestre Oliveira Garcia

 

Titulação: Mestre

 

Carga Horário: 02 h/a

Cultura Empreendedora e Criatividade

 

 

 

 

 

12 ATIVIDADES DE ENSINO, INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO COMPATÍVEIS COM O CURSO

 

 

 

 

12.1 Participação dos Discentes nas Atividades Acadêmicas

 

 

 

 

Dentre as atividades acadêmicas desenvolvidas pelo curso de Ciências Contábeis da

 

FACHASUL, destacam-se:

 

As  Semanas  Acadêmicas,  articuladas  ao  curso,  às  atividades  de extensão a fim de incrementar a participação efetiva do acadêmico nas atividades do

curso;

 

 

 

 

curso;

 

Visitas técnicas, focando assuntos de diversas disciplinas existentes no

 

 

Palestras sobre temas atuais dentro da profissão e perfil do administrador no mercado de trabalho;

 

Participação de acadêmicos na Associação Empresa Júnior da FACHASUL, como forma de incentivo ao estudo acadêmico e também a atuação prática do mesmo em sua profissão.

 

Enfim essas atividades pode ser melhor resumida em:

 

Atividades de extensão: dia da responsabilidade social, trote cultural, tonelada solidária;

 

 

Atividades complementares; Monitorias;

Atividades de pesquisa; Atividades programadas; Debates;

Apresentação de seminários; Eventos científicos; Encontros científicos; Congresso;

Simpósio.

 

 

 

 

 

 

 

12.2 Atividades de Extensão no Curso

 

 

 

 

A FACHASUL oferece aos seus docentes constantemente cursos de capacitação, de forma a garantir a integração do ensino, iniciação científica e extensão, promovendo a extensão como prática acadêmica através de atividades, com o objetivo da interação entre a Instituição e a sociedade, atendendo assim, o compromisso com a comunidade.

 

As atividades de extensão acadêmica conjetura ação em conjunto com a comunidade, prestando auxílio à população através de projetos, pesquisa científica desenvolvidos na Instituição.

 

As atividades de extensão da FACHASUL se desenvolvem através da prestação de serviços à comunidade pelos docentes ou convidados através de palestras, seminários, exposições, mostras científicas, semana acadêmica, dia da responsabilidade social, para contribuir para a formação profissional e contínua dos egressos.

 

Os objetivos da extensão na FACHASUL são:

 

 

Desenvolver programas de extensão, para a integração contínua ao ensino e pesquisa, considerando o compromisso social da FACHASUL;

 

Incentivar processos de aprendizagem em temáticas complacente com os interesses da comunidade, através da juntura entre a produção do conhecimento e o desenvolvimento social;

 

Discutir sobre temas relacionados às áreas dos cursos de graduação e pós-graduação e meditar sobre eles;

 

Atender  as  necessidades  de  aperfeiçoamento  profissional  e crescimento intelectual dos alunos;

 

Elaborar projetos de extensão que contribuam para as transformações sociais, considerando a responsabilidade social;

 

Instituir a formação da prática profissional do corpo discente de acordo com as exigências de mercado, possibilitando a atuação como profissionais qualificados no cenário atual.

 

A extensão no curso tem sido desenvolvida por meio de: Semanas acadêmicas;

Palestras; Visitas técnicas; Empresa Júnior;

Participação em eventos nacionais, regionais; Dia da responsabilidade social;

Trote cultural; Seminários.

 

 

13 ACOMPANHAMENTO DO EGRESSO

 

 

 

 

O  acompanhamento aos  egressos  da  FACHASUL  considera-se  uma  ferramenta estratégica visando a melhoria da qualidade de ensino.

 

Através desta ferramenta, torna-se possível a obtenção de informações relativas a atual situação do egresso no mercado de trabalho. Isto se faz necessário para que a IES e o curso em específico, desenvolva medidas de melhoria no processo decisório para o planejamento do curso, possibilitando a criação de novos cursos como os de pós-graduação e extensão.

 

Os objetivos deste acompanhamento são:

 

Criar indicadores para a monitoria dos egressos do curso de graduação em contabilidade;

 

Levantar informações para alteração da matriz curricular;

 

Promover eventos científicos para que haja reintegração do egresso, docentes, discentes e a comunidade;

 

Manter  um  padrão  de  qualidade  de  ensino  superior,  através  de sugestões de egressos.

 

Para  o  acompanhamento  dos  egressos  se  torna  necessário  a  realização  das seguintes estratégias:

 

Atualização  cadastral  dos  egressos,  levando  em   consideração  a população de amostra dos formandos de cada ano;

 

Contato com os egressos para atualização de informações através de formulários impressos e eletrônicos;

 

Promover oportunidades em eventos científicos em ministrar palestras; Incentivo ao egresso para integrar o quadro docente da IES.

Com o desenvolvimento regional na atividade agrícola, muitos dos egressos do curso

 

de  Ciências  Contábeis  da  FACHASUL    são    preparados    para  ser  absorvidos  pelas

 

 

empresas locais e regionais;  outros iniciar micro e pequenas empresas próprias e serem bem sucedido.

 

Deste modo, é possível constatar que, ao longo do curso, os profissionais envolvidos na  formação  do  educando  procuram  atender  às  ênfases  estabelecidas  no  projeto pedagógico, ênfases essas determinadas pelas características da região na qual estão inseridos.

 

Para tanto, procuram desenvolver no aluno capacidades e/ou aptidões condizentes com as características exigidas pelas instituições nas quais vão desempenhar seu papel de profissional da contabilidade.

 

Entende-se que com a graduação eles devem estar aptos a:

 

estabelecer comunicação compatível com o exercício da profissão; por meio de processos escritos e expressões, o que implica em melhores relacionamentos inter-grupal e interpessoal nas organizações e maior clareza quanto aos processos organizacionais;

 

utilizar a visão sistêmica e estratégica para que sejam solucionados os problemas e aproveitadas as novas oportunidades;

 

raciocinar de maneira lógica, crítica e analítica, permitindo a ele fazer diagnósticos, propor soluções mediante a identificação de riscos e melhores alternativas para cada caso;

 

exercer suas funções com expressivo domínio das funções contábeis;

 

utilizar sua capacidade de liderança carismática e técnica no processo de esclarecimento das novas oportunidades e tomadas de decisão mediante riscos;

 

trabalhar e desenvolver equipes de trabalho, capazes dar consecução aos objetivos organizacionais.

 

 

14 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

 

 

 

 

O sistema de avaliação abrange todas as instituições de educação superior, fazendo com  que  ocorra  um  processo  permanente  e  contínuo  em  busca  de  uma  finalidade construtiva e formativa na educação superior.

 

Nesse processo é bem vinda a participação de todos os agentes da comunidade acadêmica, institucional e externa, passando estes a terem um comprometimento com as transformações e mudanças no patamar de qualidade.

 

Este projeto buscou ancorar-se em uma concepção de avaliação comprometida com a melhoria da qualidade e da relevância das atividades desta instituição educacional. Esta proposta refere-se à um sistema de liderança condizente por parte da direção da instituição, condizente com:

 

a busca de alto desempenho por parte da instituição;

 

a busca de desenvolvimento individual;

 

a busca de novas iniciativas educacionais; a busca de aprendizagem organizacional;3 a busca de inovações constantes.

Uma das características fundamentais deste novo processo, ou melhor, desta nova proposta de avaliação estabelecida pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) é a integração de diversos instrumentos com base em uma concepção global e o respeito à identidade e à diversidade institucional, levando em conta a realidade e a missão de cada IES. Baseada nesta característica fundamental, é que a SOECO tem como uma de suas finalidades e objetivos, participar do processo científico, cultural e técnico e de atividades que promovam a difusão do conhecimento, constituindo-se em fator de integração e de promoção da cultura, e com isto, promover a educação com formação de valores para a humanização da Sociedade.

Baseando-se nestas características, é que a nossa Instituição buscou fundamentar-se nas dez dimensões de avaliação institucional elaboradas pelo SINAES, onde fomentamos

 

 

3 Aprendizagem organizacional é o processo de aprendizagem contínua em uma organização com o intuito de torná-la adaptável às taxas aceleradas de mudanças que ocorrem atualmente no mundo (FLEURY, 1995, P.5-6).

 

 

como objetivo primordial o aperfeiçoamento das nossas atividades acadêmicas, tendo como uma preocupação chave, o desempenho  e rendimentos dos nosso alunos, explicitando a responsabilidade social da educação superior, quanto ao avanço da ciência, à formação da cidadania, valorizando a solidariedade e a cooperação e não a competitividade e o sucesso individual dos acadêmicos.

 

 

 

 

14.1 Objetivos

 

 

 

 

Geral:

 

Diagnosticar as deficiências e os potenciais do ensino-aprendizagem na instituição, identificando estas através das dez dimensões previstas em lei, sendo a auto-avaliação um importante instrumento para a tomada de decisão, resultando dele um relatório detalhado e abrangente, onde estará contigo as análises, críticas e sugestões abordadas.

 

 

 

Específicos:

 

 

 

 

Instituição;

 

Fornecer subsídios para a tomada de decisões sobre as políticas da

 

 

Analisar a eficiência e a relevância social dos programas e projetos sociais Institucionais e sua relevância para a micro região que está inserida;

 

Promover e estimular a  implementação de processos avaliativos em todas as instâncias da Instituição, na busca da melhoria da qualidade de ensino;

 

Constituir  um  banco  de  dados  dos  ex-alunos,  que  possibilitem  um

 

feedback para a Instituição.

 

 

15 AVALIAÇÃO DO CURSO

 

 

 

 

O curso de Ciências Contábeis é avaliado através da aplicação da Avaliação Institucional, objetivando detectar as potencialidades, fraquezas, oportunidades e ameaças presentes no ambiente interno e externo. Além deste meio avaliativo, o curso também é avaliado através de análises dos resultados do ENADE, como também, pelo acolhimento de sugestões do canal de Ouvidoria e Fale Conosco disponível no site da IES.

 

 

 

 

 

 

 

16 CAEPE – Centro de Apoio Educacional e Psicopedagógico ao

 

Estudante

 

 

 

 

A FACHASUL mantém na sua estrutura organizacional um Centro de Apoio Educacional e Psicopedagógico ao Estudante (CAEPE) aos discentes desde o ano de 2006, objetivando oferecer condições facilitadoras para o crescimento pessoal e profissional dos discentes e contribuir para o seu bom desempenho escolar, mediante ações de orientação e apoio psicológico frente às dificuldades emocionais e sociais dos discentes, bem como apoio pedagógico no  processo ensino-aprendizagem, proporcionando orientação psicológica e acadêmica, além de serviços de aconselhamento pessoal e emocional. O CAEPE conta com profissional preparado que ofereça:

 

aconselhamento psicológico (pessoal, emocional);

 

atividades e ações para buscar soluções frente aos problemas pessoais e institucionais;

 

atividades de investigação sobre situações problemáticas no âmbito do ensino superior.

 

O acadêmico, no inicio de sua vida universitária, pode apresentar dificuldades no que se refere às suas necessidades para a continuidade dos estudos propiciando o acesso ao conhecimento básico em diversas disciplinas de seu cursos, como por exemplo: em Português  que  é  pré-requisito  para  o  bom  desenvolvimento  acadêmico  nas  demais

 

 

disciplinas, em Matemática e também atividades de laboratório específicas de cada curso do ensino superior.

 

A proposta de oferecer aos alunos um Centro de Apoio Educacional e Psicológico faz parte das ações implícitas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e visa apoiar os discentes da Faculdade de Chapadão do Sul – FACHASUL, no que se refere às suas necessidades emocionais, psicológicas e educacionais, para que os mesmos possam dar continuidade nos estudos com qualidade.

 

Através do CAEPE, a FACHASUL, além de estar exercendo sua função de responsabilidade institucional, amplia o seu papel frente aos modelos de atenção propostos dentro da reorganização dos serviços prestados aos seus discentes, proporcionando aos mesmos, melhores condições de permanência na faculdade durante a profissionalização; na medida em que auxilia os estudantes em todos os assuntos que envolvem a vida acadêmica e diminui seu desgaste e, conseqüentemente, libera o discente para investir sua energia na sua formação profissional.

 

Cabe lembrar que a atenção psicológica é realizada com atendimento individual e a psicopedagógica, através de atendimento educacional por meio de cursos de nivelamento nas diversas áreas do curso de graduação oferecido. As mesmas tem sido objetos específicos de reflexão de vários estudiosos e de ação operacional, o que vem mostrando sua validade e importância nos processos de apoio e complementação na formação acadêmica e na construção da identidade profissional e humana.

 

O CAEPE tem como objetivo principal e geral desenvolver estudos sistemáticos, atenção e apoio que levem ao conhecimento e compreensão das características e necessidades da população acadêmica, como ponto de partida para o desenvolvimento de medidas preventivas e assistenciais.

 

O programa tem ainda os seguintes objetivos específicos:

 

Oferecer atenção psicológica e psicopedagógica aos alunos, pautando no princípio de que a atuação deverá ser voltada não apenas para o aluno e seus eventuais problemas, mas a todo o campo institucional;

 

Oferecer palestras e cursos para discentes, pais e familiares, a fim de integrá-los a comunidade acadêmica, bem como discutir e refletir sobre problemas de ordem social, buscando alternativas de combate as drogas, violência e outros.

 

 

Oferecer cursos de nivelamento, focados nos conteúdos curriculares dos cursos de graduação os quais os acadêmicos apresentem maiores dificuldades

 

Desenvolver atividades de integração aos alunos ingressantes à comunidade acadêmica;

 

Levar  os  alunos  a  reconhecerem  e  estabelecerem uma  relação  de confiança com o CAEPE, como espaço exclusivo e confiável para solicitações de ajuda, mesmo quando a fonte de suas dificuldades seja a própria instituição.

 

A programação do projeto envolve todo o corpo docente e o corpo discente, sem nenhum ônus para o aluno.

 

 

 

 

17 EMPRESA JÚNIOR

 

 

 

 

A Empresa Júnior é uma associação sem fins lucrativos, constituída essencialmente por estudantes de graduação dos estabelecimentos de ensino superior, presta serviços de consultoria e desenvolve projetos para as micros, pequenas e médias empresas e a sociedade em geral, sob a supervisão de professores especialistas no assunto.

 

Essa forma de organização possui dentre outros, os objetivos de:

 

proporcionar aos seus membros as condições necessárias para a aplicação da prática de seus conhecimentos teóricos relativos à área de formação profissional específica;

 

realizar apontamento de soluções indicadas para os problemas diagnosticados;

 

intensificar o intercâmbio empresa-faculdade, facilitando a absorção dos futuros profissionais no mercado de trabalho;

 

estimular o espírito empreendedor de seus integrantes;

 

contribuir com a sociedade via prestação de serviços;

 

 

A   Empresa Júnior FACHASUL foi instituída em 2005, de caráter multidisciplinar, constituída pelos cursos de Administração e Ciências Contábeis, com desenvolvimento de atividades específicas, correlacionadas e integradas com as novas técnicas e tecnologias.

 

A FACHASUL consciente da importância da Empresa Júnior para os acadêmicos e para a sociedade, disponibiliza recursos para contratação de seu coordenador, bolsas e descontos para os acadêmicos pertencentes a diretoria da empresa, como também, espaço físico adequado e equipado para o seu desenvolvimento.

 

A empresa Júnior tem a natureza ser uma empresa real, com   Diretoria Executiva, Conselho de  administração, estatuto  e  regimento próprio e  com  gestão  autônoma.    A Empresa Júnior complementa a formação acadêmica de um estudante em vários aspectos, pois proporciona a ele experiência como:

 

administração de uma empresa; organização do trabalho em equipe; delegação de responsabilidades,

participação efetiva em reuniões de trabalho;

 

negociação com clientes, patrocinadores, fornecedores e parceiros; efetivo exercício de atividades financeiras e contábeis de uma empresa; decisões sobre políticas de imagem e prospecção de negócios;

contato direto com problemas e situações da realidade empresarial; prática da profissão através do estágio supervisionado; oportunidade de participação em projetos de extensão.

Os principais clientes são:

 

o acadêmico; o empresário; a sociedade

A formação proporcionada pelo curso está integrada à experiência prática, por meio

 

da Empresa Júnior, onde o aluno pode aplicar todo o conhecimento científico adquirido

 

 

durante  o  curso  em  situações  reais  de  competição  e  de  adversidades,  otimizando  a qualificação do acadêmico para o mercado de trabalho.

 

A Empresa Júnior proporciona um conhecimento mais dinâmico e uma visão técnica mais pragmática; desenvolver o espírito empreendedor; oferecer espaço para a produção de novas ferramentas gerenciais; oportunizar o surgimento de lideranças empresariais e de novos talentos e aprimorar todas as potencialidades inerentes a cada acadêmico, respeitando-o como ser humano capaz de contribuir de maneira significativa para a comunidade.

 

 

 

 

 

 

 

18 CORPO DISCENTE

 

 

 

 

18.1 Características do Corpo Discente

 

 

 

 

A organização, execução e avaliação do trabalho pedagógico devem fundamentar-se no tripé – realidade, finalidades educacionais e mediação. Para que ações pedagógicas (mediação) sejam planejadas, tendo por fim o alcance dos objetivos/metas/ propostas, deve- se ter como referência a realidade: a Instituição, a sala de aula, os alunos e a comunidade.

 

A identidade de um curso não é algo dado, mas uma dinâmica que se constrói e se reconstrói em um processo histórico e por meio dos distintos sujeitos que dele participam. Conhecer os acadêmicos do curso de Ciências Contábeis – sujeitos de importância no processo educacional, significa respeitá-los e valorizá-los em sua diversidade étnico, cultural e social. É tecer um projeto coletivo e participativo onde o objetivo individual se mistura aos do grupo é, contribuir na formação da pessoa, do profissional, da instituição de ensino e da sociedade.

 

 

18.2 Atenção aos Discentes

 

 

 

 

 

 

18.2.1 Participação dos discentes nas Atividades Acadêmicas

 

 

 

 

Dentre as atividades acadêmicas desenvolvidas pelo curso de Ciências Contábeis da FACHASUL destacam-se as Semanas Acadêmicas, articuladas ao curso, às atividades de extensão e aos programas de pesquisa, a fim de incrementar a participação efetiva do acadêmico nas atividades do curso.

 

Mediante a iniciativa dos professores, os acadêmicos tem a oportunidade de expor em seminários os temas pesquisados; debater e conversar com empresários em sala de aula ou auditório sobre assuntos específicos das disciplinas.

 

Atividades Complementares: organizado através do Programa de Atividades Acadêmicas Complementares – PAAC, criado para que o acadêmico, desde o início de seus curso, possa buscar estudos independentes e atividades culturais extra curriculares, realizadas no âmbito da Instituição ou fora dela, nas relações comuns de trabalho e com a comunidade de modo geral. O PAAC faz parte da estrutura do curso da FACHASUL do 1º ao

8º semestre com carga horária mínima exigida de 300 horas vigentes a partir das alterações realizadas na nova matriz curricular para o ano de 2011.

 

Entres as atividades complementares podemos destacar visitas técnicas internas e externas, apresentação de produtos ou serviços de empresas, exibição de vídeos, oficinas práticas,  trabalho  voluntário,  vivência  profissional,  projetos  de  treinamento  profissional, cursos de aperfeiçoamento acadêmico, atividades externas e acadêmico voluntário.

 

Empresa Junior é um laboratório que permite o aprendizado, a iniciação profissional e o intercâmbio entre universidade e empresas.

 

A  Empresa Júnior possibilita aos acadêmicos aprender o  voluntarismo, aplicar a criatividade, compartilhar os conhecimentos, exercitar a responsabilidade e desenvolver o comprometimento.

 

A Empresa Júnior funciona como fomentadora de parcerias entre as diversas esferas acadêmicas e destas com a sociedade em geral.

 

 

A Empresa Júnior da FACHASUL funciona em sala própria dentro da Instituição e agrega acadêmicos do curso de Ciências Contábeis e Administração.

 

 

 

 

18.2.2 Apoio à Participação em Eventos

 

 

 

 

A FACHASUL oferece aos seus discentes a oportunidade de participarem de visitas técnicas às empresas da região ou fora do estado, bem como participação em eventos como congresso e  encontros acadêmicos. Essa  prática é  o  caminho mais  curto  para  que  o acadêmico conheça o  ambiente, a  estrutura,  as  políticas  e  a  realidade das  diferentes organizações. As visitas  ocorrem em grupos por iniciativa de professores ou isoladamente por iniciativa do acadêmico. Ao final de cada visita sugere-se aos acadêmicos elaborar um relatório sobre suas principais impressões.

 

Para segurança dos discentes, a mantenedora mantém seguro de vida a todos os acadêmicos regularmente matriculados, garantindo cobertura dentro e fora da Instituição. Esse benefício é estendido a todos os funcionários da Instituição.

 

 

 

 

18.2.3 Meios de Divulgação de Trabalhos e Produções dos Alunos

 

 

 

 

É inegável a importância de um veículo para divulgação dos trabalhos e artigos produzidos pelo corpo docente e discente. A FACHASUL poderá disponibilizará os trabalhos na revista científica e/ou site da IES.

 

 

 

 

18.2.4 Existência de Bolsas Acadêmicas

 

 

 

 

A  FACHASUL  mantém  um  regulamento  próprio  para  concessão  de  bolsas  de estudos, com diferentes percentuais de descontos. São contemplados com essas bolsas os acadêmicos que atuam como estagiários, como auxiliar de laboratórios, em atividades de

 

 

extensão, em iniciação científica, monitorias, atividades articuladas com o setor produtivo ou serviços de voluntariado, além dos comprovadamente carentes:

 

BOLSA CONVÊNIO:    Participantes de  convênios com  instituições de  ensino ou empresas e sindicatos que se responsabilizam pelo pagamento da mensalidade de seus funcionários.

 

BOLSA FAMÍLIA: Serão concedidas Bolsas de Estudo semestrais, nos cursos de graduação e pós-graduação, a alunos de uma mesma família, observado o seguinte critério:

 

I – será concedida uma Bolsa de Estudos, a partir da 2ª parcela do semestre letivo subseqüente, no valor de 10% (dez por cento), para o segundo ou mais membros de um mesmo grupo familiar ou filhos de funcionários;

 

II –   Serão considerados de uma mesma família os ascendentes (pai e mãe) e os descendentes (filho ou filha), cônjuge e irmão ou irmã, comprovado documentalmente no ato do requerimento;

 

III –   A Bolsa de que trata esse artigo deverá ser solicitada no ato da matrícula do aluno a cada semestre, observadas as presentes normas, e será aplicada a partir da 2ª parcela do semestre letivo.

 

BOLSA PERMUTA: Bolsa concedida, em casos excepcionais, aos alunos que possuem débitos, já que  permite a  liquidação dos mesmos através de  contratação de serviços e outros para IES.

 

BOLSA AUXÍLIO: Beneficio concedido aos alunos comprovadamente carentes, regularmente matriculados, após análise da situação sócia-econômica, onde esta possui normas para aquisição especificas.

 

BOLSA INCENTIVO A EXTENSÃO: Desconto de até 20% concedido aos alunos que desenvolvem atividades junto aos professores proponentes de projeto de extensão ou em regime de estágio na FACHASUL.

 

BOLSA FUNCIONÁRIO:   Bolsas de Estudos concedidas para funcionários e para alunos  dependentes  de  funcionários  (cônjuge,  filho  ou  dependente),  consistente  em desconto de até 50%.

 

BOLSA MONITORIA: Bolsa concedida aos alunos que desenvolvem monitoria junto a professores, consistente em desconto de até 50%.

 

 

18.3 Atuação do Corpo Discente no Colegiado do Curso

 

 

 

 

O corpo discente exerce papel significativo no colegiado do curso no que tange aos aspectos didático-pedagógicos, uma vez que tem direitos a voz e voto, em discussões e deliberações. Em reuniões, os representantes de turma do curso de Ciências Contábeis – membros do colegiado –    contribuem sugerindo, opinando, relatando sobre os acontecimentos estudantis e,  ainda,  podem  atuar  na  execução e  avaliação do  projeto pedagógico do curso, cientes dos objetivos e do perfil profissional do egresso do curso, observando sempre as diretrizes e normas emanadas da Diretoria e Coordenação.

 

O Regimento Geral da FACHASUL, prevê a participação no colegiado de curso de um representante discente.

 

A escolha do representante discente é realizada pelo seus pares, sob a coordenação da entidade estudantil, com mandato de um ano a direito a recondução.

 

 

 

 

 

 

 

19 ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA

 

 

 

 

 

 

19.1 Diretor Executivo

 

Ao Diretor Executivo compete:

 

coordenar e superintender as atividades da FACHASUL;

 

submeter ao CONDIR (CONSELHO DIRETIVO/FACHASUL a prestação de contas anual, o orçamento geral, as demais programações propostas para o ano seguinte;

 

submeter ao CONDIR/FACHASUL o relatório das atividades sociais do semestre anterior;

 

exercer o poder disciplinas no âmbito da FACHASUL;

 

conferir graus e assinar diplomas e certificados;

 

 

assinar cheques e demais documentos ou atos que impliquem em transações financeiras de interesse da FACHASUL, inclusive as quitações;

 

assinar as correspondências emitidas pela FACHASUL ou vistar aquelas que tiver delegado;

 

firmar convênios, acordos, contratos com entidades e com pessoa física, aprovados pelo órgão competente, como também receber doações, legados, auxilio e subvenção municipal, estadual, federal ou particular;

 

convocar e presidir as sessões dos órgãos colegiados de que é presidente, com direito a voto de qualidade;

 

nomear, por delegação de autoridades, as comissões instituídas pelo

 

CONDIR/FACHASUL;

 

 

 

 

privado;

 

representar  a  FACHASUL  perante  as  pessoas  de  direito  público  e

 

 

abrir e movimentar contas, contraindo encargos em geral, desde que aprovados pelo CONDIR/FACHASUL;

 

cumprir   e   fazer   cumprir   este   Regimento   e   demais   normas   da

 

FACHASUL e deliberações superiores;

 

zelar  e  fazer  zelar  pela  guarda  e  conservação dos  bens  móveis  e imóveis da FACHASUL.

 

Na ausência do Diretor, o cargo pode ser assumido por um docente, segundo sua escolha.

 

 

 

 

 

 

 

20 ORGANIZAÇÃO E CONTROLE ACADÊMICO

 

 

 

 

A organização de controle acadêmico da FACHASUL é realizada pela Secretaria Acadêmica de forma a atender as necessidades de controle e registros de informações administrativas e gerencias dos cursos que a Instituição oferece.

 

 

A Secretaria Acadêmica trabalha atualmente com um software denominado SEI – Sistema Educacional Integrado, desenvolvido por uma empresa de Tecnologia Educacional. O sistema possui mecanismos de controle e registro de toda vida acadêmica dos seus discentes,  possibilitando atualizações sempre que necessário. O sistema é utilizado ainda para cadastro,controle e registro de atividades docentes, bem como lançamento de notas, faltas, conteúdos de disciplinas, planos de ensino e etc.

 

O sistema permite aos discentes o acesso  e controle de informações sobre sua  vida acadêmica e  financeira  utilizando  o  terminal  de  consulta  da  instituição  ou  usando um computador de sua própria residência. E aos docentes lançamentos de notas, faltas, conteúdos de provas, planos de ensino, entre outros. Além de utilizar o SEI, a secretaria mantém em pastas, organizados individualmente, documentos de controles administrativos, tais  como:  inscrição  em  processo  seletivo,  requerimento  de  matriculas,  contrato  de prestação de serviços, cópias de documentos pessoais, solicitações efetuadas durante os semestres como transferências, aproveitamento de estudos, atestados médicos para atendimento domiciliar, etc. O mesmo controle é efetuado para a documentação docente.

 

A Secretaria Acadêmica da FACHASUL funciona das 13:00h às 22:35h de segunda a sexta -feira e aos sábados das 07:00h às 11:00h. Todas as solicitações de acadêmicos e docentes são feitas através de formulários próprios fornecidos pela secretaria acadêmica e posteriormente encaminhados aos devidos setores para atendimento ou deferimento se assim for o caso.

 

 

 

 

 

 

 

21 CORPO DOCENTE

 

 

 

 

21.1 NDE

 

 

 

 

O curso de Ciências Contábeis possui um Núcleo Docente Estruturante (NDE) que é um órgão consultivo, composto por um grupo de docentes designados pela Direção da Instituição, com a finalidade de desenvolver, acompanhar a qualidade e avaliar o projeto pedagógico do curso. O NDE possui regimento próprio.

 

 

O NDE é constituído por um mínimo de 5 professores pertencentes ao corpo docente do curso. Destes, 60% com titulação acadêmica obtida em programas de pós-graduação stricto sensu.

Todos os membros do NDE têm que trabalhar em regime de trabalho ou integral, sendo pelo menos 20% em tempo integral.

 

 

 

 

 

21.2 Coordenação do Curso

 

 

 

 

A coordenação de curso é estrutura agregada à da Instituição com o objetivo de permitir a visão estratégica, gerir, acompanhar e avaliar mais de perto o curso que lhe é destinado, com vistas à crescente atualização e melhoria contínua.

 

Estratégias de reuniões periódicas com docentes e acadêmicos do curso, visita às aulas, contato com empresas e campos de estágios, estruturação de visitas técnicas e diálogo com os alunos, são rotinas do fazer do coordenador.

 

De acordo com o Regimento da Faculdade, cada curso ofertado pela Instituição é coordenado por um docente, ligado à área específica do curso, escolhido e designado pelo Diretor.

 

São atribuições do coordenador: apoiar e acompanhar o desenvolvimento das atividades  de  ensino-aprendizagem; atender  e  orientar  os  alunos  do  respectivo  curso; fomentar as relações interdisciplinares e transdisciplinares no desenvolvimento do curso; elaborar o plano e o calendário anual de atividades do curso; subsidiar a confecção do calendário acadêmico da instituição; estabelecer relacionamento com coordenadores de outros cursos da mesma área ou áreas afins; contribuir na elaboração do catálogo sobre as condições de oferta dos cursos; coordenar a elaboração de projetos de cursos e programas de pós-graduação, extensão e outros; representar o curso perante autoridades e órgãos da Faculdade; pronunciar-se sobre aproveitamento de estudos, transferência e adaptação de alunos, ouvido o Colegiado de Curso, convocar e presidir as reuniões do Colegiado do Curso; supervisionar a execução das atividades programadas, bem como a assiduidade dos professores; apresentar, anualmente, à Diretoria, relatório de suas atividades; sugerir a

 

 

contratação  ou  dispensa  de  pessoal  docente;  exercer  outras  atribuições  previstas  na legislação e no Regimento.

 

O coordenador do curso de graduação em Ciências Contábeis é docente contratado por tempo integral, dedicando-se às atividades de gestão, planejamento do curso, atendimento docente e discente. É membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE), participa da implementação do curso, inclusive com contribuições na reformulação do Projeto Pedagógico de Curso (PPC), demonstrando efetivo conhecimento e comprometimento com o mesmo.

 

O espaço físico exclusivo para sua função foi estrategicamente planejado para que alunos e professores tenham acesso contínuo e o que se observa é o permanente diálogo e discussão em torno das questões pedagógicas, institucionais e comunitárias naquele ambiente.

 

 

 

 

 

 

 

21.2.1 Coordenador do Curso

 

 

 

 

O coordenador do curso de Ciências Contábeis, possui dedicação em tempo integral e regime de trabalho de 40 horas semanais, dedicado à administração e à condução do curso. Possui experiência profissional na área administrativa, empresarial, docência e gestão acadêmica.

 

O coordenador de curso auxilia a função de acompanhar, orientar e encaminhar o relacionamento entre os discentes e docentes, cumprindo papel de mediador, com a finalidade   de   solidificar   o   processo   ensino-aprendizagem,  observando,   para   tanto, estratégias e procedimentos didáticos que melhor consolidem o conhecimento almejado.

 

 

 

 

 

 

 

21.3 Perfil do Corpo Docente

 

 

O corpo docente é selecionado com base na titulação e na experiência no magistério superior e na área profissional em que atua, mantendo a congruência com a disciplina a ser lecionada.

 

A  FACHASUL possui um Plano de Carreira e  Programas de Capacitação Docente, que vem de encontro com os objetivos do curso e da IES, oferecendo maior motivação.

 

A capacitação docente é, sem dúvida, um dos fortes indicadores da oferta de um ensino de qualidade na Instituição, possibilitando a realização de pesquisas e extensão, bem

como a disseminação e transferência de informações de valor à comunidade.

 

 

 

 

que:

 

O curso de Ciências Contábeis da FACHASUL está amparado com um corpo docente

 

 

Estruture os conteúdos de sua matriz curricular e estabeleça a relação existente entre as abordagens quantitativa e qualitativa dos conteúdos propostos;

 

Utilize recursos didáticos e bibliografia indicada na quantidade e qualidade adequadas ao conteúdo da disciplina em aulas com roteiro planejado;

 

Que considere a interdisciplinaridade entre as disciplinas e as exigências da formação profissional;

 

Possua critérios de avaliação que demonstrem clareza, coerência, pertinência, e que acompanhe desempenho individual do aluno;

 

Estimule a participação dos alunos nas suas aulas, promova um clima favorável, incentive e motive os alunos e tenha habilidade para responder às perguntas.

 

 

 

 

21.3.1 Formação Acadêmica e Titulação

 

 

 

 

A Instituição em função do seu Plano de Carreira, vem ampliando gradativamente o número de docentes com a qualificação exigida em programas de pós-graduação a nível de Lato Sensu e Stricto Sensu.

 

 

Com o objetivo de estimular e contemplar  a constante pesquisa e produção científica do Corpo Docente, bem como, a participação em congressos e seminários pertinentes a sua área de atuação, a IES possui políticas de incentivo constatadas em seu PDI.

O corpo docente do curso de Ciências Contábeis era formado no primeiro semestre letivo de 2015 por 12 (doze) professores, sendo 07 (sete) mestres e 05 (cinco) especialistas.

 

TITULAÇÃO

QUANTIDADE

PORCENTAGEM (%)

Mestre

07

58,33%

Especialista

05

41,67%

TOTAL

12

100%

 

 

 

No  segundo  semestre  letivo  de  2015,  o  corpo  docente  do  curso  de  Ciências

 

Contábeis  é  composto  por  13  (treze)  professores,  sendo  07  (sete)  mestres,  06  (seis)

 

especialistas.

 

TITULAÇÃO

QUANTIDADE

PORCENTAGEM (%)

Mestre

07

53,85%

Especialista

06

46,15%

TOTAL

13

100%

 

 

 

 

 

 

21.3.2 Experiência Profissional

 

 

 

A FACHASUL vem gradativamente ampliando o número de docentes com experiência profissional em virtude da importância desta para com a transmissão de conhecimento do professor para o aluno em sala de aula.

 

Os docentes do curso de Ciências Contábeis possuem formação em relação ao desenvolvimento deste PPC, onde todos atuam nas disciplinas que ministram respectivamente. As experiências dos docentes são relatadas em seus currículos lattes, documento este, essencial para o processo seletivo de docentes na IES, onde pode-se verificar  não  só  a  experiência  do  candidato-docente na  docência,  como  também,  sua experiência profissional.

 

 

O coordenador do curso de Ciências Contábeis direciona as disciplinas de formação profissional para os contadores ou profissionais com especialização ou mestrado na área específica.

 

 

 

 

21.4 Colegiados Acadêmicos

 

 

 

 

O coordenador do curso de Ciências Contábeis participa, ativamente, dos Órgãos Colegiados Superiores da FACHASUL, conforme previsto no Regimento da FACHASUL. Dessa forma, participa das decisões da Instituição CONDIR (Conselho Diretivo), órgão de jurisdição superior da FACHASUL, deliberativo e  consultivo em matéria acadêmica, de natureza didática – cientifica, administrativa, econômica – financeira e patrimonial. Neste Conselho,  a  coordenação  de  curso  apresenta  as  normativas  referentes  ao  ensino,  à pesquisa e  à  extensão do  Curso  de  Ciências Contábeis, tendo  em  vista  a  aprovação necessária aos regulamentos de estágio supervisionado, atividades complementares, prática de ensino, trabalho de conclusão de curso, programa de iniciação científica, monitoria e bolsistas.

 

Apresenta e avalia os projetos de ensino, extensão e pesquisa encaminhados pelos professores do curso e/ou os assuntos afetos ao interesse do curso. Da mesma forma como Presidente do Colegiado do Curso de Ciências Contábeis é responsável juntamente com seus pares pela supervisão das atividades didáticas do curso, pela orientação aos acadêmicos com vistas a sua efetiva integração no âmbito comunitário e do desempenho de cada um deles no cumprimento de suas obrigações e, ainda, acompanhamento do desempenho docente.

 

O colegiado de curso de Ciências Contábeis é presidido pelo coordenador de curso, composto  por  representantes  docentes,  discentes  e  técnico-administrativo. Reúnem-se, mensalmente, sistematicamente para discutir problemas e propostas de melhorias para o curso.

 

 

22 BIBLIOTECA

 

 

 

 

A Biblioteca “Professora Therezinha de Oliveira Paulino” da Faculdade de Chapadão do Sul, mantida pela Sociedade Educacional do Centro Oeste, funciona de segunda à sexta das 13h00min às 22h35mim, com capacidade para 80 alunos simultaneamente.

 

Em meados de 2010, o acervo bibliográfico tornou-se aberto, podendo o usuário fazer sua pesquisa no próprio acervo ou consultá-lo através das bases de dados do sistema de gerenciamento da biblioteca, através de bases de dados de autor, título, assunto, editora, ano, entre outras bases de dados de pesquisa.

 

Dos 150 m² pertencentes à biblioteca, 50 m² são destinados para o acervo, a área de atendimento ao usuário e a parte técnica, os demais 100 m² são destinados a área de estudo.

 

A biblioteca possui em seu espaço interno 30 estantes com 05 prateleiras cada, com a finalidade de armazenar os livros, revistas, obras de referências, fitas de vídeos, CD-ROM, DVDs, monografias, artigos, estágios, entre outros itens bibliográficos pertencentes ao seu acervo.

 

O espaço técnico e de atendimento ao usuário contém 03 mesas com 02 computadores, bem como, uma impressora.

 

Na área de estudo, a biblioteca possui 02 salas para estudo em grupo com 6,5 m² cada, possuindo uma mesa redonda com 04 cadeiras em cada sala. Já na área compartilhada,  existem   10   mesas  redondas  com   04   cadeiras  cada,  além   de   05 computadores ligados a internet para pesquisa no acervo e elaboração de trabalhos, bem como, uma área de leitura com 02 sofás.

 

O  regulamento da  biblioteca está  disponível na  página da  biblioteca na  internet (http://fachasul.phlnet.com.br), contendo nele, todas as informações necessárias para que o usuário utilize adequadamente dos serviços e rotinas oferecidos pela biblioteca, bem como, também fica ciente das suas obrigações e deveres como usuário.

 

Em relação à acessibilidade dos portadores de necessidades especiais, a biblioteca foi projetada no térreo, possuindo rampa de acesso ao interior da biblioteca, bem como um

 

 

amplo, arejado e bem iluminado espaço interno, facilitando assim, a locomoção destes usuários no interior da biblioteca e no acervo bibliográfico.

 

A biblioteca possui um total de aproximadamente 2224 títulos de livros, com um total de 4088 exemplares, que atendem todas as necessidades dos docentes e discentes dos dois cursos oferecidos pela instituição.

 

A  Biblioteca possui periódicos que  contemplam todas  as  áreas dos  dois  cursos oferecidos pela FACHASUL com destaque para as diversas assinaturas de revistas especializadas, visto que, em algumas áreas as mudanças ocorrem rapidamente tornando o periódico, algumas vezes, mais importante que o próprio livro.

 

Até  o  momento  a  biblioteca  possui  um  total  de  131  títulos  de  periódicos entre correntes e não correntes.

 

São 09 títulos de revistas relacionadas à área de Ciências Contábeis, 09 títulos de jornais que são de âmbito nacional, estadual e regional, 57 títulos de revistas de temas gerais 56 títulos de revistas correntes e não correntes relacionadas à área de administração, são elas: Anuário Exame, Ação Comercial, Agitação, Agrinova, Anefac, As Melhores da Dinheiro, Comercio Exterior Informe BB, Corporação, Digesto Econômico, Dinheiro Rural, Empreendedor, Exame, Exame Edições Especiais, Executivo de Valor, Executivos Disponíveis, Gestão RH Especial, Guia de Serviços Para RH, Harvard Business Review – HBR do Brasil, HSM Management, Isto É, Isto é Dinheiro, Isto é dinheiro especial, Leasing, Melhor Gestão de Pessoas, MS Industrial, O Melhor do RH, Pequenas Empresas & Grandes Negócios,   RAC   –   Revista   de   Administração   Contemporânea,   RAE   –   Revista   de Administração de  Empresas, RCO –  Revista de  Contabilidade e  Organizações, Revista Angrad, RBA – Revista Brasileira de Administração, Revista Cientifica da Fachasul, Revista de Administração da USP, Revista de Administração Mackenzie, Revista Extensão Universitária  e  Responsabilidade Social,  Revista  Fenacon  em  Serviços,  Revista  Visão Universitária, RPA – Revista de Praticas Administrativas, Sistema de Consórcios, Supermercado Moderno, Valor 1000, Valor Carreira, Valor Especial, Valor Estados, Valor Financeiro, Valor Grandes Grupos, Valor Investe, Valor Liderança, Valor Multinacionais Brasileiras, Valor Setorial, Veja, Veja Edições Especiais, Vencer!, Você S.A Especial, Você S/A.

 

A Biblioteca usa o sistema de gerenciamento de biblioteca chamado PHL Net em que, possui  todas  as  rotinas  e  serviços  (Aquisição,  Tombamento,  Catalogação,  Kardex,

 

 

Empréstimo, Renovação, Reservas, DSI, etc.) informatizadas e disponíveis na WEB em tempo real, utilizando a última versão do software PHL – Personal Home Library.

 

É um sistema especialmente desenvolvido para administração de coleções e serviços de bibliotecas e centros de informações. Foi adotado como uma alternativa moderna e eficiente para organização da coleção, tendo como objetivo principal a automatização de rotinas e serviços e/ou disponibilizar e compartilhar nosso catálogo através da Web.

 

O padrão do registro utilizado pelo PHL se baseia no formato UNISIST/Unesco, é um formato  moderno,  de  baixíssimo  custo  de  implementação, de  comprovada eficiência  e adotado como padrão nos organismos internacionais e nas grandes redes mundiais de informações (BIREME, AGRIS, FAO, INIS, etc).

 

O PHL foi desenvolvido em XML IsisScript interpretada pelo software WWWisis©Bireme, disponível para todos os sistemas operacionais.  Com este sistema de gerenciamento é possível efetuar buscas simultâneas em várias bases de dados e importação de registros de outras bibliotecas, utilizando base de dados no padrão CDS/ISIS- Unesco.

 

Com este sistema de gerenciamento de biblioteca via Web, o aluno pode acessar o sistema, via internet, a biblioteca, podendo fazer pesquisas no acervo, reserva de livros, renovação de materiais e sugestão de novas aquisições, tudo com a maior comodidade possível, sem  sair de  casa. A  biblioteca possui um  ambiente com  terminais ligados a internet, utilizados gratuitamente por acadêmicos, professores, funcionários e pessoas da comunidade. Este sistema está ligado a um provedor fornecido diretamente pelo fabricante do sistema, permitindo com isso acesso em alta velocidade durante 24 horas por dia.

 

A Biblioteca possui uma política de aquisição, expansão e atualização de acervo bem definida, sob a orientação dos professores das respectivas disciplinas de cada curso oferecidas pela FACHASUL.

 

Todo o processo da Política de aquisição, expansão e atualização segue um fluxograma, um padrão, em que, os pedidos de aquisição de obras são encaminhados aos coordenadores de curso pelos professores.

 

Os pedidos são analisados pelos membros do corpo docente e coordenação do curso, e assim sendo aprovados, são encaminhados para a biblioteca, onde são feitas as

 

 

cotações com os fornecedores. Após o processo de cotação, estas são encaminhadas para a direção para que seja feita a aquisição das bibliografias solicitadas.

 

A instituição mantém uma Política de aquisição semestral, visto que, os cursos são semestrais, visando tanto a expansão quanto a atualização do acervo.

 

 

 

 

 

 

23 INFRA-ESTRUTURA

 

 

 

 

A Sociedade Educacional do Centro Oeste – SOECO mantenedora da Faculdade de Chapadão do Sul – FACHASUL segue o planejamento de construção e ampliação das instalações físicas necessárias para o oferecimento de cursos de nível superior dentro dos padrões exigidos pelo Ministério da Educação, bem como a aquisição de equipamentos que contribuam para o bom rendimento acadêmico e funcional da Instituição. Estamos seguindo o nosso Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI   e podemos dizer que em muitos aspectos estamos avançados no cumprimento de suas metas.

 

 

 

 

23.1 Instalações Gerais

 

 

 

 

A Sociedade Educacional do Centro Oeste – SOECO mantenedora da Faculdade de  Chapadão do  Sul  –  FACHASUL segue o  planejamento de  construção e ampliação das  instalações físicas  necessárias para  o  oferecimento de  cursos de  nível superior dentro dos padrões exigidos pelo Ministério da Educação, bem como a aquisição de equipamentos que contribuam para o bom rendimento acadêmico e funcional da Instituição.

 

 

 

 

23.2 Espaço Físico

 

 

 

 

A estrutura física da FACHASUL teve um acentuado crescimento nos  últimos anos, tornando-a suficiente e adequada para o funcionamento de todas suas funções. Tal fato

 

 

pode ser comprovado pelo resultado da avaliação realizada pela Comissão do MEC que avaliou o reconhecimento do curso de Ciências Contábeis no ano de 2006.

 

Dos   3.155,81 m² de área construída, 2.142,45 m² abrigam as 17 salas de aulas, tesouraria,  diretoria,  laboratório  de  informática  e  secretaria,  82  m²     para  sala  dos professores, 96,03 m² para casa dos professores, 400,33 m² como corredor de circulação,

375,00 m² de biblioteca e auditório e 60 m² para cantina e futuras instalações da Empresa

 

Junior.

 

As 21 salas de aula são todas construídas dentro de padrões modernos e encontram- se em perfeitas condições para abrigar os alunos de todos os cursos oferecidos, principalmente focando a questão que suas cadeiras são todas almofadadas.

 

No aspecto físico para abrigar a parte administrativa, a IES, conta com sala para professores dotadas de acomodações suficientes para abrigarem os docentes e de todos os materiais e equipamentos utilizados e necessários ao trabalho pedagógico.

 

No inicio do ano de 2010, houve uma reestruturação do espaço físico da coordenação de cursos, com a ampliação dos gabinetes para as coordenações e secretaria de coordenação, contendo equipamentos necessários para a realização de seus trabalhos e atendimento a discentes e docentes. Ainda neste ano o bloco II foi concluído.

 

Em relação à área comunitária, ou de livre circulação, possui uma área de livre circulação, do tipo pátio interno, com bancos ao redor.

 

Os  corredores  são  amplos  e  medem  em  sua  totalidade  1.036  m²,  possuem bebedouros com água filtrada e gelada.

 

A Faculdade conta com uma cantina com espaço físico de 120 m². A mesma dispõe de mesas, cadeiras e um aparelho de televisão à disposição dos discentes.

 

Os demais setores administrativos e serviços acadêmicos são contemplados com secretaria,  tesouraria, diretoria em salas próprias, facilitando o atendimento ao público em geral.

 

O laboratório de informática passou por uma completa reformulação no ano de 2009, com a aquisição de 23 computadores novos e modernos para uso dos alunos em elaboração de  trabalhos  e  pesquisas.  O  laboratório  ganhou  climatização  para  proporcionar  maior conforto aos usuários.

 

 

O funcionamento do laboratório de informática é de segunda a sexta-feira, no período das 13h00min às 22h30min e aos sábados das 13h00min às 17h00min.

 

O laboratório está interligado em uma rede de intranet, o que viabiliza o acesso dos acadêmicos ao servidor de arquivos.

 

No ano de 2012 a FACHASUL substituiu o servidor antigo por uma máquina moderna e de alto potencial de desempenho, sendo uma das melhores do mercado, da marca DELL.

 

Não é necessário o agendamento de horário para utilização do laboratório para os alunos da instituição.

 

A limpeza do laboratório é realizada diariamente no período da manhã antes do início das aulas pela equipe de funcionários responsável pele setor.

 

A Mantenedora desenvolve um programa constante de conservação, higiene e adequação dos espaços às necessidades de cada curso e/ou cada departamento, como também  tem  feito  investimentos na  ampliação  dos  espaços  físicos,  por  intermédio  da expansão e de previsão de crescimento, o aspecto físico da IES apresenta-se em plena adequação.

 

 

 

 

23.3 Salas de Aula para os Cursos

 

 

 

 

As 21 salas de aulas da FACHASUL foram construídas dentro de padrões modernos, sendo que, destas, 17 possuem capacidade para suportar 50 acadêmicos e 04 salas com capacidade para 100 acadêmicos.

 

As salas de aulas atendem as necessidades discentes, em espaço físico e equipamentos. As salas são bem arejadas com grandes janelas, ventiladores de teto e algumas possuem cortinas e condicionadores de ar.

 

A  acústica  das  salas  é  excelente,  com  uma  boa  audição  externa,  e  quando necessário, o docente pode recorrer a mecanismos auxiliares como microfone e caixa de som, por exemplo.

 

 

O quadro de giz toma uma parte da extensão de uma parede. Cumpre mencionar que em todas as salas de aulas as carteiras são estofadas, bem como, há carteiras para aluno não destro.

 

No início do ano de 2014 a FACHASUL investiu alto na aquisição de 08 projetores de multimídia da marca DELL. Com isso, todas as salas de aulas receberam data show fixo, o que de fato otimizou o trabalho dos docentes.

 

O planejamento da IES é que até dezembro/15 todas as salas sejam equipadas com cortinas e condicionadores de ar.

 

 

 

 

23.4 Instalações para Docentes

 

 

 

 

A FACHASUL conta com uma sala para professores, a qual mede 82 m², dotada de acomodações suficientes para abrigar o corpo docente e todos os materiais e equipamentos utilizados e necessários ao trabalho pedagógico.

 

A sala dos professores dispõe de mesa de reunião, mesas individuais, bancada com computadores e acesso a internet com e sem fio, sofá confortável, armário individual, ar condicionado, bebedouro, máquina reprográfica, banheiros masculino e feminino; duas salas para atendimento ao acadêmico, uma sala da CPA; uma sala do CAEPE e uma sala para trabalhos de Extensão. A sala de professores é utilizada pelo corpo docente nos intervalos das aulas, assim como para reuniões.

 

Para atender os professores não residentes em Chapadão do Sul ou professores visitantes, a instituição conta com uma casa estruturada, medindo 96 m², a qual conta com três  apartamentos suíte  (com  banheiro particular); sala  com  sofá  e  aparelho  televisor; cozinha  com  fogão,  armário,  geladeira,  freezer,  microondas,  bebedouro  e  mesa;  uma varanda para descanso com churrasqueira; garagem, além de contar com internet para comodidade dos professores.

 

 

 

 

23.5 Instalações Coordenação de Curso

 

 

O Coordenador do curso possui sala exclusivo  com  6 m². Possui ar condicionado, computador com   internet, impressora jato de tinta, telefone com ramal próprio,   mesas, cadeira ergonômica, arquivos, estantes e quadros para avisos e horários.

 

A secretaria da coordenação mede 9 m², possui ar condicionado, computador com internet, impressora jato de tinta, telefone com ramal próprio,  mesas, cadeira ergonômica, arquivos, estantes e quadros para avisos e horários.

 

A limpeza é feita diariamente, em todos os períodos, de forma sistemática. Não possui interferência de ruídos externos, e é de fácil acesso, inclusive para portadores de necessidades especiais.

 

 

 

 

 

23.6 Auditório

 

 

 

 

O auditório da FACHASUL mede 225 m² e tem capacidade para 250 pessoas. Possui

 

250 cadeiras, computador com internet, sistema de som, vídeo e data show.

 

No auditório da FACHASUL são realizadas palestras, apresentações de seminários, atividades curriculares obrigatórias e não obrigatórias.

 

O espaço conta com três condicionadores de ar e cortinas, o que de fato proporciona conforte na realização das atividades.

 

 

 

 

 

 

23.7 Equipamentos

 

 

 

 

A FACHASUL dispõe aos docentes dos cursos equipamentos em número suficiente para a utilização em aulas e para a pesquisa. O docente dispõe de data show, aparelho de DVD, aparelhos multimídia.

 

Além disto, para as aulas práticas e estágios, os cursos   dispõem de laboratórios equipados com aparelhos modernos, tanto paras as disciplinas básicas   como para as específicas de cada área.

 

 

23.7.1 Acesso a Equipamentos de Informática pelos Alunos

 

 

 

 

Os alunos fazem uso dos 23 computadores  no laboratório de informática, sendo que todos estão conectados a internet, e os mesmos, são regularmente acompanhados de professores qualificados na área.

 

É necessário a reserva de horário para utilizar os laboratórios de informática. O laboratório  de  informática  é  arejado,  com  iluminação  adequada,  ar  condicionado e  os computadores são modernos, adquiridos e atualizados por indicação dos docentes e direção da IES.

 

Na Biblioteca estão instalados mais 5 (cinco) computadores com internet, multimídia CD-ROM, no horário das 13h às 22h30min; a comunidade em geral pode fazer uso no período vespertino.

 

 

 

 

23.7.2 Recursos audiovisuais e multimídia

 

 

 

 

Considerando as multimídias, materiais e equipamentos não específicos de laboratórios, todos os setores e órgãos da Instituição se apresentam com os equipamentos necessários ao seu perfeito funcionalmente, como também são os equipamentos modernos e  mais adequados que  se  encontram no mercado, além  de  receberem a  manutenção constante, dando aos citados órgãos e setores condições de funcionamento pleno.

 

 

 

 

23.8 Rede de Comunicação (INTERNET)

 

 

 

 

A FACHASUL disponibiliza a todos os funcionários que possuem computadores em seus departamentos acesso a Internet. Os acadêmicos e os docentes possuem acesso a conteúdos relacionados às necessidades acadêmicas, através de internet sem fio (Wireless) e intranet.

 

 

Os usuários têm acesso às informações do acervo, através dos terminais na própria Biblioteca e acesso remoto, via Internet, na homepage da FACHASUL (www.fachasul.com.br).

 

Todos os serviços da Biblioteca estão informatizados, empréstimo, reserva, catalogação através do sistema de gerenciamento PHL via Web.

 

 

 

 

23.9 Administração

 

 

 

– DIRETORIA EXECUTIVA: instalada com equipamentos adequados e informatizados para recepção e reuniões com a comunidade em geral. A sala da diretoria executiva mede

32m².

 

– DIRETORIA PEDAGÓGICA: possui instalações necessárias para atendimento aos alunos e professores. A sala da diretoria pedagógica mede 24m².

 

– SECRETARIA ACADÊMICA: possui equipamentos e espaço suficiente para o atendimento ao público em geral, com 40 m².

 

– SECRETARIA GERAL: equipada para dar suporte a secretaria acadêmica e direção, medindo 23 m².

 

– SECRETARIA DA COORDENAÇÃO DE CURSOS: equipada com equipamentos informatizados oferece auxilio aos coordenadores e professores. A sala da secretaria da coordenação mede 6 m².

 

– TESOURARIA: possui equipamentos e espaço adequado para o atendimento de alunos, comunidade em geral, prestadores de serviços e fornecedores. O espaço da tesouraria é de 28 m².

 

A infraestrutura administrativa da FACHASUL está amplamente adequada para receber portadores de necessidades especiais, bem como as demais áreas de acesso.

 

 

23.10 Empresa Júnior

 

 

 

 

A Empresa Junior da FACHASUL possui sala própria, com espaço físico de 16 m², utilizado para a realização de reuniões de sua Diretoria e Conselho Administrativo. A sala possui um computador com acesso a internet, armário, mesas e cadeiras.

 

 

 

 

23.11 Centro Acadêmico

 

 

 

 

A sala do Centro Acadêmico mede aproximadamente 30 m² e é utilizada para a realização de reuniões e entretenimento dos discentes. A sala possui um computador com acesso a internet, armário, dois sofás, mesas e cadeiras.

 

 

 

 

 

 

 

23.11 CAEPE

 

 

 

 

O Centro de Apoio Educacional e Psicopedagógico ao Estudante – CAEPE conta com uma psicóloga para atender os acadêmicos da IES. A sala mede 16 m² e possui: condicionador de ar, armário, mesa, cadeiras e internet.

 

 

 

 

 

 

24 REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

 

 

A disciplina de Atividades Complementares visa o enriquecimento e aprimoramento do currículo pedagógico, a interação teoria-prática, a aquisição de habilidades e competências para o desenvolvimento do acadêmico e o acompanhamento dos avanços científicos e tecnológicos. Visa ainda, ampliar os horizontes do conhecimento bem como de sua prática para além da sala de aula, alem de favorecer o relacionamento entre grupos e a convivência com as diferenças sociais.

 

 

Art. 1º – As Atividades Complementares são atividades desenvolvidas extra-classe, consideradas relevantes para a formação do aluno e tipificadas neste Regulamento, lembrando  que  essas  são  componentes  curriculares  obrigatórios,  de  acordo  com  as Diretrizes Curriculares, Resolução No. 10 de 16 de dezembro de 2004.

Art. 2º – A tipologia das atividades complementares abrange as modalidades abaixo:

 

órgãos colegiados;

 

representação de sala de aula;

 

seminários, congressos, simpósios, encontros e similares;

 

semana acadêmica participação; semana acadêmica organização; viagens de estudos;

visitas técnicas; iniciação científica; monitoria de ensino; monitoria de pesquisa;

publicação de artigos, livros ou outros;

 

cursos e treinamentos realizados em empresas (que não configure como estágio curricular) e/ou entidades de formação profissional.

Art. 3º – A carga horária das Atividades Complementares dos cursos de graduação, a ser integralizada durante o curso é de 300 horas (trezentas horas).

Art. 4º – O aluno, obrigatoriamente, deve realizar essas atividades durante os 08 (oito)

 

semestres do curso.

 

Art. 5º – As Atividades Complementares deverão ser devidamente planejadas e comprovadas através de relatório próprio e uma cópia que certifique o evento participado.

Art. 6º – O acadêmico será responsável pela organização dos documentos comprobatórios e pelo seu devido encaminhamento à coordenação do curso para validação.

Art. 7º – O acadêmico deverá cumprir toda a carga horária de atividades complementares prevista, sob pena de não concluir o curso.

Art. 8º – Toda Atividade Complementar deve necessariamente ter aval de um professor do curso em que o aluno está matriculado;

Art. 9º – O presente Regulamento entrará em vigor após sua aprovação pelos Colegiados dos Cursos de Graduação, em primeira instancia, e pelo Conselho Diretor da Faculdade de Chapadão do Sul – FACHASUL, em segunda instância.

 

 

Art. 10 – Os casos omissos serão deliberados pelos Colegiados dos Cursos de Graduação, cabendo recurso ao Conselho Diretor da Faculdade de Chapadão do Sul – FACHASUL, como última instância.

 

 

 

 

 

Programa de Atividades Complementares Obrigatórias dos Cursos de

 

Graduação

 

 

 

 

 

Definição de Atividades Complementares Obrigatórias

 

 

 

O Programa de Atividades Complementares para os cursos de graduação da FACHASUL visa organizar o que está previsto no Projeto Pedagógico do Curso e no Plano de  Desenvolvimento Institucional. Atividades Complementares Obrigatórias são  definidas como estudos independentes e  Atividades Culturais Extras Curriculares, realizadas pelo acadêmico em âmbito da instituição ou fora dela, nas relações comuns do trabalho e com a comunidade de modo geral, enfatizando a correlação da teoria com a prática.

O Programa de Atividades Complementares dos cursos de graduação da FACHASUL é um componente curricular obrigatório como quesito para obtenção do título de bacharel em Administração e Ciências Contábeis. Dessa forma não existe dispensa de atividades complementares.

Os aproveitamentos destes conhecimentos serão viabilizados pelas normas estabelecidas pela Faculdade de Chapadão do Sul e pelo Regulamento Específico, devendo contemplar os seguintes elementos:

– os mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento de atividades complementares obrigatórias;

– os critérios para elaboração dos relatórios e aproveitamento de atividades realizadas como atividades complementares obrigatórias;

– relação professor/aluno na orientação das atividades complementares.

 

 

Definições de atividades que poderão Ser computadas como Atividades

 

Complementares Obrigatórias

 

 

 

As Atividades Complementares Obrigatórias podem ser desenvolvidas na forma de participação em desenvolvimento de trabalhos/serviços/projetos comunitários, na Empresa Júnior, visitas técnicas, curso de extensão e pesquisa/participação em congressos, fóruns, encontros,   reuniões   técnicas,   workshop,   curso   e   mini-cursos,   semana   acadêmica, participação na  diretoria e  em  projetos da  Empresa Júnior,  monitoria, apresentação de trabalhos em eventos e publicações, seminários, palestras, conferências, simpósios, defesas de trabalhos monográficos, (dissertações e teses assistir ou colaborar), filmes pertinentes à área (com apresentação de relatório sobre o mesmo), publicação de artigos, participação em órgãos colegiados na instituição, representação discente e monitoria.

As Atividades Complementares Obrigatórias devem ser orientadas pelos Professores, bem como outras atividades a critério do PAC – Programa de Atividades Complementares.

As atividades complementares obrigatórias definidas pelo PAC, no curso de Ciências Contábeis e Administração deverão apresentar uma carga horária mínima de 300 horas. Sendo o cumprimento destas, requisito obrigatório para colação de grau e posterior obtenção do diploma.

 

 

 

 

Tabela  equivalente  para  computo  de  cargas  horárias  de  Atividades

 

Complementares Obrigatórias

 

ITEM

EVENTO

LIMITES

 

 

01

Curso de Extensão (na área): quando realizado pela

FACHASUL ou Instituição de Ensino Oficial

Até 60 horas

15 horas por curso

 

 

02

Participação em Órgãos Colegiados da Instituição

Até 60 horas

30 horas por mandato

 

 

 

 

03

Congresso, conferências, simpósios, palestras, painéis

e similares:

Realizados por Instituição Oficial de Ensino e outros desde que  o  conteúdo programático seja  ligado ao Curso de Administração e Ciências Contábeis

50 horas

 

04

Publicação  de   Artigo,   monografia,  livro   e   outros

trabalhos autoria aluno em jornais, revistas e sites

90 horas por publicação

 

 

 

 

 

 

 

 

05

Semana Acadêmica: Participante e Organização

Total

 

 

06

Participação     em     projetos     desenvolvidos     pela

FACHASUL, na Empresa Júnior

Até 60 horas

20 horas por projeto

 

 

07

Projetos de iniciação científica da FACHASUL

60 horas

30 horas por projeto

 

 

 

08

Participação  em  visitas  técnicas  para  integração  e

conhecimento de empresas e /ou viagem de estudos Desde que orientados pelos professores da FACHASUL

20 horas

 

 

 

09

Cursos   e   Treinamentos:   quando   realizados   por

instituições  reconhecidas oficialmente  e  o  conteúdo programático seja pertinente a Administração e Ciências Contábeis

20 horas

10

Participação em Projeto de Pesquisa

40 horas

 

11

Representante Discente de sala

Até 40 horas

10 horas por mandato

12

Atividade de Monitoria

50 horas

13

Atividades de voluntariado

20 horas

 

 

14

Participação como membro da direção administrativa

da Empresa Junior, duração máxima de até 02 (dois)

anos

30 horas (por semestre)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO I

 

 

 

 

 

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES IDENTIFICAÇÃO

 

 

 

 

 

Aluno:                                                                                                                                                         

 

 

 

 

Matrícula – RM:                                                       

 

 

 

 

Carga Horária Realizada

 

 

 

 

Identificação da Atividade:                                                                                                                      

 

 

 

 

Data do evento:           /          /               

 

 

 

 

Tema:                                                                                                                                                        

 

 

 

 

Local de realização do evento:                                                                                                                 

 

 

 

 

Semestre do curso em que a atividade foi realizada:                          

 

 

 

 

Responsável pelo Evento:                                                                                                                        

 

 

 

 

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

 

 

DESCRIÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assinatura do Acadêmico:                                                                                                                        

 

 

 

 

 

ANEXO III

 

 

 

 

 

 

 

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

 

 

PARECER DA COORDENAÇÃO DE CURSOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

□ DEFERIDO

 

 

 

□DEFERIDO COM RESSALVA:                                                                                                           

 

 

 

□ INDEFERIDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               de                                            de                         

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Prof. Esp. Luiz Henrique Queiroz Garcia Coordenador de Cursos FACHASUL

 

 

25 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I

 

DA FINALIDADE E OBJETIVOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

Art. 1.º – O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas aos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) nas suas diferentes versões, quais sejam: monografias ou artigos científicos dos Cursos de Graduação presenciais da Faculdade de Chapadão do Sul, Campus Júlio Alves Martins.

Parágrafo único. Este  regulamento serve  como  orientação para  todos os  cursos de graduação da Faculdade de Chapadão do Sul, Campus Júlio Alves Martins.

Art.  2.º – O Trabalho de Conclusão de Curso, na forma escolhida pelos cursos de graduação,  é  fruto  de  processo de orientação acadêmica e  pesquisa individual, com defesa pública perante banca examinadora, que se vincule às diretrizes contempladas nos Projetos Pedagógicos dos cursos.

Art. 3.º – São objetivos gerais dos Trabalhos de Conclusão Curso:

 

I  –  aplicar  os  conhecimentos  práticos,  teóricos,  dogmáticos  e  críticos  ao  tema escolhido;

II – valorizar o instrumental metodológico como suporte de apoio formal e material na produção dos Trabalhos de Conclusão de Curso;

III   –   aprimorar   a   utilização   da   linguagem   acadêmica,   considerando   como critérios  a  clareza  e  a propriedade da precisão terminológica;

IV – estimular a utilização da lógica, do raciocínio, da argumentação, da persuasão e  da  criatividade como referenciais metodológicos apropriados para  a  construção do Trabalho de Conclusão de Curso.

 

CAPÍTULO II

 

DOS PRÉ-REQUISITOS

 

 

Art. 4.º – Para oficializar e iniciar a orientação do TCC é necessário que o acadêmico esteja aprovado na disciplina de Projeto de Iniciação Científica, ministrada no 6º semestre dos cursos de graduação da IES.

Art. 5.º – Para conclusão do Trabalho de Conclusão de Curso, na forma escolhida, e defesa perante banca examinadora, é necessário que o acadêmico esteja matriculado regularmente na disciplina de TCC, que é ministrada no 8º semestre de cada curso de graduação da IES.

 

 

 

TÍTULO II – DO NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I

 

DO NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

Art.  6 .º – Cada coordenador de curso poderá fazer parte do Núcleo de Trabalho de

 

Conclusão de Curso ou indicará um representante para este fim.

 

Art.  7.º – O Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso é formado por 04 (quatro) docentes  que  serão  responsáveis pela  coordenação  geral  do  setor,  disciplinando  as atividades destinadas à realização do trabalho final e elaborando o calendário semestral de atividades.

 

 

 

CAPÍTULO II

DA COMPETÊNCIA DO NÚCLEO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 8º – Compete ao Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso:

 

I – proporcionar, com o auxílio de professores orientadores, orientação metodológica e acompanhamento aos estudantes matriculados nas disciplinas específicas de cada curso;

II – convocar, sempre que necessário, reuniões com os professores orientadores e estudantes matriculados nas disciplinas acima descritas;

III – elaborar, semestralmente, o calendário das atividades relativas aos Trabalhos

 

 

de Conclusão de Curso, que deverá ser publicado em até 10 (dez) dias contados do início do semestre letivo;

IV – elaborar e encaminhar aos professores orientadores os instrumentos relativos à atividade de orientação, atinentes aos Trabalhos de Conclusão de Curso;

V  –  divulgar,  mediante  aviso  afixado  em  local  público,  as  bancas  examinadoras dos Trabalhos de Conclusão de Curso, com composição, local e data das sessões públicas de defesa;

VI  –  acompanhar  comissão  especial  de  sindicância  para  casos  de  fraude  nos

 

Trabalhos de Conclusão de Curso;

 

VII – tomar, no âmbito de sua competência, todas as demais medidas necessárias ao efetivo cumprimento deste regulamento.

 

 

TÍTULO III – DOS RIENTADORES E ORIENTANDOS CAPÍTULO I

DAS EXIGÊNCIAS E DO CADASTRAMENTO DOS ORIENTADORES

 

 

 

Art. 9º – O Trabalho de Conclusão de Curso é desenvolvido sob a orientação de um professor, preferencialmente, com pós-graduação stricto sensu.

§  1.º  O  Trabalho  de  Conclusão de  Curso  é  atividade  de  natureza  acadêmica e pressupõe a alocação de tempo de  ensino dos professores à atividade de orientação, sendo como tal remunerados na forma fixada pelas normas emitidas pela Direção.

§ 2.º Poderá se habilitar como orientador de Trabalho de Conclusão de Curso o professor que detiver o título mínimo de especialista.

§ 3.°  É  condição para a  habilitação como orientador a  participação do  professor nas atividades desenvolvidas pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso.

Art.  10  –  É  facultado  ao  estudante  escolher  o  professor  orientador  entre  os relacionados  pela  sua coordenação  do  Curso,  devendo,  para  esse  efeito,  realizar  o convite  levando  em  consideração  os prazos estabelecidos neste regulamento para a entrega do termo de compromisso de orientação devidamente assinada pelo orientador.

§1.º A ficha de orientação deverá ser entregue no prazo estipulado no calendário elaborado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso, tanto para os Projetos de Pesquisa, quando houver, quanto para o Trabalho de Conclusão de Curso.

 

 

§2.º A  troca  de  orientador  no  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso  é  permitida  até trinta  dias  após  a entrega do termo de compromisso de orientação obedecendo aos mesmos critérios estabelecidos no §1;

§3.º Ao assinar o termo de compromisso o professor estará aceitando a orientação do acadêmico;

§4.º Partindo do orientador o cancelamento da orientação este deve comunicar por escrito,  no  prazo  de até  trinta  dias  após a  assinatura do termo de compromisso de orientação,  à  coordenação  de  seu  curso.  Esta,  por  sua  vez,  cientificará   o   aluno orientando.  Neste   caso   o  acadêmico  terá   dez  dias   para  providenciar  um   novo orientador.

Art. 11 – No caso do acadêmico encontrar dificuldades de ter um professor que se disponha a assumir a sua orientação deve procurar a coordenação de seu curso, a fim de que essa o auxilie na escolha de um novo orientador.

Parágrafo único.  Na indicação de professores orientadores, sempre que possível, observar-se-á a distribuição de acordo com as áreas de atuação dos professores, respeitado o limite de orientandos previsto neste regulamento.

Art. 1 2  –  O número máximo de orientandos é de 08 (oito) alunos por semestre para cada professor orientador respeitando-se as características operacionais de cada curso em particular.

Parágrafo único.  A carga horária semanal, por aluno, destinada à orientação do Trabalho de Conclusão de Curso, para fins do cômputo da carga horária do docente, deve obedecer às normas específicas da FACHASUL.

 

 

 

CAPÍTULO II

 

DOS DEVERES DOS PROFESSORES ORIENTADORES

 

 

 

 

Art. 13 – São deveres do professor orientador:

 

I – participar das reuniões convocadas pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de

 

Curso;

 

II – atender seus alunos orientandos nos horários agendados com estes;

 

III – elaborar, em conjunto com o acadêmico, um cronograma de encontros e tarefas específicas para o desenvolvimento da pesquisa;

 

 

IV – orientar o estudante na elaboração do Trabalho Final;

 

V – emitir parecer de admissibilidade para defesa pública que deverá ser entregue à coordenação do curso no prazo estipulado para tanto;

VI – participar da apresentação formal dos TCC para as quais estiver designado;

 

VII – assinar, juntamente com os demais membros da banca examinadora, a ata final da sessão de defesa;

VIII – cumprir e fazer cumprir este regulamento;

 

IX- entregar à coordenação de curso, na data prevista no calendário do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso o Caderno de Orientação (ANEXO A) das atividades desenvolvidas;

Art. 14 – A responsabilidade pela elaboração dos Trabalhos de Conclusão de Curso é   integralmente   do   estudante,   o   que   não   exime   o   professor   orientador   de desempenhar adequadamente, dentro das normas definidas neste regulamento, as atribuições decorrentes da sua atividade de orientação.

 

 

 

CAPÍTULO III

 

DOS ACADÊMICOS MATRICULADOS EM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

Art. 15 – Considera-se estudante em fase de realização de Trabalho de Conclusão de  Curso  aquele regularmente  matriculado  na  disciplina  específica  de  cada  curso, pertencentes ao currículo dos Cursos de Graduação presenciais da FACHASUL.

Art.  1 6   –   São  deveres  do  acadêmico  em  fase  de  realização  do  Trabalho  de

 

Conclusão de Curso:

 

I  –  frequentar  as  reuniões  e  atividades  promovidas pelo  Núcleo  de  Trabalho  de

 

Conclusão de Curso ou pelo seu orientador;

 

II  – manter contatos com o professor orientador para discussão e aprimoramento de sua pesquisa, devendo justificar eventuais faltas;

III – cumprir o calendário divulgado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso para entrega do Trabalho de Conclusão de Curso;

IV – elaborar a versão final do Trabalho de Conclusão de Curso de acordo com o presente  regulamento  observando  as  instruções  de  seu  orientador  e  do  Núcleo  de

 

 

Trabalho de Conclusão de Curso;

 

V – consultar fontes fidedignas e científicas, observando a  utilização  da legislação que regula a temática da pesquisa;

VI – entregar, para a defesa de seu TCC, três vias impressas e encadernadas em encadernação simples, de tipo espiral, na coordenação de curso, na data estipulada no calendário semestral divulgado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso;

VII – Após a defesa, e incorporadas às possíveis recomendações da banca examinadora, o acadêmico deve entregar à coordenação de seu curso, 01 (uma) cópia de seu Trabalho de Conclusão de Curso encadernada em capa dura na cor definida pelo curso, e um CD com a cópia do Trabalho de Conclusão de Curso em formato PDF para arquivo;

VIII – comparecer em dia, hora e local determinados para apresentar formalmente o seu Trabalho de Conclusão de Curso;

IX – cumprir este regulamento.

 

Parágrafo único.   O  não  cumprimento do  disposto  em  qualquer  dos  itens  deste artigo  autoriza  o professor a solicitar o desligamento dos encargos de orientação, por meio de comunicação escrita e justificada, no prazo estabelecido no calendário semestral divulgado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso.

 

 

 

 

TÍTULO IV – DO DESENVOLVIMENTO E DA DEFESA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CAPÍTULO I

 

DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

Art.17 – O  Trabalho de  Conclusão de  Curso,  na  forma  de  monografia, deve  ser elaborado  e  entregue  na  coordenação  do  curso,  no  prazo  fixado  no  calendário  do respectivo semestre, acompanhado do termo de encaminhamento para apresentação em pré-banca e banca de defesa (modelo do regulamento de TCC de cada curso de graduação), juntamente com o Caderno de Orientação considerando-se:

I  –  na sua  estrutura formal a  obediência aos  critérios técnicos estabelecidos nas

 

 

normas da ABNT (NBR 14724) sobre documentação, a saber:

 

a) Capa: elemento obrigatório contendo o nome do autor, título, subtítulo (se houver), cidade da instituição onde será apresentado, ano de depósito (entrega);

b)  Folha  de  rosto:  elemento  obrigatório  contendo  o  nome  do  autor,  o  título  do trabalho  que  deve  ser claro  e  preciso,  identificando  o  conteúdo  e  possibilitando  a indexação   e   recuperação   da   informação,  subtítulo   (se   houver),   natureza   (se   é monografia, tese, dissertação), nome do orientador, local (cidade) da instituição onde será apresentado e ano de depósito (entrega);

c) Ficha catalográfica: elemento obrigatório que deve estar no verso da folha de rosto;

 

d) Errata: elemento opcional;

 

e)  Folha  de  aprovação:  elemento  obrigatório,  conforme  modelo  idealizado  pelo

 

Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso;

 

f) Dedicatória: elemento opcional;

 

g) Agradecimentos: elemento opcional;

 

h)  Epígrafe:  elemento  opcional  que  pode  também  ser  colocado  nas  folhas  de abertura das seções primárias;

i) Resumo na língua vernácula: elemento obrigatório constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas. O resumo deve ressaltar o objetivo, o método, os resultados e  as  conclusões  do  trabalho.  Recomenda-se  a  utilização  de  parágrafo  único  na elaboração do  resumo.  Quanto  à  sua  extensão  os resumos devem ter de 150 a 500 palavras no caso de trabalhos acadêmicos (monografias, dissertações, teses). O resumo será  seguido,  logo  abaixo,  por  palavras  representativas do  conteúdo  do trabalho: as palavras-chave. Estas deverão ser em número de três, separadas e finalizadas por ponto.

j)  Resumo em  língua  estrangeira: elemento  obrigatório e  que  segue  as  mesmas características do resumo na língua vernácula. Este resumo deve ser escrito, preferencialmente em inglês.

k) Lista de ilustrações: elemento opcional e que deve ser apresentado conforme a ordem de apresentação no texto, com cada item designado por um nome específico, acompanhado do respectivo número da página onde está localizado.

l) Lista de tabelas: elemento opcional, elaborado de acordo com a ordem em que aparece no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página.

m)  Lista  de  abreviaturas  ou  siglas:  elemento  opcional  que  consiste  na  relação

 

 

alfabética  das  abreviaturas e  siglas  utilizadas  no  texto,  seguidas  das  expressões ou palavras correspondentes grafadas por extenso.

n) Lista de símbolos: elemento opcional que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado.

o) Sumário: elemento obrigatório cujas partes são acompanhadas dos respectivos números das páginas. Recomenda-se verificar a NBR 6027 que trata do tema.

p) Introdução: parte  inicial do  texto  onde deve  constar a  delimitação do assunto tratado,  objetivos  da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.

q) Desenvolvimento: parte principal do texto que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto tratado. Divide-se em seções e sub-seções que variam em função da abordagem do tema e do método utilizado.

r) Conclusão: parte final do texto onde se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses.

s) Referências: elemento obrigatório, elaborado de acordo com a NBR 6023. t) Glossário: elemento opcional, elaborado em ordem alfabética.

u) Apêndice(s): elemento opcional que é identificado por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelo título.

v)  Anexo(s):  elemento  opcional  indicado  por  letras  maiúsculas  consecutivas, travessão e pelo título.

II – no seu conteúdo a observância das finalidades estabelecidas no Artigo 3.º deste regulamento e à vinculação direta do tema com a proposta pedagógica do curso.

III – seu caráter inédito e idôneo.

 

Parágrafo único.   Os casos que não atenderem a estes critérios estarão sujeitos à aplicação das sanções disciplinares regimentais.

Art. 1 8  –  O Trabalho de Conclusão de Curso, na forma de artigo científico, deve ser elaborado e entregue em  três vias,  na  coordenação  do  curso,  no  prazo  fixado no  calendário  do  respectivo semestre, acompanhado do termo de encaminhamento para apresentação em pré-banca e banca de defesa, (modelo do regulamento de TCC de cada curso de graduação),  juntamente com o Caderno de Orientação considerando-se:

I –  na  sua  estrutura formal a  obediência aos  critérios técnicos estabelecidos nas normas da ABNT (NBR 6022) sobre documentação, a saber:

a)  Título  e  subtítulo:  devem  figurar  na  página  de  abertura  do  artigo,

 

 

diferenciados tipograficamente ou separados por dois pontos;

 

b) Autor: nome do autor acompanhado de breve currículo que o qualifique na área de conhecimento do   artigo.   O currículo, bem como os endereços postal e eletrônico, devem aparecer no rodapé indicado por asterisco na página de abertura ou, opcionalmente, no final dos elementos  pós-textuais, onde também devem ser colocados os agradecimentos do autor e a data da entrega dos originais.

c) Resumo  na  língua  do  texto:  Elemento  obrigatório,  constituído  de  uma seqüência de frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos,  não  ultrapassando  250  palavras,  seguido, logo  abaixo,  das  palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave e/ou descritores, conforme NBR 6028.

d) Palavras-chave na língua do texto: elemento obrigatório, as palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão Palavras-chave: separadas entre si por ponto e finalizadas por ponto.

e) Introdução: parte inicial do artigo, onde deve constar a delimitação do assunto tratado, os objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do artigo.

f) Desenvolvimento: Parte principal do artigo, que contém a exposição ordenada e  pormenorizada do  assunto tratado.  Divide-se em  seções  e  sub-seções, que variam em função da abordagem do tema e do método.

g) Conclusão: parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos e hipóteses

h) Título e subtítulo em língua estrangeira: segue a mesma orientação do título e subtítulo na língua do texto.

i) Resumo em língua estrangeira: elemento obrigatório, versão do resumo na língua do texto, para idioma de divulgação internacional, com as mesmas características do resumo na língua do texto.

j) Referências: conforme NBR 6023.

 

k) Glossário: elemento opcional, elaborado em ordem alfabética. l) Apêndices.

m) Anexos.

 

 

 

II – no seu conteúdo a observância das finalidades estabelecidas no Artigo 3.º deste

 

 

regulamento e à vinculação direta do tema com a proposta pedagógica do curso.

 

III – seu caráter inédito e idôneo.

 

Parágrafo único.   Os casos que não atenderem a estes critérios estarão sujeitos à aplicação das sanções disciplinares regimentais.

Art.  19 –  Se  o  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso  for  entregue  fora  do  prazo  a penalização será de três pontos na nota final.

I – O acadêmico terá quarenta e oito horas para justificar, via comunicado escrito à coordenação do curso, e devidamente protocolado, a razão do atraso, o que não o isenta da entrega do mesmo.

II – Se no prazo de setenta e duas horas após a data da entrega o acadêmico não a entregar, fica reprovado no Trabalho de Conclusão de Curso, sendo-lhe atribuída nota zero.

Parágrafo único.  Na entrega do Trabalho de Conclusão de Curso fora do prazo não serão aceitas as justificativas de problemas técnicos, atraso na digitação ou encadernação.

Art. 20 – Não será aceito Trabalho de Conclusão de Curso sem termo de encaminhamento para apresentação em banca examinadora.

Parágrafo único. A não emissão do termo de encaminhamento para apresentação em banca examinadora implica na reprovação no Trabalho de Conclusão de Curso.

 

 

 

 

CAPÍTULO II

 

DA DEFESA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

 

 

 

Seção 1 – Da banca examinadora

 

 

 

Art. 21 – O Trabalho de Conclusão de Curso é apresentado formalmente pelo acadêmico a uma banca examinadora composta pelo professor orientador, que a preside, e por outros dois membros designados pela coordenação do curso;

Art. 22 – A banca examinadora somente pode executar seus trabalhos com o comparecimento dos dois membros designados, além do professor orientador.

Parágrafo  único.    Não  comparecendo  um  dos  professores  designados  para  a banca examinadora, a coordenação do curso marcará nova data para a apresentação, em

 

 

prazo de até cinco dias.

 

Art.  23  –  Os   professores   dos   cursos   credenciados   como   orientadores   são convocados   para    participar   das   bancas   examinadoras,   mediante   indicação   da coordenação do curso.

Parágrafo único.   Os demais professores do curso, de outros cursos, de outras Universidades  e   mesmo  profissionais  com  ampla   atuação   na   área   poderão   ser convidados, na qualidade de professores convidados, a  integrar  bancas examinadoras quando o total de docentes credenciados como orientadores for insuficiente ou quando a temática proposta pelo acadêmico assim o exigir.

 

 

 

Seção 2 – Da apresentação formal do Trabalho de Conclusão de Curso

 

 

 

Art. 24 – As sessões de apresentação formal dos Trabalhos de Conclusão de Curso são públicas.

Parágrafo  único.    Não   é   permitido   aos   membros  das  bancas  examinadoras tornarem públicos  os conteúdos dos Trabalhos de Conclusão de Curso antes de sua apresentação.

Art.  25  –  A  coordenação  de  curso,  juntamente  com  o  Núcleo  de  Trabalho  de Conclusão de Curso, deve elaborar e organizar calendário semestral fixando prazos para a entrega dos Trabalhos de Conclusão de Curso, para designação das bancas examinadoras e para a realização das apresentações.

Art. 26 –  Ao término da data limite para a entrega das cópias dos Trabalhos de Conclusão  de  Curso,  a  coordenação  de  curso,  conjuntamente  com  o  Núcleo  de Trabalhos  de  Conclusão  de  Curso,  em  local  acessível  à  comunidade  acadêmica, publicará a relação de composição das bancas examinadoras, os horários e as salas destinados às apresentações.

Art.  27  –  Os  membros  das  bancas  examinadoras,  a  contar  da  data  de  sua designação, têm o prazo de 10 (dez) dias para proceder   leitura   dos   Trabalhos   de Conclusão  de  Curso,  apondo  seus  vistos  nas respectivas vias.

Art. 28 – Na apresentação inicial, o aluno terá até 20 (vinte) minutos. Para os membros da banca arguirem e o  acadêmico  apresentar  a  defesa  oral  serão  destinados  até 40 (quarenta) minutos, completando até uma hora de banca.

 

 

Seção 3 – Da avaliação da monografia

 

 

 

Art. 29 – A atribuição da nota será dada após o encerramento da etapa de argüição, de acordo com a ficha de avaliação individual, por examinador, levando em consideração o trabalho escrito, a exposição oral e a defesa na arguição pela banca examinadora.

§  1.º  Serão  examinadores  os  dois  integrantes  indicados  pela  coordenação  de curso, cabendo ao orientador que presidirá a banca, os trabalhos de abertura, condução e encerramento da sessão de defesa com entrega da Ata à Coordenação de Curso (que consta no regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso).

§ 2.º Para a atribuição das notas serão utilizadas fichas de avaliação individuais, onde o professor lança suas notas para cada item a ser considerado.

§ 3.º A nota final do aluno é o resultado da média aritmética das notas atribuídas pelos membros da banca examinadora.

§ 4.º Para aprovação o aluno deve obter nota igual ou superior a 7 (sete) pontos na média das notas individuais atribuídas pelos membros da banca examinadora.

§ 5.º O acadêmico reprovado no Trabalho de Conclusão de Curso poderá interpor recurso endereçado ao Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas após a comunicação do resultado, no qual deverão constar as razões de sua inconformidade. Os recursos das avaliações serão analisados por uma comissão formada pelo Coordenador de Curso e mais dois professores indicados pela coordenação e membros do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso, devendo esta emitir parecer específico.  Verificados motivos justificáveis, sendo o parecer favorável à reapresentação, marcar-se-á nova banca, em até 10 (dez) dias para reapresentação do Trabalho de Conclusão de Curso.

Art. 30 –  A  banca  examinadora,  por  maioria,  após  a  apresentação  oral,  pode sugerir  ao  aluno  que reformule  aspectos  de  seu  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso, condicionando a obtenção do respectivo grau.

§  1.º  Cabe  ao  orientador  e  ao  acadêmico  a  responsabilidade  pelo  implemento das reformulações sugeridas pela banca examinadora.

§ 2.º O prazo para apresentar as alterações sugeridas é de até 1 0  ( dez) dias a contar da data da apresentação.

§  3.º  Entregue  a  versão  final  do  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso,  já  com  as alterações  realizadas,  reúne-se  novamente  a  banca  examinadora  para  proceder  a

 

 

reavaliação que confirmará ou não o grau atribuído na apresentação.

 

Art. 31 – O aluno que não comparecer para a sua apresentação formal sem motivo justificado estará automaticamente reprovado no Trabalho de Conclusão de Curso.

Art. 32 – A ata de avaliação final, assinada pelos membros da banca examinadora, não poderá ter rasuras e deve ser entregue pelo professor orientador à coordenação do curso;

Art. 33 – Não há substituição do grau atribuído pela banca examinadora ao Trabalho de Conclusão de Curso, devendo o aluno reprovado matricular-se novamente na disciplina em que foi reprovado.

§ 1.º Se reprovado, fica a critério do acadêmico continuar ou não com o mesmo tema e com o mesmo orientador.

§ 2.º Optando por mudança de tema, deve o aluno reiniciar todo o processo para elaboração  do Trabalho  de  Conclusão de  Curso,  desde  a  concepção  do  projeto  de pesquisa, quando houver. Optando por não mudar de tema, o mesmo deverá reformular o  Trabalho  de  Conclusão  de  Curso,  aprofundar  a  análise  temática  e  corrigir  as deficiências e/ou falhas apontadas pela banca examinadora.

 

 

 

 

 

TÍTULO V – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

 

 

 

Art. 34 – Os  Trabalhos de  Conclusão de  Curso  aprovados poderão ser  utilizados pelos cursos de graduação da FACHASUL, com objetivo didático-pedagógico e científico, ressalvados os direitos autorais.

 

Parágrafo único. Os Trabalhos de Conclusão de Curso que obtiverem nota igual ou superior a nove poderão ser encaminhadas para a biblioteca do campus, em cópia impressa com capa dura, além de entregar uma cópia em CD, na versão PDF.

Art. 35 – Se em qualquer momento do processo de elaboração, de apresentação ou de defesa dos Trabalhos de Conclusão de Curso for cogitado pelo professor orientador, ou pela banca examinadora, a existência de plágio, fraude ou comercialização do mesmo, o coordenador do curso deverá cientificar o Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso, que organizará uma Comissão Especial de Sindicância. Esta Comissão será composta por dois professores orientadores – que não tenham atuado na banca examinadora –

 

 

indicados pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso – e um discente, também indicado pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso, para proceder à investigação.

§  1º.   O acadêmico cujo Trabalho de Conclusão de Curso for objeto das suspeitas acima, será cientificado por escrito para que em 03 (três) dias apresente sua defesa, se quiser.

§ 2º. A Comissão Especial de Sindicância deve analisar a defesa apresentada pelo acadêmico no prazo de 03 (três) dias, comunicando a coordenação do curso;

§   3º.   Em   sendo   admitida   procedente   a   defesa   do   acadêmico,   será   dada continuidade à atividade iniciada.

§  4º.  Em  caso  de  já  ter  sido  designada  data  de  apresentação  do  Trabalho  de Conclusão de Curso, esta será suspensa até julgamento final da defesa apresentada pelo acadêmico.

§ 5º.  Em  sendo admitida a  defesa  do  acadêmico será  marcada nova  data  para apresentação no prazo máximo de dez dias.

§  6º.  Em  caso  de  não  ser  admitida  defesa  proposta  no  recurso,  o  acadêmico será reprovado no Trabalho de Conclusão de Curso em caráter definitivo.

Art. 36 – A caracterização de plágio total ou parcial acarretará a apuração de responsabilidade, através de processo administrativo disciplinar e, ainda, havendo viabilidade,  poderá  o  autor  da  obra  (objeto  de  plágio  ou  cópia)  efetivamente  ser comunicado para que, se quiser tomar as medidas cabíveis.

Art. 37 – Os Trabalhos de Conclusão de Curso poderão ser publicados em revista e/ou em meios eletrônicos, caso recomendado pela banca examinadora.

Art.  38  –   As   situações  que   não   estejam   previstas  neste   regulamento  serão analisadas  e  decididas, mediante a expedição de diretrizes específicas, pelo Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso.

Art. 39 –  Este regulamento entra em vigor nesta data, por aprovação pelo Núcleo de  Trabalho  de Conclusão de Curso da FACHASUL. Revogam-se as disposições em contrário.

 

 

 

 

 

ANEXO I

 

 

 

 

 

 

 

TERMO DE COMPROMISSO DO PROFESSOR ORIENTADOR DA MONOGRAFIA

 

 

 

Eu,                                                                                                                          , professor(a) do Curso de Ciências Contábeis desta Instituição, declaro, para os devidos fins a que se destina, estar de acordo em assumir a orientação da monografia do(a) aluno(a)

                                                                                                                                                     .

 

 

 

Título provisório:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               de                    de             .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nome legível do professor-orientador              Assinatura do professor-orientador

 

 

 

 

 

 

 

 

Nome legível do aluno-orientando                    Assinatura do aluno-orientando

 

 

 

 

TERMO DE DESISTÊNCIA DE ORIENTAÇÃO DE MONOGRAFIA PELO PROFESSOR ORIENTADOR

 

 

 

 

 

 

Eu,                                                                                                                          , professor(a) do Curso de Ciências Contábeis desta Instituição, declaro, para os devidos fins a que     se     destina,     desistir     da     orientação     da     monografia     do(a)     aluno(a)

                                                                                                                                                     .

 

 

 

 

 

Motivos da desistência:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               de                             de             .

 

 

 

 

 

 

 

Nome e Assinatura do Professor-orientador

 

 

 

 

TERMO DE DESISTÊNCIA DE ORIENTAÇÃO DE MONOGRAFIA PELO ALUNO ORIENTANDO

 

 

 

Eu,                                                                                                                          , aluno(a) do Curso de Ciências Contábeis desta Instituição, declaro, para os devidos fins a que    se    destina,    desistir    da    orientação    da    monografia    pelo(a)    professor(a)

                                                                                                                                       .

 

 

 

 

 

Motivos da desistência:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               de                              de                        

 

 

 

 

 

 

 

Nome e assinatura do aluno-orientando

 

 

 

 

NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

 

 

CADERNO DE ORIENTAÇÃO

 

 

 

Este Caderno de Orientação é de responsabilidade do acadêmico e tem como objetivo registrar as atividades desenvolvidas durante o processo de elaboração do Projeto de Pesquisa ou do Trabalho de Conclusão de Curso.   Após cada encontro de orientação o acadêmico, juntamente com o seu orientador, deverão assinar a atividades descritas. Este Caderno deverá ser entregue mensalmente para computo de horas a serem remuneradas ao docente orientador e também como comprovação de orientação ao orientado. O calendário equivale a 01 (um) por orientado por mês.

 

 

 

Dados de identificação

 

 

 

 

 

Acadêmico: Telefone:

Email: Curso: Orientador:

 

 

 

 

Tipo de orientação:                   Artigo

 

Monografia

 

 

 

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

 

 

 

 

Data:                                                                Local:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

_                    _                                                               _                    _

Assinatura Orientador                                                   Assinatura Acadêmico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO V

 

 

 

 

 

 

TERMO DE ENCAMINHAMENTO PARA PRÉ-BANCA DE MONOGRAFIA

 

 

 

 

 

 

Eu, Professor (a)                                                                                                     

 

encaminho     para     Apresentação     e     Defesa     a     monografia     intitulada

 

 

 

 

 

do (a) aluno (a) do 8º Semestre do Curso de Ciências Contábeis – FACHASUL,

 

                                                                                                                                 , por considerar que ela atende aos requisitos mínimos de uma monografia acadêmica e por considerar o(a) aluno(a) apto(a) a defende-la perante a Banca Examinadora.

 

 

Por ser verdade, firmo a presente.

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               /            /            .

 

 

 

 

 

 

 

Professor orientador

 

 

 

 

 

 

ANEXO VI

 

 

 

 

 

 

TERMO DE ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DE MONOGRAFIA

 

 

 

 

 

 

Eu, Professor (a)                                                                                                     

 

encaminho para Apresentação e Defesa a Monografia intitulada                                            

 

 

 

 

 

do (a) aluno (a) do 8º semestre do curso de Ciências Contábeis da FACHASUL,

 

                                                                                                                                   , por considerar  que  ele  atende  aos  requisitos  mínimos  de  uma  monografia  e  por considerar o (a) aluno (a) apto (a) a defendê-lo perante a Banca Examinada abaixo na data             /           /             :

 

 

Professor (orientado):                                                                                                                  Professor:                                                                                                                                                       

Professor:                                                                                                                                    

 

 

 

Por ser verdade, firmo a presente.

 

 

 

 

Chapadão do Sul,               /            /            .

 

 

 

 

 

Professor-orientador

 

 

 

 

 

ATA DE DEFESA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM

 

CIÊNCIAS CONTÁBEIS

 

 

 

Aos

 

dias   do   mês   de   _

 

do   ano   de   dois   mil   e

 

,   o   acadêmico

 

 

_                                          _      defendeu seu Trabalho de Conclusão do

 

Curso – TCC, intitulado: “_                                          _                                          _                              _

 

_                                          _                                          _

 

_              ”, para a banca examinadora composta pelos professores infra-

 

 

assinados, que atribuíram, em média, nota

 

 

_       _ (

 

 

_              ). Considera-

 

 

se assim

 

 

_ [aprovado ou aprovado com modificações ou

 

 

reprovado]. Tendo sido aprovado com modificações, as observações requeridas pela banca deverão

 

 

ser entregues ao Colegiado de Curso até o dia _   _/

 

 

/     _. Após a análise final Colegiado

 

 

Curso, o acadêmico deverá entregar na coordenação do curso, um exemplar encadernado em capa

 

dura, na cor preta com letras douradas e uma cópia em meio eletrônico até o dia         /          /            .

O não cumprimento fiel dos ajustes e dos prazos determinados implica na reprovação do acadêmico na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso.

 

Principais observações requeridas pela banca:

 

_                                          _                                          _                              _

 

_                                          _                                          _                              _

 

_                                          _                                          _                              _

 

_                                          _                                          _                              _

 

 

Banca Examinadora:

 

 

Presidente Professor      _                                          _ Nome

 

 

Membro Professor          _                                          _ Nome

 

 

Membro Professor          _                                          _ Nome

 

_

 

 

 

 

_       _

 

 

 

 

_       _

 

 

 

 

 

 

ANEXO VIII

 

 

 

 

FICHA DE AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DO TCC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

 

 

TÍTULO DO TRABALHO:                                                                                                          

 

 

 

 

ACADÊMICO (A):                                                                                                                      

 

PROFESSOR AVALIADOR (A):                                                                                                 

 

 

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO                                                                          NOTA

 

SEQUÊNCIA LÓGICA E APRESENTAÇÃO ORAL DO TRABALHO

PESO 5,0

Postura/Comportamento durante a apresentação (1,0)

 

Uso adequado do tempo e utilização de recursos (1,0)

 

Sequência lógica da apresentação e domínio do assunto (2,0)

 

Expressão oral e clareza na comunicação (1,0)

 

CONTEÚDO DO TRABALHO ESCRITO

PESO 3,0

Relação do tema proposto X conteúdo do trabalho (1,0)

 

Contribuição do trabalho para a formação do acadêmico (1,0)

 

Observação das Normas Metodológicas – ABNT (1,0)

 

ARGUIÇÃO

PESO 2,0

Linguagem adequada nas respostas (1,0)

 

Conhecimento teórico e prático (1,0)

 

NOTA FINAL DA APRESENTAÇÃO/ACADÊMICO

 

 

OBSERVAÇÕES:

 

 

 

 

Chapadão do Sul-MS,         /          /            .

 

 

 

 

Assinatura do Avaliador

 

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

 

 

 

Tendo em vista a grande importância da flexibilidade do Projeto Pedagógico, adaptando-se as mudanças ocorridas no dia a dia das organizações neste mundo globalizado, onde o Curso de Ciências Contábeis vem juntamente à acompanhar esse processo constante de mudanças, preparando o profissional para o mercado futuro de trabalho.

 

O Curso de Ciências Contábeis da FACHASUL está constantemente adaptando-se a essa nova realidade por meio de um planejamento estratégico e constante melhoramento na infra-estrutura, buscando por meio de projetos de extensão e pesquisa, uma integração com a comunidade, assim como um aperfeiçoamento do corpo discente e docente.